Domingo, 19 de Agosto de 2012

O ar da minha terra no virar do séc. XX

 Uma imagem meia desconcertante do Chão da Feira. Há como que um certo rústico na scena: o ermo do lugar, o arvoredo esparso na parada do Castelo (e o horizonte até lá), a muralha descascada, a terra batida, as casas além do arco. Nem o gailoeiro à esquerda mai-la silhueta do lampião contradizem esta atmosphera. Bem pelo contrário...

Chão da Feira, Lisboa (Bárcia, c. 1900)
Chão da Feira, Lisboa, c. 1900.
José Arthur Leitão Bárcia, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

(Verbete revisto às 4h00 da tarde.)

Escrito com Bic Laranja às 11:04
Verbete | comentar
9 comentários:
De [s.n.] a 23 de Agosto de 2012
Diga-me s.f.f., o que é um "gailoeiro" e onde é que ele se encontra na foto? Estou farta de observar o lado esquerdo desta e não vejo nada nem ninguém que se pareça com tal coisa:) Será que quis escrever "gaioleiro"? Certamente que não. Mas se de facto foi um lapso, então qual dos indivíduos o é e onde estão as gaiolas?... Quanto ao lampião, sim, distingue-se logo à primeira:)
Maria
De Bic Laranja a 23 de Agosto de 2012
Lapsus calami. É mesmo gaioleiro. Gaioleiros foi como foram designados os prédios de alvenaria e tabique que se fizeram de 1880 a 1930, grosso modo, quando se passou a usar o betão armado na construção civil. Por tanto, gaioleiro é o prédio que esta de frente para nós, à esquerda, por onde se desce o Chão da Feira.
Peço desculpa do erro.
Cumpts.
De [s.n.] a 24 de Agosto de 2012
Assim está bem. E não tem nada que pedir desculpa. Eu própria cometo muito mais erros/lapsos e estou aqui:)

Mas e os alicerces dos prédios pombalinos não obtiveram a mesma designação justamente pelo acto da sua estrutura lembrar uma espécie de gaiola? Parece-me bem que sim.
Maria
De [s.n.] a 24 de Agosto de 2012
"... pelo facto..." e não 'pelo acto', naturalmente.
Maria
De Bic Laranja a 24 de Agosto de 2012
É da gaiola pombalina que deriva o nome, com certeza. Mas os gaioleiros marcam uma época de degradação das estruturas e materiais de construção vindos do tempo pombalino. Muitos eram tão mal amanhados que ruíam na fase de construção ou com uma chuvada.
Cumpts.
De [s.n.] a 29 de Agosto de 2012
Dessa não sabia eu. Fui ver a ligação e achei o acontecimento inacreditável!! Deduzo que essa catástrofe nas construções terminou com a governação (em simultâneo com as orientações rigorosas e inteligentes aos respectivos ministros) do Dr. Salazar! Mais um ponto a favor deste grande Estadista. Se mais não fora e há muito mais, basta recordarmos a magnífica Exposição do Mundo Português exactamente em 1940 e a sólida estrutura dos pavilhões montados (e eram temporários, note-se!), todos eles deslumbrando os visitantes nacionais e estrangeiros pela beleza das linhas e imponência das estruturas.
Isto sabe-se pelas notícias dos jornais da época e por quem teve a felicidade de a visitar, como os meus pais e avós a tiveram.

Acredito que a partir do início dos anos quarenta as construções, sem excepção, se tornaram sólidas e confiáveis. Digo isto porque algumas pessoas da minha família moraram em edifícios dessa época os quais, com manutenção obrigatória a cada 7 anos, perduram até hoje em perfeitas condições de habitabilidade, tanto estruturalmente como nos materiais nobres aplicados no seu interior - nas escadarias e pisos. E havia terraços e/ou quintais nas traseiras de todos os edifícios para as crianças brincarem, o que se esfumou novamente com a 'democracia'. Já para não falar nos jardins públicos, muitos e sempre bem cuidados. O contrário de hoje.

Pelo contrário, os materiais da maioria dos prédios dos anos dez, vinte e trinta são realmente bastante toscos e as fachadas muito simplórias e feiínhas. Visitei alguns deles, já reabilitados e postos à venda, vai para uns dez anos e reparei nisto mesmo. Creio serem estes os sucedâneos dos tais gaioleiros que ruíam, embora melhor construídos uma vez que muitos deles perduraram até hoje...

Obs.: Esses "mal amanhados que ruíam" fazem lembrar os muitos que foram sendo construídos pós-Abrilada, incluíndo alguma que outra ponte e não me refiro só à de Entre-os-Rios, mas também, que por criminoso desmazelo das autarquias e escandaloso desinteresse do Ministério que as tutela, foram ruíndo, tanto muitos daqueles como várias destas, por completa ausência de fiscalização e manutenção adequadas. Como se vê, infelizmente a História até nestes casos tende a repetir-se.
Maria
De Tiago a 27 de Agosto de 2012
Boa noite
Tenho uma questão que já me intriga à algum tempo, e talvez possam ajudar-me.
O meu 4º avô vivia, em 1854, no largo do chão da feira, nº2, 2º andar. Ora, já tendo andado a passear pelo local, reparei que as casas/prédios da rua actual só têm números ímpares, e onde deveriam estar os números pares está a muralha que se vê na fotografia e se prolonga até ao final dessa rua.
Será que as "casas pares" foram demolidas?
De Bic Laranja a 28 de Agosto de 2012
É provável que houvesse casas encostadas ao muro, sim. Os antigos faziam muito isso poupando na alvenaria. Praticamente toda a cerca moura e a Fernandina que resta jazem assim, de tardoz.
A ver se lhe descubro algo mais...
Cumpts.
De Tiago a 28 de Agosto de 2012
Agradeço-lhe.
Eu ainda pensei que pudessem ter sido demolidas durante as grandes obras do castelo nos anos 30-40 (?). Mas essa e outras fotos do mesmo arquivo mostram que já não existiriam casas nesse local no príncipio do séc. XX.
A verdade é que não sei se alguma vez existiram casas aí encostadas, e quando lá estive, perguntei a alguns lojistas, e nenhum me soube esclarecer onde estão os números ímpares... E esta, ein?
(talvez o carteiro me pudesse ajudar :) )

Comentar

Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____