Segunda-feira, 21 de Novembro de 2011

Como se diz «acordo ortográfico» em inglês?

page-0001.jpg
Nova lei gera controvérsia entre comunidade Internet», Sapo Tek Notícias, 17/XI/2011.)

Escrito com Bic Laranja às 16:30
Verbete | comentar
21 comentários:
De Alves Pereira a 21 de Novembro de 2011
Eh, eh! Isto vai ser (e é, já) um completo “delirium tremens”... os pobres coitados, daqui a nada não vão conseguir acertar uma... mas isso já se sabia... estes loicos (não é engano), pensam que a linguagem não tem qualquer influência na mente...mas tem, por isso é que, daqui a algum tempo, (espero que não, mas enfim!) como é que se vai explicar a uma criança normalmente inteligente, que um habitante do "egito" não é um "egitiano????? mas, se calhar, estou a ser verrinoso, tanto quanto o caro BIC: não estará já o escriba a treinar para o futuro acordo ortográfico anglo(amaricanó)- brasileirês?
Mas, bolas, que eles consigo não têm qualquer hipótese… se eu estivesse do “outro lado” teria pesadelos… !
Cumpts :)
De Bic Laranja a 21 de Novembro de 2011
Os acorditas teriam pesadelos se conseguissem entender. Mas obrigado!
Cumpts.
De Luísa a 21 de Novembro de 2011
Orthographic agreement. Pelo menos é o que circula na rede sobre a Tugolância...

A minha vida tem andado um bocadito complicada e deprimente e ler isto hoje... revigurou-me bastante. Na minha terra, isto chama-se descaramento e muuuuuuita ignorância.
De Bic Laranja a 21 de Novembro de 2011
Arriscava «brazilian spelling», por mais próximo da realidade.
Folgo que este pequeno nada a haja alegrado. Li alguns dos seus episódios - desculpe-me algum alheamento da terra das vacas - e ocorre-me um passo dos Lusíadas:
«Fazei, Senhor, que nunca os admirados // Alemães, Galos, Ítalos e Ingleses // possam dizer que são para mandados // mais que para mandar, os Portugueses.» (X, 152). Com o seu espírito forte logo tudo se há-de compor, Vossemecê bem sabe.
Ânimo!
De Luísa a 22 de Novembro de 2011
Obrigada, pelo seu apoio, caro Bic.
De Pete a 22 de Novembro de 2011
O David Crystal chamar-lhe-ia "spelling reform".
De Bic Laranja a 26 de Novembro de 2011
Certo. Se fosse uma reforma ortográfica e não uma capitulação.
Cumpts.
De Orlando Braga a 22 de Novembro de 2011
Como?!
De Orlando Braga a 22 de Novembro de 2011
Não tarda nada, o Aborto Ortográfico estende-se ao chinês...
De Luísa a 22 de Novembro de 2011
Se calhar... Mas aí não faz mal nenhum... é chinês mesmo!! :D
De Bic Laranja a 26 de Novembro de 2011
De [s.n.] a 22 de Novembro de 2011
Fugindo um bocadinho ao tema mas, vendo bem, dele não me afastando tanto assim, venho por este meio perguntar a quem saiba, porque é que desde que as telenovelas brasileiras começaram a inundar os canais televisivos quase por completo (eles lá não fazem o mesmo com as nossas..., se lhes perguntarmos o motivo, desculpam-se dizendo que não nos compreendem! Pois..., mas os que estão cá compreendem-nos lindamente, ai não!), mais as centenas de milhar de cidadãos da mesma origem a povoar o território nacional, toda a gente, dos mais letrados aos menos instruídos e todos os outros que botam discurso nas televisões, acrescentam o advérbio 'atrás' referindo-se ao espaço de tempo, qualquer que este seja, que medeia entre o passado e o presente, sejam 15 dias, 1 ano, 20, 50, 1 século, 1 milhão de anos, etc., sabendo (e será que sabem?) que estão a empregar o verbo haver/existir (e sabendo-o será que desconhecem que este é o verbo que terão de empregar obrigatòriamente e não a contracção da preposição A com o artigo A = À?) que significa exactamente um determinado período de TEMPO que PASSOU e não volta nunca mais e consequentemente são dispensáveis vocábulos extra para o designar? Ou não será assim no português de Portugal?

Ou será que, por outro lado, quem se expressa deste modo julga que esse período de tempo que já passou pode ser confundido com o tempo presente ou com o tempo futuro e sente-se na obrigação de utilizar uma redundância ainda que esta seja supérflua e completamente ridícula à luz do português correcto?
Ou será, ainda, porque ouvem os brasileiros de manhã à noite nas 500 novelas diárias, bem como os funcionários em quase todas as lojas e ruas do país, acrescentar o advérbio no fim das frases quando se referem a um determinado tempo que passou - isto porque certamente eles desconhecem a existência do verbo haver e por isso acrescentam o advérbio para o interlocutor compreender que se referem MESMO ao 'tempo que já está lá para trás' - e acham, todos foleiros (significando à antiga, todos lampeiros), que esta é a semântica correcta também no PORTUGUÊS de Portugal? Ou será que a aprendizagem nas escolas já se processa tal e qual e mais este tropeção na linguagem também já está estatuído? Sei lá, como tudo isto anda, é muito capaz!

Já que estamos numa de redundâncias, que tal um novo linguajar, isto quando se referirem a um qualquer futuro, independentemente da menor ou maior distância que dele nos separe, do seguinte modo: "nos próximos 10 anos... que vão vir..."; "daqui a 15 anos... que hão-de chegar"; "depois de passarem 20 anos... à nossa frente..." etc.

Concluíndo: sugiro que formem/verbalizem as frases significando o passado, com o 'atrás' da praxe juntamente com o 'haver' ..., que já lá está ou devia estar (na fala brasileira não me parece) e que quer dizer o mesmo e, repito, além de uma redundância trata-se de um erro sintáctico e/ou semântico clamoroso; e já que estamos numa de abastardar a nossa língua, porque não acrescentarem às frases com projeccão futura, outra redundância e assim teremos: "há três anos... ATRÁS... visitei Roma e daqui a cinco anos... QUE HÃO-DE VIR... voltarei lá...; há uma semana ATRÁS comprei um casaco e no próximo sábado... QUE VAI CHEGAR... estreá-lo-ei".
Redundância por redundância... já agora porque não fechar o círculo? Olhem que darão um toque ainda mais especial (de corrida) ao vosso primoroso léxico e atingirão, pelo menos no que a esta específica questão diz respeito, o ponto de rebuçado.

Ah, muito importante! Não se esqueçam de juntar na mesma frase, tal como na fala brasileira corrente, o sujeito no singular e o predicado no plural e/ou vice-versa; e empreguem também em qualquer frase, o sujeito na segunda pessoa do singular e o predicado ou verbo na terceira, deste modo: "Tu vai amanhã ao teatro?" ou "Você me diz se tu quer jantar fora?".
Maria
De Luísa a 22 de Novembro de 2011
Desculpe, Maria, mas tem aí um erro de "fala brasileira", a coisa é:
Tu vai amanhã NO teatro?

Confesso que sou consumidora (moderada) de telenovelas e não considero que me influenciem o modo como falo ou escrevo.
Quanto ao atrás... desde há muuuitos anos (quando alguém me corrigiu, provavelmente um professor na escola) que eu o digo e logo de seguida o retiro. Nunca me saiu bem à primeira e eu bem sei que não está correcto. Se bem que... há para aí asneira bem pior do que esta redundância, que confunde muitas cabecinhas.

Saudações
De [s.n.] a 23 de Novembro de 2011
Tem razão Luísa, é "no" que eles dizem. "Ao" dizemos nós. Eu como não vejo novelas, nem brasileiras nem portuguesas, com a excepção das duas primeiras brasileiras que chegaram cá logo a seguir ao 25/4 (aliás belìssimamente interpretadas pelas actrizes e actores que as integravam) e de excelente qualidade, ainda assim consigo fixar mìnimamente o que eles dizem quando me atendem nas lojas e muito fugazmente nas televisões, apenas uns segundos, porque por uma questão de estética simplesmente não aguento mais tempo; também numa ou noutra entrevista que por casualidade apanhe e que, para minha agradável surpresa, reparo que os brasileiros entrevistados expressam-se bastante bem (note-se que quando eles são mesmo que mìnimamente cultos, sabem falar lindamente); e também num ou noutro canal, quando estou à espera das notícias das 20.00 e apanho os últimos segundos de uma qualquer novela, imediatamente antes daquelas começarem.

E também tem razão quando diz que há para aí muita asneira. Claro que há, mas sou-lhe sincera, esta específica calinada na nossa língua, que jamais se ouviu em Portugal antes de Abril de 74 (se por absurdo escrevessemos isto nalgum ditado ou redacção na escola primária - no Liceu seria impensável - apanhávamos com uma nota pior que má...) só se banalizou quando começaram a chegar as novelas brasileiras em catadupa, comunica-me particularmente com o sistema nervoso - o central e o periférico... - primeiro, por tratar-se de uma redundância (e quem sabe falar correctamente o português não as utiliza, ou se isso acontece por lapso no discurso oral, a pessoa corrige imediatamente; no escrito e tratando-se do mesmo género de pessoas, isso nunca acontece) e depois, por não fazer parte em absoluto das nossas regras gramaticais.

Mas concordo consigo que se torna quase impossível fugir destas intrusões na nossa língua, sobretudo quando levamos com este linguajar quase todos os dias e quase a todas as horas. Caramba, afinal nós somos portugueses e foi aqui que nasceu a nossa língua. Se não formos nós a acarinhá-la, a respeitá-la e a preservá-la, quem o fará por nós?

E muito obrigada pelo seu comentário.
Maria


De Alves Pereira a 23 de Novembro de 2011
Maria, se essas alimárias já (quase) não sabiam escrever nem falar, imagine o que será doravante... "nun esquenta não" eh, eh! ou será que devíamos chorar? se calhar, sim, porque, com toda esta lama de ignorância, é muito difícil alguém escapar impune aos salpicos.
Cumprimentos, com amizade.
De Bic Laranja a 23 de Novembro de 2011
Não vejo grande futuro para a amálgama que se está a fabricar. O vocabulário toma-se o «amaricano», a syntaxe lambuza-se com samba e o que vier a dar chama-se lusofonia. Quem fincar os pés no cânone será galego, além de «velho do Restelo».
Cumpts.
De [s.n.] a 24 de Novembro de 2011
Tenhamos esperança, afinal esta é a última a morrer.
Eu nunca desistirei. Parafraseando o presidente da Siemens em Portugal, numa excelente entrevista concedida ontem a Gomes Ferreira, todas as grandes crises económicas são sempre passageiras. Há sempre uma mudança de ciclo e sempre para melhor. Pois bem, espero ardentemente que a par da crise económica, a política, que engloba e atinge tão ou mais gravemente a moral e a cívica, o seja igualmente. Peço todos os dias a Deus, que tudo sabe e tudo pode, para que tal aconteça. E o mais depressa possível.

Cumprimentos para si também.
Assim como para o simpático e sempre atento leitor Alves Pereira.
Maria
De Alves Pereira a 24 de Novembro de 2011
Maria, estar atento a quem tem mais do que uma meia-dúzia de neurónios e pasme-se coluna vertebral, é uma qualidade dos que querem aprender alguma coisa, passe o auto-elogio, mas obrigado mais uma vez pela sua bondade.
Cumpts :)
De Alves Pereira a 24 de Novembro de 2011
Fabuloso parágrafo... para não variar.
Cumpts
De Alves Pereira a 24 de Novembro de 2011
Bic, dia 23 18H01
De [s.n.] a 8 de Dezembro de 2011
Ortógrafos de pacotilha, peçam um empréstimo e venham conhecer o Brasil .

Chega de dor de cotovelo, é feio isso.

Façam como nós, usem o controle remoto .

Percebe-se que o franquismo vive.

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____