Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2012

Que se tira dum comício?

Comício, Arroios (A.N.T.T., «O Século», PT-TT-EPJS-SF-008-00003_m0001)

 Um comício republicano à beira da Rua do Conselheiro Moraes Soares. — Vale-me que hoje é dia de Carnaval...
 O edital que deliu o «Conselheiro» da rua dedicada ao bacharel em Medicina Rodrigo Moraes Soares é de 27 de Novembro de 1916 — o topónimo «foi alterado para Rua Morais Soares, uma vez que o título de conselheiro se identificava com o regime monárquico e era atribuído, tradicionalmente, aos magistrados do Supremo Tribunal e por vezes, o soberano concedia-o a pessoas que tinham prestado serviços honrosos.» (C.M.L./D.P.M./N.T.) — Honra também aos republicanos, daqui do comício e não só, pelo diligente bolear da História...

 Ou me engano ou este comício foi nas traseiras da Caixa Geral de Depósitos, no n.º 153...
 O benévolo leitor entrevê pelo meio do arvoredo, ao fundo, uma casa? É o hospital de Arroios. Vislumbram-se também por ali uns telheiros adjacentes ao hospital que ficavam exactamente por onde se fez o prolongamento da Av. Almirante Reis, nos anos 30, da Praça do Chile ao Areeiro (cf. Avenida Almirante Reis, 1938). O muro mais cá que encobre esses telheiros mostra bem o desnível do terreno em relação à primitiva Rua do Conselheiro Morais Soares. Saberá que era esta a velha estrada de circunvalação de Lisboa, com cariz militar, feita em aterro a servir de barreira e, como o nome indica, com vala exterior em muitos troços. Tudo novidades antigas e história esquecida hoje e já pelos alvores do séc. XX, de modo que não admira ver aqui o começo da edificação de prédios de rendimento à beira duma velha linha de defesa de Lisboa. Estes dois prédios que o benévolo leitor aí tem são dos primórdios do crescimento urbano acima de Arroios. Deitei-me hoje a adivinhar que fossem, estes que vê, onde hoje temos os n.ºs 153 e 155 da Rua Morais Soares e tenho-os por demolidos pelo fim dos anos 40, início dos anos 50 (cf. A.M.L. / Núcleo Intermédio, proc.º de obra n.º 7078 e n.º 19780). Não faço adivinhação à toa, porém assumo o golpe de vista a partir de referências visíveis — o hospital de Arroios e o muro bem identificado numas vistas do alto da Penha de França que em tempo publiquei (v. Mirai! Da Penha de França, Uma panorâmica de Lisboa e Rua Conselheiro Morais Soares, c. 1910) — e fundado na observação actual do lugar: há-de o benévolo leitor notar (em conhecendo aquele troço da rua) que não há nenhum par de edifícios de três janelas nos dois últimos quarteirões no lado do Sul da Rua Morais Soares e veja que os prédios originais da rua têm todos a traça dos gaioleiros de 1880-1930; originais e não reconstruções, portanto. Assim, os únicos dois lotes que cuido se prestam a neles caber um par como da imagem são os que mostram dois edifícios de construção mais moderna, precisamente os n.os 153 e 155; faz sentido esta conjectura quando tem alguma lógica (que de resto verifiquei noutros casos) haverem sido demolidos justamente os dois prédios de rendimento mais antigos do troço da em questão; conjugo a sua pouca longevidade (anos 40-50, como disse) com a fraca construção de tantos gaioleiros do tempo da Grande Guerra. Alguns ruíam por si. Mas lança-me isto já na tentativa de datar a imagem.
 A fotografia que aqui vedes não tem legenda nem data pelo conservador da Torre do Tombo. A planta de Arroios  de 1909 (Pinto Silva, Levantamento da Planta de Lisboa: 1904-1911, planta 11K) não representa estes prédios. As vistas que conheço, porém, da primeira década de 1900, sobre a Morais Soares desde o alto da Penha de França (cf. remissões acima) não mostram prédios de rendimento neste troço. Para situar minimamente esta agora no tempo posso guiar-me pela abertura da Rua Edith Cavell, uma rua da prancheta dos serviços de urbanização da C.M.L. sobre as quintas dali em redor: o edital é do fim 1915. Não dá uma datação exacta, que pouco importa; serve para fazer uma ideia. 
 E bem! Este comício aqui foi de certeza posterior a 1909. Se foi por volta de 1915 também não íamos mal...
 Fora disto (de comícios republicanos), Arroios era um lugar aprazível.

Panorâmica da Penha de França, Arroios (P.Guedes, c. 1900)


Fotografias:
[Comício], Arroios, [post 1909]. Joshua Benoliel, A.N.T.T., «O Século», cx. 001, negativo 03.
Panorâmica da Penha de França, Lisboa, c. 1900. Paulo Guedes, Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 14:27
Verbete | comentar
5 comentários:
De Carlos Portugal a 21 de Fevereiro de 2012
Belíssima a fotografia da Penha de França, Caro Bic. E a sua estupenda explicação. Agora o mar de chapéus republicanos... Faz-me lembrar a Canção de Lisboa...
Cumprimentos.
De Bic Laranja a 21 de Fevereiro de 2012
Ah!Ah!Ah! O que não diria o Vasquinho da Anatomia de tanto coco palerma.
Obrigado!
De Carlos Portugal a 22 de Fevereiro de 2012
Obrigado eu, Caro Bic, pelos seus sempre excelentes postais!
Cumprimentos!
De George Sand a 2 de Março de 2012
Um passeio pelas memórias. Fantástico!
De Bic Laranja a 6 de Outubro de 2013
:)
Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____