Terça-feira, 24 de Abril de 2012

Tenho para aí ouvido ùltimamente da batalha dos Atoleiros...



Pois nada melhor do que ler as crónicas.


« E Nuno Álvares com sua gente era já em um lugar bem convinhável pera a batalha, onde chamam os Atoleiros, uma meia légua pouco mais ou menos aquém de Fronteira, de contra Estremoz. E como Nuno Álvares foi em aquele lugar [i.e. E sendo Nuno Álvares naquele lugar -- a forma foi é do verbo ser e não do verbo ir, que seria idiolecto brasílico absolutamente descabido], sendo já certo que os castelãos vinham à batalha, fez logo descer a pé terra todos os seus homens de armas. E dessa pouca gente que tinha concertou suas batalhas da vanguarda e retaguarda e alas direita e esquerda. E fez concertar os besteiros e homens de pé para as alas e por onde entendeu que melhor estaria para bem pelejar. E tudo isto feito e concertado começou de andar pelas batalhas em cima duma mula esforçando todas as gentes com boas palavras e gesto ledo. E dizendo a todos que lhes lembrassem bem em seus corações quatro cousas. A primeira que se encomendassem a Deus e à Virgem Maria sua madre e o tivessem assim em suas vontades. E a segunda que eram ali por servir seu senhor e alcançar honra grande que a Deus prazeria de lhe dar. E a terceira como ali vinham por defender-se e suas casas e a terra que possuíam e se tirar da sujeição em que os el-rei de Castela queria pôr. E a quarta que sempre tivessem nos entendimentos de sofrer todo trabalho e de apreciar em pelejar, não uma hora mas um dia todo e mais, se cumprisse. E ditas estas palavras os castelhanos eram mui acerca deles. E Nuno Álvares se desceu logo da mula em que andava e se pôs a pé na vanguarda ante a sua bandeira por cumprir aquilo que em Estremoz dissera que, com ajuda de Deus, ele seria dos primeiros que começasse[m] a obra; o valente e verdadeiro cavaleiro que não dissimulava mas cumpria o por ele prometido. E a tenção sua era que os castelãos viessem a pé à batalha. E eles traziam esse propósito, mas, como viram Nuno Álvares com sua gente assim de pé e corrigida para vencer ou morrer, mudaram seu propósito e ordenaram que viessem à batalha de cavalo, atrevendo-se que eram muitos e bem encavalgados e que logo os desbaratariam. E concertaram suas batalhas a cavalo: e toparam mui de rijo em Nuno Álvares e nos seus, mostrando grande esforço e dando grandes alaridos como mouros cuidando os espantar. E ali foi a batalha em volta e bem pelejada. E nos primeiros golpes foram mortos e feridos muitos cavalos dos castelãos. E com as feridas os cavalos alvoraçavam e derribavam-se e seus donos e retraíam atrás. E vinham os outros de refresco que estavam detrás para isto apartados. E assim lhes aveio como aos primeiros, de guisa que prouve a Deus de os castelãos serem desbaratados. E foram mortos dos castelãos muitos: entre os quais morreu aí o Mestre de Alcântara e Pêro Gonçalves de Sevilha e outros grandes. E [o] prior [do Hospital, irmão de Nuno Álvares]. E Martim Anes de Barbudo [a] que se chamava [da banda dos castelhanos] Mestre de Avis. E outros fugiram. E Nuno Álvares vendo em como os castelhanos eram desbaratados, e que fugiam, foi logo a cavalo, com mui poucos dos seus porque tão asinha todos não puderam haver bestas, e seguiram o encalço aos que fugiam uma légua e meia até que, por noite, forçado foi de se tornar.»
Crónica do Condestável, cap. XXVIII (grafia e pontuação muito modernizadas).

 

(Ilustração: Carlos Alberto in História de Portugal, 13ª ed., Agência Portuguesa de Revistas, [s.l.], 1968.)

Escrito com Bic Laranja às 22:21
Verbete | comentar
2 comentários:
De Paulo Cunha Porto a 25 de Abril de 2012
Meu Caro Bic,
a autenticidade que se desprende do cativante arcaísmo do relato dá boa nota de como nem a Batalha dos Atoleiros nos conseguiu, nestes tempos do fim, livrar da subsunção à "Maralha dos Atolados".

Abraço
De Bic Laranja a 25 de Abril de 2012
Sim. O atoleiro por via dessa maralha é de tal ordem que nem o Santo Condestável nos não pode valer.
Cumpts.

Comentar

Fevereiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____