Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011

Efeméride

« No dia 26 de Setembro de 1971 (domingo) a carreira 7 de autocarros é prolongada ao Cais do Sodré, passando a assegurar o serviço da carreira 16 e reforçando a oferta na Avenida Almirante Reis. A partir do Cais do Sodré a carreira circula pela Avenida Ribeira das Naus, Praça do Comércio, Rua da Prata, Rua do Comércio, Rua da Madalena, Largo do Caldas, Poço do Borratém, Martim Moniz, Rua da Palma e Avenida Almirante Reis, Rua Pascoal de Melo, Rua António Pedro e Rua Pereira Carrilho até à Avenida Manuel da Maia, de onde segue pelo percurso habitual até à Calçada de Carriche. No sentido inverso, a partir da Alameda Afonso Henriques circula pela Rua Quirino da Fonseca, Rua Alves Torgo, Rua José Falcão, Rua Francisco Sanches, Avenida Almirante Reis, Rua da Palma, Martim Moniz, Rua Dom Duarte, Praça da Figueira, Rua dos Fanqueiros, Praça do Comércio, Rua do Arsenal e Rua Bernardino Costa. »
C. Filipe, A minha página Carris [sublinhado meu].

Autocarro 7, Alameda, 1960
Autocarro 7, Alameda, 1960.
Fotografia do Museu da Carris, in 255 Preservation Group.

Escrito com Bic Laranja às 23:30
Verbete | comentar
11 comentários:
De Mário Cruz a 27 de Setembro de 2011
O Império quando era cinema e não templo de seita. Por cima houve, naqueles tempos, uma segunda sala, o Estúdio. As grandes salas de cinema que Lisboa perdeu. Ir ao cinema era outra coisa...
De cb a 27 de Setembro de 2011
É verdade. Quando ir ao cinema não era sómente assistir à projecção de um filme.
Ás vezes começava com um bife à café cá em baixo, depois subia-se para a sessão das 21,30 horas (incluia a bica, conversa e encontros ocasionais no "foyer"), a seguir uma descida à Portugália para umas imperiais e já de madrugada rematava-se com um prego com ovo a cavalo.
Tudo isto se calhar e se bem me lembro (salvé Dr. Nemésio) por menos de cem escudos.
De [s.n.] a 27 de Setembro de 2011
E com modos, meu caro, com modos. Sem se ficar a suportar durante todo o filme os repugnantes ruídos da manipulação e mastigação desenfreadas das pipocas, e do sorver dos restos do refrigerante. Sem se assistir no fim da sessão ao estado miserável da sala, suja até ao vómito pelos restos que a turba deixou (e que, quanto muito, merecem um vago simulacro de limpeza entre sessões). E com um mínimo de dignidade no vestuário.

"Ia-se ao cinema", com uma réstia de respeito pelos outros. E pelo momento em si. Era um ritual bem-vindo e respeitado como tal.

Agora...

Saudações,
Costa
De Bic Laranja a 28 de Setembro de 2011
Estava aqui a tentar lembrar-me do último filme que lá vi... Lembro-me d' «A Conquista do Oeste», com o Henry Fonda e uma data de gente famosa. Fui arrastado para uma matinée pelo Henrique que queria à viva força ver «A Aventura do Poseidon» que estreava nesse dia. Só que à noite... O pior foi que tínha visto «A Conquista do Oeste» na semana anterior.
Aquele Henrique era meio desvairado.
Cumpts.
De Bic Laranja a 28 de Setembro de 2011
Nunca cheguei a ir ao Estúdio.
Cumpts.
De tron a 27 de Setembro de 2011
Quando usava o 7 nos meus tempos de catraio quando fiz parte da primária na escola primária nº154 o 7 já não passava na Pascoal de Melo e depois da Alameda vinha pela Almirante Reis abaixo e o resto do percuro era como o descrito
De Bic Laranja a 28 de Setembro de 2011
Por isso sublinhei essa parte do percurso.
Cumpts.
De tron a 28 de Setembro de 2011
a rua Quirino da Fonseca tem agora o termnal do 7 mas quem queria ir para lá tinha o 17 ou 16 (16 para em S. Sebastião e o 17 não sei onde para) e o percurso da pascoal de melo era assegurado pelo 6 e pelo 40
De [s.n.] a 27 de Setembro de 2011
O "meu" cinema Império! E a Alameda, que linda! Para mim, particularmente esta zona. E que saudades da limpeza das ruas e avenidas desses tempos, do ordenamento dos edifícios e da sua sólida construção, das ruas, das avenidas, dos largos, etc. Da perfeição do calcetado dos passeios que ainda hoje causa admiração sobretudo se comparada com os vergonhosos passeios de hoje em dia cheios de buracos e com irregularidades inadmissíveis e desníveis de tal dimensão que bem podem ser apelidados de criminosos os responsáveis autárquicos que permitem tão escabroso desleixo. O que isto significa de perigoso para as crianças e para as pessoas de idade (ou de qualquer outra faixa etária, já agora) e especialmente para os cegos, não tira um segundo de sono ao indigente mental e aos que o antecederam à frente da Câmara Municipal de Lisboa. Também com estes mega vigaristas e oportunistas de primeira água que temos tido à frente desta (e das outras autarquias) bem como no poder central, que nem uma mercearia de bairro seriam capazes de administrar decentemente, nada mais é de esperar.

Excepto talvez e antes que destruam o pouco que ainda se conserva de pé do imenso e belíssimo património histórico e arquitectónico que herdámos do anterior regime, detê-los, julgá-los e puni-los severamente.

Ou seja, fazer-lhes exactamente aquilo que o Dr. Medina Carreira sugeriu hoje (ontem) em entrevista a Judite de Sousa e bastas vezes por ele repetido, no que se refere aos destruidores da nossa economia que só descansaram quando nos meteram à força - isto é, sem referendar o acto, para o povo decidir em consciência, povo este, que, segundo estes grandessíssimos aldrabões é (era) quem mais ordena... (mas pouco!) - na 'Europa' para, em consequência, perdermos a nossa independência como país soberano. Tudo isto para, desde há quase quatro décadas, andarmos a pedinchar mundo fora os biliões que eles sacaram com toda a liberdade e impunidade aos cofres do Estado (grande parte deles metidos nas próprias contas em paraísos fiscais) com a maior das desvergonhas, levando Portugal ao estado miserável em que se encontra. Esta é que seria uma Justiça Justa. Mas isso...

***************

Não posso deixar de agradecer aos dois ilustres escritores (porque o são efectivamente) que me desejaram boas férias: o insigne Carlos Portugal e o douto linguísta, porque conhecedor profundo da língua portuguesa bem como a história da cidade de Lisboa, como a palma das suas mãos e que é, escusado será dizê-lo, o autor deste inigualável espaço blogosférico.
Maria
De Bic Laranja a 28 de Setembro de 2011
Tem muita razão sobre o desmazelo da cidade; contrasta tremendamente com o arranjada que era. E custa entender como se pôde decair tanto, mas tanto.
Agradeço-lhe a elevada estima mas... que diz não sou eu, acredite.
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 28 de Setembro de 2011
Pois, mas cem "paus" eram cem "paus" (comentário de CB)e daí a minha entrada tardia nessa sala e, mesmo assim, expurgada dos "acessórios" comestíveis e bebestíveis a que o mesmo se refere.Não sei qual foi o último filme que lá ví, talvez os "Encontros Imediatos do Terceiro Grau". Mas lembro-me do primeiro: "Os Homens de Las Vegas", a história de um assalto a um veículo de transporte de valores. Uma coisa mais banal, nos tempos que correm, que já não daría um filme. Quanto muito, notícia no Correio da Manhã.
Esta memória persiste, talvez por estar aliada ao estatuto que dava a um jovem imberbe, a passagem das salas de cinema de bairro para uma sala "a sério". Era outro luxo!
Quanto à carreira 7, hoje, no estado em que está a Rua da Madalena, é um espanto imaginar-se que já subiram por lá autocarros de dois pisos. Mas subiram! (Bem, às vezes não subiam, nada é perfeito)e tanto assim era que, ao cruzarem a linha do eléctrico no Largo da Madalena, frequentemente a traseira raspava o chão de tal modo que até faíscava. Daí, muitas das marcas que ainda hoje se vêm no asfalto. Grande 7!
Requiescat in pace.

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____