Domingo, 3 de Junho de 2012

«A Guerra Secreta...» de José Duarte de Jesus

Autor.

José Duarte de Jesus, Guerra Secreta de Salazar em  África, Dom Qixote, Lisboa  2012 (imagem, Diário Digital).

 José Duarte de Jesus, embaixador. Demitido do M.N.E. em 1965, convidado pelo ministro Franco Nogueira a deixar Portugal em 24 horas quando se soube que andara em conversas com Eduardo Mondlane da FRELIMO. Reintegrado no corpo diplomático ao depois em 1974.

«A Guerra Secreta de Salazar em África» (Dom Quixote, 2012).

 Longa introdução (metade do livro). O A. ferra os E.U.A. com a primazia («pecado original») no recrutamento de elementos do Eixo e de Vichy como agentes anti-subversivos para contenção do comunismo no Ocidente após a II Grande Guerra. Vai-nos dando ali conta da rede e organizações criadas por estes elementos com esse fito, nomeadamente duma Organisation Armée Secret, suas ramificações e excrescências; enfoque na Aginter cuja actividade em Portugal e Ultramar visa ser o principal do livro.
 O livro só faz jus ao título (com o nome de Salazar a promover a venda...) a partir do meio (pág. 127). Daqui em deante, revela-nos o trabalho dos agentes da Aginter fomentado por Portugal (por intermédio da P.I.D.E., ministérios da Defesa e dos Estrangeiros) e motivado pela estratégia da defesa do Ultramar, desde operações de apoio ao Congo Belga, fomento da contra-revolução no Congo-Brazzaville (apoio ao abade Youlu), operações de contra-subversão sobre os terroristas de Angola, U.P.A./F.N.L.A e M.P.L.A.. Aventa ainda o A. a intervenção (incerta) da Aginter no Biafra e outro tanto nos golpes de 11 de Março e na acção da Frente de Libertação dos Açores em 1975.
 Das operações relatadas dou-me conta (o A. não o refere) da extensa projecção da acção geopolítica de Portugal antes de 1974 -- bem além das nossas fronteiras ultramarinas. Por contraste, o ruir de Portugal na voragem demencial de 1975, em que o 11 de Março dá plena imagem dum Estado à nora e sem cadeia de de comando -- ali, até Holden Roberto e a F.N.L.A. aparecem como co-adjuvantes contra-revolucionários (Alpoim Calvão). A intentona da secessão dos Açores (cuja independência foi negada «a priori» porque são habitados por gente branca) demonstra a volatilização de Portugal com o 25 de Abril, que podia ter sido ainda mais mais completa. Os Açores mantêm-se até hoje, sim, mas como parte de um todo que há muito se finou.

 A quem o queira ler, a escrita é escorreita. O português é salpicado de barbarismos («intelligence» -- quando não «inteligência» -- por «informações» ou «serviço secreto»; um absurdo «deal» por «trato»). A ortografia é a portuguesa a pedido do autor (ao que isto havia de chegar!...) mas ainda se lhe cata uma «arquitetura» danada a páginas tantas. Outros erros tipográficos ou de revisão... --  O benévolo leitor que me ature esta publicidade gratuita, mas não tenha paciência para o livro pode em alternativa entreter-se com a publicidade que o «Público» lhe fez há dias.

Escrito com Bic Laranja às 23:22
Verbete | comentar
5 comentários:
De [s.n.] a 5 de Junho de 2012
Olhe, após o que descreve sobre esse volume e depois de ler o excerto transcrito, fiquei cheia de vontade de acabar esta colecção!
Comprei há muitos anos os primeiros 5 volumes. Depois por motivos variados, entre os quais ter outras despesas prioritárias e porque cada volume tinha um preço bastante elevado, fiquei-me por ali. Tendo ainda, para minha satisfação, obtido por parte do livreiro (isto tornou-se numa espécie de incentivo para a minha desistência temporária) a informação de que a colecção completa abarcaria, não quero mentir mas creio que mencionou 20 volumes e que os que ainda faltavam iam sendo editados a pouco e pouco... Perante tão agradável perspectiva decidi deixar os restantes volumes para mais tarde, porque teria muito tempo para adquiri-los e mais ainda para lê-los.
Os anos foram passando (estive fora diversas vezes, o que contribuiu em larga medida para o facto) e a verdade é que nunca mais comprei os que foram saíndo posteriormente. Mas ainda vou a tempo!

Gosto muito de ler tudo quanto escreve o Prof. Veríssimo Serrão. Saúdo a sua verticalidade política, honestidade intelectual, vasta cultura e amor à Pátria. Nunca esquecerei a carta aberta que ele escreveu a Freitas do Amaral, Min. dos N. Estrangeiros da altura, a rogar-lhe que autorizasse o regresso a Portugal do Prof. Marcelo Caetano, então já muito doente. Uma carta cheia de sentimentos cristãos e valores morais elevados, só atribuíveis a seres humanos superiores. Freitas do Amaral fez ouvidos de mercador (e de cobarde), não se dignou responder ao Prof. V. Serrão e não mexeu uma única palha perante um acto de caridade cristã para quem, além de seu padrinho, o tinha ajudado e não foi nada pouco (e mesmo que o não tivesse feito) cedendo-lhe um um salão no Ministério enquanto estudante em fim de curso e, para além de tudo o mais, tratando-se d'alguém que havia sido Primeiro Ministro de Portugal. Ou seja, esta criatura oportunista, ingrata e traidora (com as décadas decorridas e os ziguezagues políticos vergonhosos por ele praticados, hoje compreendem-se perfeitamente os motivos de tão vil procedimento) cuspiu na sopa de quem lha deu a comer. Quem assim procede só pode ter um designativo: canalha!
Maria
De [s.n.] a 5 de Junho de 2012
É óbvio que este meu comentário se referia ao escrito sobre a História de Portugal do Prof. Veríssimo Serrão.
Aproveito para fazer a mesma pergunta do comentador acima: onde adquirir a bom preço os volumes que tenho em falta? Por mim agradeço-lhe muito a excelente dica.
Maria
De Bic Laranja a 5 de Junho de 2012
Bem vi. Não deixou de se perceber.
. Remeto-a, pois, para a resposta que dei lá.
Cumpts.
De Bic Laranja a 5 de Junho de 2012
O Prof. Serrão diz-nos no prefácio deste vol. XVIII que lhe falta o XIX, sobre o consulado do Prof. Marcello Caetano. Somada a «Pré-História de Portugal» de Luís Cardoso na mesma colecção da Verbo, fará os vinte volumes. -- Pois lá tem, o livreiro não na enganou.
Julgo que o Prof. Caetano nunca quis cá tornar. Mas o prof. Veríssimo Serrão pediu-lhe que recebesse lá no Brasil ao cavalheiro Diogo do Amaral. Por ser quem era a pedir-lhe, o Prof. Caetano acedeu recebeu-o. Não creio que lhe tenha alguma vez conseguido perdoar-lhe a afronta.
Li isto na «Correspondência com Marcello Caetano», que resgatei numa feira por dois contos de réis. Talvez ainda haja sobras por metade, passe a publicidade.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 9 de Junho de 2012
Tem mais que razão o caro Bic ! Marcelo Caetano declarou certa vez, que NUNCA mais queria voltar a Portugal e que não autorizaria a trasladação do seu corpo para esta Pátria ingrata para ele, pelo que também fiquei algo surpreendido com as declarações da cara Maria.
Cumpts

Comentar

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____