Domingo, 19 de Fevereiro de 2012

Uma Helena tola no «Público»

Helena Topa

 No Público de hoje publica-se a opinião dum cérebro que processa texto pela cartilha do brasileiro pretensamente em vigor. E embora tal grafia lhe mereça reparo (!) por ser parida da política e não da Linguística, acata a escriba de boamente a ordem dos donos, pois se não, não faria questão de redigir naquela maneira parva. A falta de coerência naquela mona é notória mas, enfim!, entende-se; há trabalho a fazer, mormente por quem se ache de licença sem vencimento da F.C.S.H. para... leccionar português e fazer traduções?... Na medida desses serviços o argumentário é coerente: dá uma no cravo outra na ferradura, como boa rolha, para se ir mantendo à tona. Há porém risco de assentar no lodo.
 Diz-se a criatura sensível ao critério etimológico da grafia, mas acha vantagens óbvias (óbvias?!) na aproximação da fala à escrita (parece-me ser desejável uma relação tão clara e inequívoca quanto possível entre a(s) letra(s) e os sons que pretendem transcrever, e penso que no caso da supressão das consoantes mudas se faz um avanço nesse sentido). — Adeus sensibilidade à etimologia! Esqueça-se dos gês e dos guês e dos jotas, do «h», do «x», do «ç» e dos «ss», do «s» e do «z», do «o» e do «u», — Tome lá! — e vá ensinar purtugês aos meninos. Emigre para o Brasiu. Antes de abalar informe-se da taxa de analfabetismo nos dois lados do Atlântico (com e sem consoantes etimológicas) e confronte-a com as da Inglaterra e França em vésperas da primeira revolução industrial (antes da evolução ortográfica que elas devem ter entretanto feito). Caso se arrependa e se quede por cá evite, por misericórdia com a inteligência alheia, afirmar displicentemente:

 A análise de algumas palavras que são por certas pessoas articuladas com c ou p (e por outras não: ex.: característica vs. caraterística, sectorial vs. setorial, corrupção vs. corrução) mostra que estamos perante uma mudança linguística (fonética) ainda em curso, que tem vindo a ocorrer provavelmente desde o princípio do século XX. A nova norma trazida pelo A.O. dá conta dessa mudança, que não é ainda completa, pelo que admite, com as desvantagens referidas, a possibilidade de uma dupla grafia (em muito poucos casos, diga-se, e com tendência a desaparecer).

 A mudança linguística (fonética) [...] em curso — como a observa? — desde o princípio do séc. XX — ah, bom! talvez desde 1911, pois, pois!... — É dessa mudança, ainda não completa (e quando o estará, sabe dizer?) que havemos de chegar ao purtugês, não é verdade? Das duplas grafias característica/caraterística &c. fácil me é atinar com a que deve vingar; obviamente a que por imperativo ideológico der no goto aos arúspices acorditas tão prenhes do futuro que, como esta Elena (ops! caíu o agá), nos pastoreiam alegremente os filhos nos amanhãs que cantam. Pois do futuro, cuido, só Deus sabe; não me consta que tenha passado procuração a mortais. Por mim sei apenas da história que o pê de corrupção se não dizia em Portugal e por isso foi furiosamente obliterado pelos reformistas de 1911.  Tornou ao português porque o diziam no Brasil; uma saída airosa acordada em 1945 (Base VI, 2.º) para — pegando o que diz a dama acordita — uma relação tão clara e inequívoca quanto possível entre a(s) letra(s) e os sons que pretendem transcrever sem cair numa chocante contradição de se ouvir corrupção (ou côrrupição) e aberrantemente se ver grafado corrução. Isto mesmo, sem o ditoso acordo de 1990, imagine-se. Pelo contrário, sabemos o que dispõe este último sobre isto...
 Quanto ao desfazer do valor diacrítico das consoantes etimológicas nem devia eu já gastar mais cera com tal defunta que, sem nada demonstrar, dá dois exemplos pífios (tactear e exactidão) que só provam a força da metafonia em vogais pré-tónicas no português. Eliminem-se como é seu desejo em todos os casos e havemos de ver o resultado. Remeto-a sumariamente para Gonçalves Viana (Ortografia Nacional; Simplificação e Uniformização das Ortografias Portuguesas, Viúva Tavares Cardoso, Lisboa, 1904, p. 73) com a minha própria experiência de ter aprendido «fâturar» nos livros do Tio Patinhas em abono de prova; só em crescendo percebi que afinal era «facturar».
 Deixo-lhe os hífenes — que, parece, têm regras disformes e obscuras (que o acordo de 90 «uniformiza» e aclara — ou «clarifica» — diz) — com um recadinho cor-de-rosa ou cor de laranja, à escolha. Fica mal a uma professora de português fugir de trabalhar por aprender as regras do hífen.
 O Público atendeu-a, é sua obrigação. Triste é que os acorditas, que têm direito ao espaço no jornal como tanto outro insecto, não tragam vantagem ao saber nem aos leitores, antes pelo contrário: o paupérrimo acordo bicharo-malaquenho cerceia argumentos aos mais inteligentes, se os houvera, dispostos a vender aquela lama. 

 

(Texto revisto.)

Escrito com Bic Laranja às 10:30
Verbete | comentar
11 comentários:
De Inspector Jaap a 19 de Fevereiro de 2012 às 15:43
Caro Bic:

Penso que está mesmo a gastar cera com má defunta, sim, defunta porque inexistente intelectualmente.
Se a dama em apreço (sem qualquer apreço, diga-se) é professora de português (nem percebi o que é que leccionava antes da tal licença sem vencimento) deveria saber que uma língua é uma ciência normativa, e não o resultado insano duma arbitrariedade bichada e amacacada desde a génese, como este aborto, ao qual, como muito justamente salientou, ela aderiu alegremente, apesar das pseudo críticas timidamente ensaiadas... está, por certo, a preparar o seu acesso ao gamelo ... enfim (mais) uma invertebrada que ainda não se deu conta de que o bom Deus lhe concedeu apenas uma meia dúzia de neurónios, metade dos quais em licença sem vencimento.
Já se imaginou o que seria, se estas alimárias, ao invés de obrarem sobre a Língua Portuguesa, estivessem no pelouro do trânsito? A partir de Janeiro de 2012, data da aprovação da resolução da AR, a circulação rodoviária pelo lado direito ficará reservada apenas aos pesados e os ligeiros já poderão circular pelo esquerdo até 2015, data em que todo o tráfego se fará só por este último... genial, não?
Cumprimentos e parabéns pelo suculento naco de prosa com que nos presenteou neste verbete, mas que a dama não merece de todo em todo... é mais um caso de "dar pérolas à porca".
Topas, ou já perdeste o "h" do nome? e, já agora, quando chegares a 2015, não te esqueças do acento circunflexo na penúltima sílaba... a bem da conformidade sonora.
De Bic Laranja a 19 de Fevereiro de 2012 às 20:47
Azar do jornal que tem de se prestar a estes fretes por parecer plural. Mas o caso não é de debate, especialmente depois da maneira sinuosa de impor o «coiso». Melhor seria assumirem lá no jornal, em sã consciência, o dever de responsabilidade como jornal de referência na comunidade e passarem à campanha activa de recolha das assinaturas necessárias. Campanhas beneméritas de sempre dignificaram os periódicos que as levaram a cabo.
Por mim, fiz-me assinante por imperativo moral. D' «O Diabo» também.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 20 de Fevereiro de 2012 às 11:17
Tem o caro Bic toda a razão... de facto, nem se percebe por que é que ainda o não fizeram... quando esta Peste Negra intelectual for erradicada (e há-de sê-lo) terá o "Público" a oportunidade de ser lembrado como um dos jornais da Resistência, e isso, por si só, já é de monta; seria óptimo que os seus directores pensassem nisso. E, já a gora: não será que a sua tiragem já aumentou? Se forem todos como eu, sim, que, mesmo sem assinatura, só leio o que se publica em Português.
Cumpts
De zefp a 20 de Fevereiro de 2012 às 09:24
e continuam as alarvidades em "respeitosas" folhas da actualidade:
http:/ aeiou.expresso.pt jogador-atropelado-pelo-proprio-carro-para-seis-meses =f705667

Cumprimentos
De Inspector Jaap a 20 de Fevereiro de 2012 às 11:24
Caro Zepf:
Quere-me parecer que tem alguns problemas de hermenêutica: o que essas alimárias escreveram, é que os jogadores de futebol, por norma compram carros para 3 meses, e depois trocam-no; ora, neste caso, a notícia não é o atropelamento em si mesmo, mas o facto deste ter acontecido com um carro em véspera de abate, ou seja, para 6 meses de uso, o que indica que o atropelado não será dos que ganham mais...
Espero ter ajudado!
Cumpts
De Luísa a 20 de Fevereiro de 2012 às 15:44
Eu gostei do comentário de um(a) leitor(a):

"Assim, há quem não pare para pensar e há aquele que para para pensar (o gago).... ou será que pára para pensar? (o sensato)"

Que fazer?!?!
De Bic Laranja a 21 de Fevereiro de 2012 às 10:28
:) Cumpts. a todos.
De PALAVROSSAVRVS REX a 21 de Fevereiro de 2012 às 12:33
Temos de continuar a bater no ceguinho. Eu não desisto de combater o 'acordo' merdortográfico, aliás criminoso, aliás, abominável.
De Bic Laranja a 23 de Fevereiro de 2012 às 11:15
Ninguém desiste. Os acorditas hã-de-se vergar à justiça da nossa razão.
Cumpts.
De Orlando Braga a 23 de Fevereiro de 2012 às 10:46
A Helena Topa que não topou nada...!
De Bic Laranja a 23 de Fevereiro de 2012 às 11:14
Já experimentou guglá-la?
Cumpts.

Comentar

Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____