Quinta-feira, 29 de Setembro de 2011

Que é dele o padeiro?

Mota do padeiro, Av. dos E.U.A. (A.Pastor, 1960-69)
Mota do padeiro, Av. dos Estados Unidos da América, 1960-69
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 12:30
Verbete | comentar
34 comentários:
De Mário Cruz a 29 de Setembro de 2011
Este é um "serviço" que merecia ser recuperado. Se tivesse capital investia numa boa padaria/pastelaria de bairro com contratos de distribuição ao domicílio. Ainda me lembro da minha mãe receber o pão em casa e a minha avô lavadeira !(não sei se era de Caneças:))
De a 29 de Setembro de 2011
Colateralmente, constato que a praga das "marquises" começava a tomar força... Calculava - pelos vistos, erradamente - que tal só houvesse sucedido a seguir ao 25-A...
De Bic Laranja a 30 de Setembro de 2011
A degradação de Lisboa pelo mau gosto (arquitectura em altura, varandas, montras de lojas mutilando praticamente todas as fachadas) e pela vil especulação imobiliária instalou-se de armas e bagagens nos anos 60.
Zeitgeist.
Cumpts.
De Bic Laranja a 30 de Setembro de 2011
Há tempo ouvi notícia duma padaria com serviço de entregas. Mas não só com o pão. O comércio de bairro poderia unir-se reavivar a esquecida profissão dos marçanos. Os supermercados já viram o nicho, embora cobrem despudoradamente por ele.
Cumpts.
De tron a 29 de Setembro de 2011
Eu era miúdo e tnha um tio que morava no Bairro da Encarnação e tinha um padeiro que ia todos os dias mas ele usava um carro mais gasto que os meus ténis ao fim de um ano de caminhadas, depois o homenzinho deixou de lá ir e ele passou a comprar pão ou no falecido AC Santos ou então nas padarias nos mercados do bairro da Encarnação ou numa padria grande que penso ainda haver na circular sul do mesmo bairro
De Bic Laranja a 30 de Setembro de 2011
No bairro da minha infância recorda-me da leiteira, a Ti Altina. E na aldeia de meu avô havia tudo, do padeiro ao peixeiro.
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 1 de Outubro de 2011
Olha, olha, há mais alguém que conheceu a tí Altina! É boa!
Ela era, juntamente com o carteiro e o "homem do cafézinho", a trindade dos nossos fornecedores porta-a-porta da minha infância.
Um dia, regressado de fresco da província, após os regulamentares três meses de férias escolares, bate a tí Altina à porta. Seguiu-se o ritual da transfega do leite, onde também comparecí, fundamentalmente para vêr a bilha miniatura onde se guardavam as medidas.
Durante isso, a minha mãe, de fervedor na mão, diz-me "Então, não falas à Tí Altina?" e eu, com o ar alabrostado recém adquirido, inquirí, "Atão Tí Altina, bossemucê tá boa?"
A.v.o.

De Bic Laranja a 1 de Outubro de 2011
Ah! Ah! Ah! Boa história.
:)
Cumpts.
De [s.n.] a 29 de Setembro de 2011
Este foi o tempo dos 'carochas' e dos Minis, que se vêem estacionados mesmo aí. Nunca gostei destes prédios, sou um bocadinho mais conservadora no que se refere ao aspecto exterior dos edifícios, mas suponho que os arquitectos que lhes estão na origem devem ter ido buscar esta modernidade da altura a outros países da Europa.

Mas é claro, comparando esta falta de gosto com os mamarrachos que se tem edificado e reproduzido como cogumelos de há trinta anos a esta parte, podemos dizer sem receio d'errar que estamos perante autênticos palácios...

...............

A beleza sem igual de todas estas fotografias reside inteirinha na claridade e nitidez da imagem (um espanto!) e especialmente no branco e preto preferido e é nestes três pontos nucleares que se revela o génio do fotógrafo.

Creio que já havia reproduzido estas belas fotografias - da Praça de Londres e da Av. João XXI - aqui há um ou dois anos, não é verdade? Pois se assim foi devo ter comentado qualquer coisa de certeza. O que terei escrito então, repeti-lo-ia exactamente agora.
Maria
De Bic Laranja a 30 de Setembro de 2011
Na época da edificação destes já a pressão imobiliária se instalara. Mesmo assim ainda não espremiam os terrenos com betão de mais de dez andares produzindo arruamentos de escala ridícula e becos atulhados de carros a que pomposamente chamam pracetas, como fazem agora.
Cumpts.
De [s.n.] a 3 de Outubro de 2011
E também não existia a psicose dos edifícios à la Texas, ou seja de fachadas em vidro de alto a baixo...
Não sei como é que este tipo de construções poderá resistir a um forte vendaval ou a um tremor de terra, mesmo que de fraca magnitude (Deus nos livre de tal!).
A única coisa que, sim, sei é que são feios como a morte e inestéticos até dizer basta.

Uma vez que observo a adopção cada vez em maior número deste "estilo arquitectónico"(?) (substituindo verdadeiras obras d'arte criminosamente destruídas, como, p.ex., em Lisboa, vários prémios Valmôr, mas não só) por todas as cidades de Portugal, tão triste ocorrência leva-me a imaginar se, por hipótese absurda, esta aberração teria tido cabimento durante o anterior regime. Tenho a certeza de que não. E quem julgar o contrário ou é ingénuo ou está mal informado. É que acontece que no anterior regime havia CLASSE não só na arquitectura como em milhentas coisas mais, exactamente o oposto do que acontece neste.

Este estilo arquitectural deixa muito a desejar. Não tem pitada de beleza ou harmonia ou elegância. Não têm ponta por onde se lhe pegue. Se estas horrorosas 'caixas de fósforos' são consideradas edifícios na verdadeira acepção da palavra... vou ali já venho.
Maria
De Bic Laranja a 5 de Outubro de 2011
Cuido que seja a indústria dos materiais e da construção a ditar a moda. E provavelmente nas faculdades de arquitectura não ensinam mais do que a moda.
Cumpts.
De Luísa a 30 de Setembro de 2011
Eu pergunto: onde está essa rua?? É que eu vivi lá perto e essa beleza de árvores... não vi. E as fracas que lá estavam... foram-se (um dia ia tendo um treco quando cheguei da faculdade e vi os cepos cortados... :s)
De Bic Laranja a 30 de Setembro de 2011
O progresso veio e cavou um buraco.
Hoje os buracos progrediram muito...
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 1 de Outubro de 2011
A ausência do padeiro, leva a crêr que alguém o estaría a vêr. Noto também, em primeiro plano, um simpático DKW que, se a memória não me atraiçoa, tinha motor a dois tempos, ostentava os circulos que hoje são o símbolo do cobiçado Audi e era fabricado na antiga Alemanha de Leste. Era assim uma espécie de imitação tosca e miniatural, de um "espada" do odiado inimigo americano.
A.v.o.
De Bic Laranja a 1 de Outubro de 2011
Parece o DKW Júnior. Segundo li, os motores a dois tempos calaram-se em 1964 quando a Volkswagen tomou a Auto Union.
Cumpts.
De Bic Laranja a 1 de Outubro de 2011
Também em brasileiro...
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 3 de Outubro de 2011
DKW Junior, esse mesmo. Obrigado pelo link, que aproveitei para esclarecer algumas dúvidas.
Um conhecido meu teve um, com o qual bateu na trseira de outo carro, em Acântara. Os danos na carroçaria foram quase nulos.A chapa tinha fama de ser rija, mas rachou o distribuidor e encontrar outro igual, nos inícios dos anos 80 não era nada fácil. Por isso despediu-se, saudosamente, do velho DKW e trocou-o por um Fiat Uno a estrear.
A.v.o
De Paulo a 1 de Outubro de 2011
Nesse tempo eu também me lembro do pão apreendido nas padarias por não ter o peso obrigatório.
De Bic Laranja a 1 de Outubro de 2011
Agora apreendem-lhe apenas o sal.
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 3 de Outubro de 2011
Geralmente, até por questões de ordem prática, não se apreendia o pão, multavam-se os fabricantes. E também os distribuidores, às vezes por coisas anacrónicas, mesmo para a época. Foi assim que ganhou fama o "Nove Dedos", Eugénio de seu nome, da Polícia Municipal, já aquí falado. Agora parece que ganham fama precisamente por não multar. Vd. "Expresso" de 1 de Outubro, pág.29, "Polícias passaram menos 27,4% de multas".
A.v.o.
De Bic Laranja a 3 de Outubro de 2011
Que fez o Nove dedos? Aguava a lexívia?
Cumpts.
De Attenti al Gatti a 4 de Outubro de 2011
Ná. O "Nove Dedos" que falo era polícia. O outro, o da drogaria, acho que nem vendia lexívia que aquilo era um estáminé a dar para o fino, coisa entre a drogaria, a perfumaria e a papelaria, que incluia a venda em exclusivo, lá no sítio do, em boa hora falecido, papel-selado. A fama de cortar no cloro colou-se mais ao Aníbal, se calhar injustamente.
A.v.o.
De Bic Laranja a 5 de Outubro de 2011
Ah, bom! Cumpts.
De Paulo a 1 de Outubro de 2011
Na foto está um carro de uma marca de Leste que foi também comprada pela VW.
É um Skoda.
De Bic Laranja a 1 de Outubro de 2011
Um Skoda?
Cumpts.
De Paulo a 1 de Outubro de 2011
O primeiro arrumado em espinha, e ao lado um Opel.
De Bic Laranja a 2 de Outubro de 2011
Olho vivo.
Cumpts. :)
De Paulo a 1 de Outubro de 2011
Respeito a opinião de todos, mas as entregas ao domicilio de artigos frescos é complicado. Não nos esqueçamos que também o leite (leiteiro(a)s) era vendido de porta em porta.
Só que haviam alguns nojentos que faziam algumas misturas, que eu nem ouso dizer aqui sob pena de não acreditarem.
De Bic Laranja a 2 de Outubro de 2011
Havia intrujões, havia. Sempre haverá problemas mas as embalagens e os meios de transporte melhoraram.
Cumpts.

Comentar

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
17
19
21
23
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____