Quinta-feira, 25 de Outubro de 2012

Dos reformadores e da estupidez em acção



Há tempos topei com um naco de prosa que diz bem o que são os reformadores de ortografias.

« É tão disparatado afirmar que escrever uma palavra com menos letras aproxima a grafia da fonética como afirmar que imaginar um cisne com menos penas torna a nossa imagem mental do cisne mais "próxima" do cisne real.
  Uma das motivações da reforma de 1911 era a ideia de que a "ditadura da etimologia" contribuía para o aumento do analfabetismo. Mas sendo assim não se compreende como os utentes do inglês não são maioritariamente analfabetos. Será que afinal não há qualquer correlação entre a ortografia e o analfabetismo? Na verdade, a ideia de "aproximação" à fonética para combater o analfabetismo é apenas um disfarce para o preconceito social. Escrever "filosofia" com "f" em vez de "ph" simplifica a escrita mas isto nada tem a ver com "aproximação" à fonética. A ideia subjacente é que os pobres são muito burros e precisam de uma ortografia muito simplificada, em vez de receberem simplesmente um ensino de qualidade. Dizer que assim ficamos mais "perto" da fonética é uma forma equivocada de dizer que as palavras ficam mais acessíveis ao escrevinhar do povo, tornam-se mais "intuitivas", do mesmo modo que a música pimba é mais "intuitiva" do que a música de Bach. É mais uma vez a defesa da ideia de que mais vale dar um peixe do que ensinar a pescar. Em vez de dar às pessoas os instrumentos para escreverem bem, reforma-se a ortografia.
   [...]
  Ciente disto, Fernando Pessoa recusou a imposição dos reformadores e continuou a escrever "monarchia", "cysne", "philosophia", "physica", etc. A reacção dos reformadores é tipicamente paternalista: se os "artistas" querem escrever "philosophia", nenhum mal daí vem ao mundo. Os "excêntricos" serão sempre excêntricos. "Com o tempo habituam-se". Aparentemente as reformas destinam-se àqueles que os reformadores consideram que estão abaixo de si, daí sentirem-se tão naturalmente no direito de impor-nos as suas ideias ortográficas

Vítor Guerreiro, «Ortografia, fonética e grafia», in Crítica [revista de filosofia], 20/V/2009 [sublinhado meu].

 Esta categoria de gente paternalista, que se cuida por sobranceira razão ungida dos deuses para cuidar da felicidade alheia, gira na espiral da sua estupidez, inconsciente. Evangeliza nos corredores da política, missiona nos gabinetes do eduquês, catequiza nos microfones da rádio e TV. Uma raça pegada de estúpidos de serviço e idiotas úteis, toda uma civilização brota destes calhaus, uma nova idade da pedra, em que os amanhãs cantam já hoje.

*
*    *


 Tenho para mim que a estupidez em se pondo a girar é um moto-contínuo. Na sua voragem dá connosco, azémolas ou não, numa raça de asnos. Cuido que em caindo por si na bárbarie mais primeva, esta raça asinina em gestação não há-de senão extinguir-se catastròficamente por cúmulo de vulgar asneirada. A estupidez consome tudo em redor e consumir-se-á por fim até se exaurir -- paradoxal demonstração, esse laborar autofágico da estupidez, da certeza das leis da termodinâmica que dão como impossível, afinal, um moto-contínuo. -- Até chegar a esse fim derradeiro, porém, a razão mais avisada que clame em alerta é irremediàvelmente devorada pela maldita estupidez. Em abono dela anda aí o gramático Bichara, cuja tarouquice me vai infrene derretendo o português: no pasquim mais expressamente acordita não há boa razão que vingue; só a saga da estupidez lá prospera, seguindo no seu devir de tragar jornalistas, leitores e qualquer memória futura que sobejasse de atributo sério ao papel de jornal. Veja-se, pois, se não é?

« Num dos suplementos do Expresso de hoje, o filólogo brasileiro Evanildo Bechara, que desatrema no acordismo, diz que "Fernando Pessoa não aderiu à Reforma de 1945". Não aderiu nem deixou de aderir: morrera dez anos antes. O que Pessoa nunca aceitou em vida foi a reforma ortográfica de 1911. Mas o desatino foi impresso assim mesmo, sem pudor do académico nem emenda do entrevistador.»

Bruno de Oliveira Santos, «Jornalismo de referência», in Jovens do Restelo, 20/X/12.

Desastre na Av. do Brasil, Lisboa (A.N.T.T., s.d.)

 


Fotografias: Duas perspectivas dum desastre diante do manicómio, Av. do Brasil, [s.d.]. A.N.T.T.. Autor não identificado,

Escrito com Bic Laranja às 22:05
Verbete | comentar
4 comentários:
De Paulo Cunha Porto a 26 de Outubro de 2012
Meu Caro Bic,
estas simplificações para promoção de iletrados dão sempre mau resultado. Na América do Norte uns iluminados dos anos 1960`s também inventaram umas máquinas de votar, porque os analfabetos seriam incapazes de desenhar uma cruz, apesar de sempre me terem dito que é a maneira como eles conseguem assinar. Depois deu no que deu, na Florida, há uns 12 anos, com os próprios beneficiários a queixarem-se do resultado da votação mecânica.
E li que, na eleição em curso, uma dessas maravilhas até dava como preferido o candidato oposto ao da tecla que o eleitor premira. «Erro de calibração», desculparam-se os responsáveis...
Transpondo para o prontuário, vejo-me, realmente, com mais vontade de ser espetador (com força, em local que doa) dessa gente, do que permanecer espectador.

Abraço
De Bic Laranja a 27 de Outubro de 2012
Fôssemos todos bandarilheiros assim!...
Cumpts.
De João Amorim a 30 de Outubro de 2012
Caro BIC

Excelente apontamento. É com imenso prazer que leio os almanaques do início do século e a prosa tardo-oitocentista. A ortografia era diferente, pois era, mas mais divertida e estimulante.
De Bic Laranja a 30 de Outubro de 2012
A orthographia do tempo do Eça era, sim.
Obrigado!

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____