Sábado, 2 de Junho de 2007

Estrato

 Uma perspectiva equivalente hoje à da Rua de Campolide junto ao nº 372 em 1969 pode ser a que vedes à direita.
 A senhora Dona T. pedia um contexto para a imagem de 69: o muro do lado esquerdo isolava ao que julgo o Casal do Sola, onde hoje há um parque de estacionamento em terra batida que serve sazonalmente para um arraial de santos populares; o casario que se avistava ao fundo [no monte para lá] da velha rua em 69 julgo que era o bairro das Furnas; a camioneta podia ser uma Hanomag...
 A estimada leitora Neves de Ontem não reconhece aquela Lisboa de arrabaldes, degradada e feia do fim dos anos 60. Eu reconheço. Era a velha Lisboa de entremuros, das quintas, à espera do (dizem) progresso. Daí a degradação. Se houver algures fotografias dos anos 20, 30 ou 40 daquele troço final da Rua de Campolide, com muita certeza a veremos mais cuidada e aprazível. A imagem de 2007 à direita aparenta uma cidade moderna e organizada (num sábado), mas nestes arranha-céus fruto de especulação imobiliária e de lobbies corporações de hoteleiros sou eu que não reconheço Lisboa. Nem quero, que far-
-me-ia mal. Isto que vedes é uma cidade banal - ou global, globalizada, &c, como alguns gostam. Para verdes que assim é, aí em baixo fica uma segunda imagem: é das traseiras da Av. José Malhoa, num lugar talvez mais certo com o do fotógrafo João Goulart em 69. (Horizontes globais, hem!)

Av. José Malhoa, Lisboa © 2007
 Av. José Malhoa, Lisboa, 2007.

Rua de Campolide, Lisboa © 2007
Rua de Campolide adiante do nº 360, Lisboa, 2007.


Nota final: A Av. José Malhoa e as Torres Gémeas engoliram o velho troço final da Rua de Campolide; o novelo de ruas que hoje tomam o nome da Rua de Campolide, em chegando a Sete Rios, vem desviado antes do nº 360; serpenteia, encaracola-se e enleia-se à esquerda, à direita, em viaduto sobre si mesmo, sempre com o mesmo velho nome. Parece-me uma boa demonstração de quão esquizofrénico tem sido o planeamento da cidade.


Em amarelo a Rua (nova) de Campolide; em azul, onde aprox. jaz a antiga Rua de Campolide.
O ortofotomapa é da Lisboa Interactiva.
Escrito com Bic Laranja às 14:54
Verbete | comentar
6 comentários:
De Luciana a 16 de Fevereiro de 2008
Sr. Bic Laranja (da escrita fina…:-) ), o seu Blogue revelou-se a janela ideal para espreitar todas as noites. Apaga-se a luz do sol de Lisboa e acende-se a luz mágica do passado no meu computador!
A coisa mais incrível que descobri ainda ontem no seu arquivo veio ao encontro de uma missão à qual tenho dedicado todos os meus tempos livres (poucos): desvendar os mistérios do meu bairro. Através de si consegui unir todos os pontos e referências soltas, que há meses procurava nos sites de arquivo da Câmara e afins.
A minha mãe viveu junto ao viaduto ferroviário de Sete Rios, perto da Columbano Bordalo Pinheiro, entre 1937 e 1957. Vinte anos parece pouco, mas o seu mundo foi descoberto a partir do nosso Bairro. Toda a vida a ouvi falar das maravilhosas vivendas da Columbano – todas agora desaparecidas – e das casas da agora Professor Lima Basto (de que tão emocionada – como a minha mãe - falou no seu post a Sra.Verdade). Do Caeiro da Mata e do pai do nosso magnífico Carlos Paredes, cuja casa – diz a minha mãe - ficava onde agora passa o viaduto, ao lado do Colégio. Diz ela que a rua ficava inundada dos acordes de ensaio de pai e filho. A minha mãe lembra-se também duma Praça de Espanha hoje irreconhecível, com vivendas – ou moradias – com lindos jardins, entre as quais viveria uma senhora velhota cujo jardim estava repleto de macacos que a minha mãe todos os dias queria visitar. Lembra também a Rua de Campolide cheia de quintas e árvores, onde mais tarde namorava o meu pai (e que eu imagino de um bucolismo Sintrense).
Tive a felicidade de – desde há pouco mais de um ano – poder viver na mesma casa onde a minha mãe se encheu de felicidade e quentes lembranças. As ruas – diz ela quando as revisita das suas velhas janelas – já nem parecem da mesma cidade. Só a alma das memórias continua a flutuar por aqui… E é por ela que eu amo o nosso bairro.
Para além de morar, também trabalho por aqui - na Rua de Campolide - e todos os dias faço um grande percurso a pé (e é assim que se conhecem as cidades). Não há dia que não goste de imaginar a Rua de Campolide como a conheceu a minha mãe. A rua de mil e uma histórias por contar… Vou pela rua fora - cheia de carros, pedras soltas e desmazelo - e vejo uma cidade que mais ninguém vê. Sinto-me feliz por saber “voar” assim, mas triste porque tudo à minha volta é desolação.
Há muito me interrogava sobre o verdadeiro aspecto e trajecto da Rua de Campolide, a partir da – tristemente decadente – moradia restante: o número 360 (onde passo todos os dias). Entre fotos do Arquivo da Câmara e mapas antigos tudo me parecia uma grande embrulhada. Até que ontem finalmente se fez luz! Ao descobrir os seus textos e exposições de Junho de 2007 vi que afinal tinha a solução aqui tão perto…
Agora a minha janela para o passado tem finalmente uma vista completa… Os olhos da minha mãe perduram nos meus.
Perante a minha – a sua! - maravilhosa descoberta, só lhe posso dizer como o surdo diz ao Vasquinho da Anatomia: o cavalheiro é o meu Salvador!
Obrigada e bem haja, Exmº Sr. Bic (nome genial mas frio para quem tanto aquece o nosso coração). São pessoas assim que – como dizia o reclame - voam para além do óbvio. O óbvio que é por vezes tão feio… Feio como anda a nossa cidade, descaracterizada e com a alma à deriva. Com tantas histórias perdidas para sempre.
Que outras tantas histórias sejam salvas por nós, que ainda as procuramos!

Um abraço e muita admiração
Luciana

PS - também eu lia as Gémeas, ia a jogos do Sporting com o meu pai e adorava andar nos autocarros verdes de dois andares! :-)
De Bic Laranja a 3 de Junho de 2007
Grato pelo apreço e pela compreensão! Cumpts.
De T a 3 de Junho de 2007
O blog é conforme pode e pode muito:) Obrigada! :)
De Bic Laranja a 3 de Junho de 2007
Mário: desgostam-me estas construções; particularmente nas avenidas. // Dona T.: O seu pedido é pertinente. Mas o blogo é conforme posso. // Cumpts.
De T a 3 de Junho de 2007
Eu sei que sou chata com o referenciar.Mas assim é que aprendo e é verbo que gosto de exercer. Muito obrigada Senhor Dom Bic:)
E já foi à feira do Livro comprar alguma coisa de interesse?
De Mario a 3 de Junho de 2007
Modernices a servir interesses, sabe-se lá de quem, e a estragar a cidade é o que é...

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____