4 comentários:
De Alda M. Maia a 23 de Março de 2012
“Muitos sonham que a nova escrita é à brasileira… porque de português nada sabem”

Creio que tocou no ponto fulcral da questão, Senhor Bic Laranja.
Não serei tão drástica nesse “nada sabem de português”. Digamos que sabem muito, mas muito pouco. Porém, ostentam esse pouco com uma petulância que causaria pena, se não fosse a prepotência e arrogância como impuseram o AO, desbobinando argumentos de uma fragilidade e irresponsabilidade verdadeiramente indecentes, não lhe parece?

Se ao menos procurassem saber como se processou o Acordo de 1945! Quantas asneiras nos seriam poupadas e quão bela ocasião para porem de lado, definitivamente, esta tendência para o Acordo-mania.
Naquele acordo, tudo fora estudado competentemente (e sublinho competentemente), a fim de que a nossa língua materna prosseguisse, de uma vez para sempre, no seu caminho evolutivo normal.

Queira perdoar-me se abusei deste seu espaço.
Os melhores cumprimentos


De Bic Laranja a 14 de Maio de 2012
Não abusou. Fico-lhe grato pelo comentário.
Com desculpas pelo atraso.
Cumpts.
De [s.n.] a 23 de Março de 2012
Que maravilha de carta e que linda estilística. E, imagine-se, isto já nos primórdios do séc. quinze! A leitura deste "bem falar e bem escrever" (filosofia axiomática aplicada ao ensino até à década de 70 do séc. XX e que, curiosamente - salvaguardada a distância - pode trespor-se aos tempos do Condestável) trouxe-me à memória uma afirmação do meu saudoso pai quando eu, teria os meus 10/11 anos, lhe perguntei porque motivo tendo as duas línguas a mesma origem se tornaram tão dissemelhantes e qual delas era a mais importante. Resposta: "Será o português porque evoluiu, aperfeiçoando-se sempre, ao passo que o espanhol estagnou".
Maria
De Bic Laranja a 14 de Maio de 2012
Desse axioma temos hoje a linguagem de SMS. Grunhe-se bem, grafa-se a condizer.
Cumpts.

Comentar