Sábado, 24 de Setembro de 2011

O VI.º Império

Nas palavras de Fernando Cristovão, 1986 é o ano que marca a nascença da lusofonia. A grandiosa lusofonia está, obviamente, acima da mera língua portuguesa.

Miguel Esteves Cardoso, «O Acordo Tortográfico», in Explicações de Português, 2ª ed., Assírio & Alvim, 2001, apud I.L.C. Contra o Acordo Ortográfico.


Condóminos da língua?!
Não há Google lusofonês (ainda). Medindo a grandiosa lusofonia com os Google possíveis temos: 

  • Páginas de Portugal (google.pt) – 1 470 000 6 530 000 (4/3/2012);
  • Páginas de Brasil (google.com.br) - 194 000;

A lusofonia é portuguesa. O português que fique para o Brasil.

 

 

Escrito com Bic Laranja às 10:24
Verbete | comentar
9 comentários:
De BST a 24 de Setembro de 2011 às 15:26
A lusofonia é um fenómeno (alucionatório, acrescento eu) português, como bem diz o Prof. Eduardo Lourenço.
De Bic Laranja a 25 de Setembro de 2011 às 11:18
Uma demência natural dos que perdem a noção da realidade, sim.
Cumpts.
De Zephyrus a 25 de Setembro de 2011 às 14:37
Não deveria ser o português europeu o exemplo a imitar pelas ex-colónias e pelo Brasil?
De Bic Laranja a 25 de Setembro de 2011 às 14:53
Não há «português europeu». Há português e variantes ultramarinas.
Portugal só pode ser exemplo matricial do português; equivaler como variante o idioma de Portugal é absurdo pois é a matriz. Quem duvide (em Portugal ou alhures) tem complexos culturais mal resolvidos. «Lusofonias» ou «condomínio línguísto» são devaneios demenciais. Todos são donos do idioma que falam, mas se se afastam da matriz, que sentido faz chamarem-lhe português? Só se for por esbulho e má fé.
Cumpts.
De Zephyrus a 25 de Setembro de 2011 às 14:56
Tem razão. Agradeço o eslarecimento. Nunca mais cometerei o erro.
De Zephyrus a 25 de Setembro de 2011 às 14:45
Eu próprio «não engulo bem» aquela reforma ortográfica que ocorreu após o fim da Monarquia.

Sou um conservador, com orgulho. Considero que além de todo este mundo físico, onde a Ciência consegue actualmente o impensável há centenas de anos, considero, dizia eu, como Pitágoras ou Platão, que há uma dimensão espiritual que não pode jamais ser desprezada. Se tal ocorre, o Homem «morre».

Os alfabetos antigos, o grego clássico, o latino, o hebraico, as letras desses alfabetos, têm significados muito especiais. Jung, em pleno século XX, reconheceu o efeito do símbolo no Homem. As letras, visualizadas, são símbolos que operam de modo inconsciente em todos nós, mesmo num analfabeto do interior.

E as palavras também têm a sua dimensão espiritual.

Como se pode conspurcar algo sagrado, sim, sagrado, com acordos feitos por tal canalha?

Mata-se assim uma Civilização? Milhares de anos de História?

De Bic Laranja a 25 de Setembro de 2011 às 15:17
N'esta agora sou eu quem fica esclarecido.
Muito grato. Tê-lo hei em mente.
Cumpts.
De Carlos Portugal a 27 de Setembro de 2011 às 12:42
Caro Bic:
Acabei de receber, via e-mail, este excelente artigo acerca do aborto ortográfico. Espero que goste!
Cumprimentos.

Omens sem H

Espantam-se? Não se espantem. Lá chegaremos. No Brasil, pelo menos, já se escreve "umidade". Para facilitar? Não parece. A Bahia, felizmente, mantém orgulhosa o seu H (sem o qual seria uma baía qualquer), Itamar Assumpção ainda não perdeu o P e até Adriana Calcanhotto duplicou o T do nome porque fica bonito e porque sim. Isto de tirar e pôr letras não é bem como fazer lego, embora pareça. Há uma poética na grafia que pode estragar-se com demasiadas lavagens a seco. Por exemplo: no Brasil há dois diários que ostentam no título esta antiguidade: Jornal do Commercio. Com duplo M, como o genial Drummond. Datam ambos dos anos 1820 e não actualizaram o nome até hoje. Comércio vem do latim commercium e na primeira vaga simplificadora perdeu, como se sabe, um M.

Nivelando por baixo, temendo talvez que o povo ignaro não conseguisse nunca escrever como a minoria culta, a língua portuguesa foi perdendo parte das suas raízes latinas. Outras línguas, obviamente atrasadas, viraram a cara à modernização. É por isso que, hoje em dia, idiomas tão medievais quanto o inglês ou o francês consagram pharmacy e pharmacie (do grego pharmakeia e do latim pharmacïa) em lugar de farmácia; ou commerce em vez de comércio.

O português tem andado, assim, satisfeito, a "limpar" acentos e consoantes espúrias. Até à lavagem de 1990, a mais recente, que permite até ao mais analfabeto dos analfabetos escrever sem nenhum medo de errar. Até porque, felicidade suprema, pode errar que ninguém nota. "É positivo para as crianças", diz o iluminado Bechara, uma das inteligências que empunha, feliz, o facho do Acordo Ortográfico. É verdade, as crianças, como ninguém se lembrou delas? O que passarão as pobres crianças inglesas, francesas, holandesas, alemãs, italianas, espanholas, em países onde há tantas consoantes duplas, tremas e hífens? A escrever summer, bibliographie, tappezzería, damnificar, mitteleuropäischen? Já viram o que é ter de escrever Abschnitt für sonnenschirme nas praias em vez de "zona de chapéus de sol"? Por isso é que nesses países com línguas tão complicadas (já para não falar na China, no Japão ou nas Arábias, valha-nos Deus) as crianças sofrem tanto para escrever nas línguas maternas.

Portugal, lavador-mor de grafias antigas, dá agora primazia à fonética, pois, disse-o um dia outra das "inteligências" pró-Acordo, "a oralidade precede a escrita". Se é assim, tirem o H a homem ou a humanidade que não faz falta nenhuma. E escrevam Oliúde quando falarem de cinema. A etimologia foi uma invenção de loucos, tornemo-nos compulsivamente fonéticos. Mas há mais: sabem que acabou o café-da-manhã? Agora é café da manhã. Pois é, as palavras compostas por justaposição (com hífenes) são outro estorvo. Por isso os "acordistas" advogam cor de rosa (sem hífens) em vez de cor-de-rosa. Mas não pensaram, ò míseros, que há rosas de várias cores? Vermelhas? Amarelas? Brancas? Até cu-de-judas deixou, para eles, de ser lugar remoto para ser o cu do próprio Judas, com caixa alta, assim mesmo. Só omens sem H podem ter inventado isto, é garantido.

Por Nuno Pacheco
Jornalista
De Bic Laranja a 28 de Setembro de 2011 às 12:09
Muito obrigado.
É um questão de tempo, sim. E seguir-se-á homens sem «o» também para não ferir a «igualdade de género», estou certo.
Cumpts.

Comentar

Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
18
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____