12 comentários:
De Inspector Jaap a 5 de Outubro de 2012
Só uma pergunta: esta coisa foi escrita quando?
Cumpts
De Bic Laranja a 8 de Outubro de 2012
Topei com esta marmelada ali há um ano. Não sei quando foi plantado.
Cumpts.
De i a 9 de Outubro de 2012
Pronto; fico esclarecido.
Na verdade, eu, com a minha mania de “caval(h)eiro andante” ainda quis dar o possível benefício da dúvida aquelas alimárias, pois, se tal fora feito lá por voltas de 1911/12, até pudera estar bem escrito, (cf. com o verbete http://biclaranja.blogs.sapo.pt/665201.html) não fora a falta do artigo definido do senhor “diretor-geral” e do hífen, bem entendido; agora estamos, pois, entendidos: é mesmo ignorância. (Ponto!)
Salva-se a coerência da forma com a do conteúdo: nulas, ambas.
Cumpts
De Bic Laranja a 13 de Outubro de 2012
Aquilo tem cara de obra recente. Dessas com ar plastificado moderninho que dizem «intervenções» de «reabilitação» ou «requalificação». Coisa de 2010-2011.
Vai daí o raciocínio amorfo de «escreve-se já com o 'acordo'?»
Cumpts.
De Inspector Jaap a 14 de Outubro de 2012
É isso áí, né!
Cumpts
De Inspector Jaap a 9 de Outubro de 2012
Pronto; fico esclarecido.
Na verdade, eu, com a minha mania de “caval(h)eiro andante” ainda quis dar o possível benefício da dúvida aquelas alimárias, pois, se tal fora feito lá por voltas de 1911/12, até pudera estar bem escrito, (cf. com o verbete http://biclaranja.blogs.sapo.pt/665201.html) não fora a falta do artigo definido do senhor “diretor-geral” e do hífen, bem entendido; agora estamos, pois, entendidos: é mesmo ignorância. (Ponto!)
Salva-se a coerência da forma com a do conteúdo: nulas, ambas.
Cumpts
De marcos pinho de escobar a 5 de Outubro de 2012
Nada como um marcador vermelho na algibeira, Caro Bic!
Abraço amigo.
De Bic Laranja a 13 de Outubro de 2012
Sim. Hei-de comprar um.
Cumpts.
De [s.n.] a 6 de Outubro de 2012
Eis um painel de azulejos vergonhoso. E é-o por dois motivos: pelo erro ortográfico imperdoável e pelo facto de que quem encomendou o painel, aliás bastante sofrível, julgar que a amputação de uma consoante num vocábulo que dela não pode prescindir, ficará (julgam eles) para sempre gravada numa parede como mais uma vitória da novilíngua que nos querem impingir, esta de difícil alteração, mas, agora digo eu, é a prova provada de mais um crime cometido contra a língua portuguesa. Eles, os linguistas apátridas mais os governantes-traidores que o consentem, querem enfiar com o aborto ortográfico pelos nossos olhos adentro, mas estão redondamente enganados. Quanto mais insistirem no crime mais os portugueses, aqueles que o são verdadeiramente, se revoltarão (e são cada vez mais) com alguma violência se necessário for e só deixarão de o fazer quando os inomináveis autores desta ignominiosa medida de lesa-pátria admitirem a sua completa e definitiva reversibilidade.
Maria
De Bic Laranja a 13 de Outubro de 2012
Ainda há dias em Alpiarça alguém admirado me perguntava: «se o 'acordo' não está em vigor, como o ensinam na televisão como «português correto»?»
A força da televisão na nossa mente é esta: qualquer iniquidade ali apresentada torna-se verdade; tudo o que ela omita torna-se inexistente.
O autor deste azulejo é mais um desses ingénuos, como se vê...
Cumpts.
De [s.n.] a 21 de Outubro de 2012
É..., faz lembrar "1984" (Orwell): "a verdade é mentira e a mentira é verdade". Um escritor ex-comunista que foi premonitório em muito do que escreveu. E tudo se foi agravando dramàticamente desde o seu tempo até aos dias de hoje. Como se sabe, nas democracias pràticamente todas as promessas e as não promessas, que os políticos anunciam às 'massas', vem-se a verificar mais tarde não terem passado de mentiras monumentais, porém ditas com a maior das solenidades (e com cara d'enterro, quando a coisa começa a dar pró torto) para darem mais ênfase às discursatas.
E o pior é que discurso após discurso, eleição após eleição, há sempre milhões d'eleitores que acreditam nos seus autores e escutam-nos como se de profetas se tratasse a anunciar a boa-nova.
E a festa continua.
Maria
De Bic Laranja a 27 de Outubro de 2012
Andamos a ser pastoreados, sim. E nunca se viram pastores tão maus.
Cumpts

Comentar