Terça-feira, 20 de Setembro de 2011

Outono escreve-se com maiúscula

  Outono escreve-se com maiúscula, «Livro de Leitura da Segunda Classe.

« Hoje tive a primeira reunião de turma da minha filha mais nova, e disse à professora... aquilo que ela já sabia: o que ela ensinar à Adriana pela «via acordista» eu, depois, corrijo. O que, aliás, já aconteceu hoje, primeiro dia de aulas: ela disse às crianças que agora os meses e as estações do ano se escrevem (primeira letra) em minúsculas... e eu instruí a minha garota quanto à forma correcta. Praticamente todos os outros pais e encarregados de educação concordam comigo. Ficou a ideia de marcar uma outra reunião, com outras professoras, incluindo a responsável principal, do agrupamento em que a escola se insere. Mas esta é uma guerra que se afigura muito difícil...»

In Portugal dos Pequeninos, 16/9/2011.


 É guerra mais trabalhosa do que difícil. Um trabalho de Hércules. Todavia possível. Até lá é de ir fazendo a necessária guerrilha...
 Tenho ouvido relatos doutros pais contrariados com o absurdo cacográfico em que o governo prossegue, e que o manifestam, deseperados, aos professores. E ouço também que estes se reduzem ao rebanho assalariado e amorfo em que os tornaram, escusando-se a repudiar a ignorância das letras como bons mestres haveriam de fazer. Para agravar, há aí novos livros que, sem ser proscritos... são mal escritos.
 Comigo, livro escolar em mau português não haveria filho meu de ter que lhe não pusesse eu o devido quinau; a grosso e a vermelho para ficar bem visível. Cada emenda nos livros seria uma lição para professores que se apascentam mais pela cartilha administrativa do que se regem pela dedicação ao saber e à cultura. Em suma, aos imprestáveis.
 Isto podem todos os pais fazer já que os livros são seus.
 Não cuidem também, nem se deixem refrear por mentiras que correm de que a simplificação da escrita segundo o Acordo Ortográfico faz os meninos aprenderem melhor. Se assim fosse, os meninos brasileiros aprenderiam melhor as letras do que os portugueses, já que no Brasil não andam «atrapalhados» pelo «p» de «óptimo». Não deixe, benévolo leitor, pai ou encarregado de educação que lhe comam as papas na cabeça; procure o índice de analfabetismo em Portugal e no Brasil no programa da O.N.U. para o desenvolvimento de 2007/2008 e veja. O índice de analfabetismo do Brasil é o dobro do de Portugal. — E no Brasil até já se ensina que «nós pega os peixe» como sendo correcto! — Ora a prova, se precisa ela fosse, de que a ortografia dum idioma, qualquer idioma, nada tem que ver com o analfabetismo dum povo mede-se muito bem pelo francês e pelo inglês; em ambas as línguas a ortografia de farmácia segue o étimo grego pharmakeía (pharmacie – fr.; pharmacy – ing.), porém o índice de analfabetismo em França, na Inglaterra, no Canadá ou nos Estados Unidos é de menos de 1%. Quem há aí em Portugal que ache que um filho seu se haveria de baralhar para aprender a escrever pharmácia?
 O que vai dito vale o que vale e o Acordo Ortográfico está aí, é que que todos dizem. Mas não baixemos os braços. Se não há tino no governo nem nos professores contra o ensinar burrice às nossas crianças, o que sobra aos pais empenhados e encarrregados de educação honestos em Portugal é fomentar o talho da alarvidade (orto)gráfica através da divulgação e assinatura duma proposta de lei, concreta, redigida à margem de partidos, para revogação imediata do Acordo Ortográfico. A Iniciativa Legislativa de Cidadãos para esse fim segue em curso e cada vez recolhe mais assinaturas. Faz falta que todos assinem. São precisas 35.000 assinaturas para levar a proposta de lei à Assembleia. É muita assinatura para um país tão pequeno, um dos trabalhos de Hércules. Mas cada um de nós, por si, preencher e assinar um impresso não é tarefa tão hercúlea, afinal.


(Imagem do Livro de Leitura da Segunda Classe, in Santa Nostalgia.)

 


Adenda:

« Também sou contra o novo acordo e como docente não está a ser fácil! Ando sempre munida com um prontuário, porque não me entendo com a nova grafia! Mas de facto como professora sou mesmo "obrigada" a usar o novo acordo ortográfico. Como sou professora de Matemática, à partida não teria muitos problemas... mas tenho de ter atenção aos sumários! Peço é por favor que entenda o papel da professora da sua filha! Ela não tem culpa de que como professora, seja "obrigada" a usar a nova grafia! Nós não temos a quem nos queixar ou suplicar para [não] usar o novo acordo ortográfico. Por favor não trave uma luta com a professora da sua filha. Um professor estar colocado já é um milagre e por muito que se pense o contrário, trabalha-se muito na nossa profissão! Não crie um problema [...] à "minha" colega [...] »

Comentário duma professora em 21/9/2011, que diz do que se passa com os professores.
(Sublinhados meus.)

 

 Põe aspas em ser «obrigada», e bem: 1) até 2016 não é obrigada a nada nem mal lhe pode advir, especialmente na redacção dos sumários; 2) como professora de Matemática pode escudar-se justamente nisso, na Matemática, e escusar-se ao resto; 3) pode assinar a I.L.C. contra o acordo ortográfico; diz que é contra, já assinou?
 Por fim, a reclamação dos pais não é centrada na pessoa do professor, mas na Escola como instituição. Se são os pais contra um ensino errado, como agentes activos da educação dos filhos, natural é que reclamem, que se façam ouvir em toda a medida, e que a Escola através dos seus responsáveis faça chegar essas vozes ao ministério. Porque das duas uma: ou somos contra a burrice e queremos acabar com ela; ou somos complacentemente contra e então nada feito.

2.ª Adenda:

« Só lhe tenho a dizer que a minha escola é T.E.I.P. e como tal tem autonomia para decidir se quer ou não adoptar o novo acordo. A resposta é positiva [adoptou-o]! E a autonomia da escola também se estica à contratação de docentes! Não posso levantar "poeira" estando numa situação precária. E nós docentes cumprimos ordens, assim como os empregados duma empresa! E sim já assinei a I.L.C.! »

Tréplica da mesma professora em 23/9/2011.

Escrito com Bic Laranja às 18:55
Verbete | comentar
32 comentários:
De Bic Laranja a 21 de Setembro de 2011
O meu discurso cada um o pode fazer com a convicção com que o eu faço. Desde que a tenha, bem entendido. Mas vossemecê toca no ponto; falar é fácil. E exortar as pessoas para que ajam e não falem só, qualquer um o pode fazer, até os professores. À professora apenas se pode cobrar, sendo ela contra, que assine a proposta de lei para revogação da ignominiosa grafia. E que veicule persistentemente a contrariedade dos pais em relação a... E que lhe dê voz. E que persista na legitimidade do português até 2016, que é o período legal da moratória. E que faça a guerrilha possível. Porque é contra. Porque é livre de ser contra. Tal como eu.
Quanto ao meu conforto, que sabe vossemecê?
Cumpts.
De Operático a 22 de Setembro de 2011
De facto não sei nada do seu conforto mas posso calcular que ele é total quanto a este e provavelmente a muitos outros temas. Mas ainda bem para si que assim o é, mas acho que continua a não compreender (e não terá seguramente que conviver) com a angústia de quem sendo contra este acordo (não só esta professora mas seguramente muitas outras e outros professores), tem responsabilidade no ensino dos seus alunos e na preparação dos mesmos para as provas e exames que até ver, serão feitos de acordo com o estipulado no acordo ortográfico (para já não falar na questão óbvia da avaliação dos professores que é um dado que me parece que não está a levar em devida consideração).
É portanto muito fácil falar e dizer as coisas que diz porque insisto,nesta questão do acordo ortográfico, acho que não consegue de todo valorizar os problemas com que a classe dos professores se debate (não será seguramente um deles, digo eu) e age como uma qualquer pessoa para a qual o acordo é algo que nunca devia ter sido assinado.
Cumprimentos
De Bic Laranja a 22 de Setembro de 2011
Pode calcular o que bem quiser sobre o meu conforto. Mas fica dispensado de mo vir dizer aqui. No mais entenda como puder.
Cumpts.

Comentar

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____