21 comentários:
De Carlos Portugal a 3 de Setembro de 2012
Sinceramente... Apetece dar-lhes com uma esfregona encharcada naquelas caras de «riso alvar de palerma satisfeito»!...

Cumprimentos
De Bic Laranja a 3 de Setembro de 2012
Merecem-no. Sabemos com que se comprazem.
Cumpts.
De Luciana Gama a 3 de Setembro de 2012
Só mesmo à chapada. Palermas!

Abraço!
De Bic Laranja a 3 de Setembro de 2012
Isso mesmo! À bufatada.
Cumpts.
De Paulo Nunes a 5 de Setembro de 2012
Perdoe-me a correcção: acho que "bofetada" é o termo correcto.
http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=bofetada

(Não faço questão absolutamente nenhuma de publicar este comentário)
De Bic Laranja a 5 de Setembro de 2012
Juntamos o termo correcto aos anteriores, pois.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 14 de Setembro de 2012
Caro Paulo Nunes, o humor é uma coisa MUITO subtil!
Cumpts
De marcos pinho de escobar a 3 de Setembro de 2012
Nada como a satisfação da missão cumprida... Portugal já está para acabar.
Abr. amigo.
De Bic Laranja a 3 de Setembro de 2012
Já tinha acabado, no grande acidente nacional. Estes são só coveiros.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 4 de Setembro de 2012
Estes dois estão como a hiena, lembram-se?
Cumpts
De Bic Laranja a 5 de Setembro de 2012
Confesso que não. Mas a comparação com hienas é-lhes favorável.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 6 de Setembro de 2012
Tem a ver com aquela anedota que reza mais ou menos assim:
Sabem qual é o animal mais estúpido que existe?
Resposta – a hiena.
Porquê?
Resposta – porque é um animal necrófago, e só tem relações sexuais uma vez por ano; assim, pergunto:
Ri-se de quê?

Cumpts
De Inspector Jaap a 6 de Setembro de 2012
Poderia até sugerir uma legenda para cada um dos alvares:
No caso do baba, há por aí a circular um vídeo em que ele faz a apologia do seu lusismo bem assim como da empresa que lhe enche o bolso, durante a qual os barbarismos utilizados C.E.O , board , chairman , performance, etc. e tal), serão aí por volta der 80% do que diz; lamentavelmente, ou talvez não, não o consigo localizar agora.

Quanto ao jovem de baixo proponho a seguinte:
Ai vocês acreditaram em mim quando eu disse que era contra o acordo gráfico? Ah, ah, ah! Enganei-vos bem!

Cumpts
De tron a 14 de Setembro de 2012
quando eu era pirralho os CEO ou Chairmans eram os Sócios-Gerentes, presidentes de conselhos de administração ou no caso das fundações eram os presidentes da mesa ou da administração quanto muito admistradores-gerais.
a performace é a palavra inglesa e também francesa para desempneho (sobretudo inglesa e transitou para o francês sobretudo no período de domínio inglês de parte da França) e entrou em Portugal como forma de aliciamento de compradores sobretudo de produtos duráveis como automóveis, computadores, electrodomésticos etc. (leia-se aliciamento como marketing)
De Inspector Jaap a 14 de Setembro de 2012
Diz muito justamente, mas isso era no tempo de Portugal, lembra-se certamente, um país à beira-mar plantado, onde as pessoas viviam modestamente, se calhar, mas felizes e dignas – tempos em que era o Presidente dos EU que cá vinha para negociar o arrendamento das Lajes e que “não era pequeno”, como rezava uma das “cartilhas” do Estado Novo do ensino primário; agora tudo isso é obsoleto, pelo que convém “dar uma” de “jet-6” sempre que a oportunidade surja, para que sejam todos muito “in”. Desgraçados, todos eles!
Cumpts
De cabo-carvoeiro a 17 de Setembro de 2012
Neill Lochery escreveu um livro interessante, O titulo: Lisboa A guerra nas sombras da cidade luz Editorial Presença, descreve a situação do nosso pais durante a II guerra, infelizmente não vinham cá negociar as Lajes, o nosso pais estava numa situação muito complicada, e como sempre os nossos dirigentes querem fazer passar o nosso pais, por aquilo que não é, somos um pequeno pais dirigido hoje como no passado por pelintras, talvez mérito ao Salazar porque soube manobrar numa situação , em que Portugal podia ter desaparecido do mapa.
Cumprimentos
De Bic Laranja a 19 de Setembro de 2012
Salazar soube fazê-lo, sim. Mas não se engane. Portugal então foi um jogador muitíssimo capaz nesse xadrez internacional. Hoje é um joguete. Desde 74 que é um joguete. Com peões sempre cada vez piores.
Cumpts.
De Bic Laranja a 19 de Setembro de 2012
Não conhecia o livro e agradeço-lhe a sua menção. Porém lhe digo desde já que me bastou meia dúzia de linhas para descartar imediatamente a edição portuguesa, por ser impressa nessa intragável e aviltante ortografia brasileira que o governo quis meter em Portugal.
Depois, do que vi, o rigor histórico não é lá muito afinado. Os mapas são anacrónicos; logo no primeiro mete-se olhos dentro o Largo do Martim Moniz com as dimensões iguais às de hoje quando as demolições da Mouraria só começaram em 1946, depois de finda a 2.ª Grande Guerra, portanto. Não sei se as velhas vielas da Mouraria interessavam para poiso da espionagem que por aqui passava. Mas que eram o cenário real ao tempo, eram.
Diz que Salazar tinha chegado ao poder com a instauração do Estado Novo em 1932. Ora o Estado Novo só é oficial em 1933 com entrada em vigor da nova Constituição; e Salazar já era ministro das finanças desde 1928. A nomenclatura usada para as pastas do governo é a actual; chama primeiro-ministro ao presidente do conselho, administação interna à pasta do Interior e... -- Melhor é ficarmos por aqui.
São pormenores, mascomo sói agora dizer-se parafraseando a maneira amaricana, o diabo esconde-se é nos detalhes. Não me leve a mal este arrazoado com base em três páginas da introdução. Provavelmente o público em geral nem se importa com estas coisas. De toda a maneira, se tiver eu de o ler não será senão na edição inglesa.
Cumpts.
De cabo carvoeiro a 19 de Setembro de 2012
boa noite, o que deu interesse no livro foi a parte intriga, espionagem, sabendo que muitas coisas passadas em Lisboa, foram minimizadas, tanto pelo cinema como pela imprensa mundial, também descreve bem como é que os alemães manipularam a opinião publica, coisa que não há muito tempo foi falada na comunicação social " a invasão de Portugal pelos espanhóis " etc. etc. quanto as fotos penso que não deve de haver muita matéria e o autor foi ao supermercado da internet que é o site da Gulbenkian , aonde nos costumamos fazer as nossas "compras" quanto a ortográfica sou de acordo consigo, em Portugal comparado com outros países , já nem falo da França aonde vivo) lê-se tão pouco, se como meio de protestação vamos boicotar o acordo ortográfica na literatura acaba-se a edição no nosso pais.
Ps. Até a nossa identidade foi vendida ao diabo, pelos políticos , seria tb interessante de aproveitar esta vaga de contestação para anular este acordo com o diabo.
Cump.
De tron a 14 de Setembro de 2012
Riso de filho da ....... (não digo) apenas deixo um eufemismo...filho da senhora que se dedica de forma professional a prática do acto sexual seja ele qual for em troca de soma em dinheiro, preferencialmente
De Bic Laranja a 19 de Setembro de 2012
Riso, alvar. De gente, alvar. Donde foi parida nem importa.
Cumpts.

Comentar