Segunda-feira, 29 de Outubro de 2012

Acordo ortográfico: um perigo para a saúde

 O artigo da tradutora Paula Blank, ontem no Público, é oportuno. Mais do que a ridícula tradução brasileira, o artigo aflora o problema (sério) da clareza das instruções de manuseio de equipamento hospitalar. A complexidade do equipamento e os riscos de mau manuseio são para os doentes, òbviamente, enormes. A displicência de alguns fabricantes (apesar da lei) para poupar tostões num tradutor nacional roça o criminoso. -- Se é para salvar vidas que fabricam equipamento hospitalar tão complexo, que sentido faz pô-las em risco com a tradução incompreensível de manuais de instruções? -- Eles, os fabricantes, não querem saber de avisos que os façam gastar dinheiro. E bem hão-de poder alijar a culpa, mormente por serem levados na falsa crença de a «unificação» ortográfica tudo resolver, indiferentemente, em termos de tradução para Portugal ou para o Brasil. Vede só até onde o reflexo do desconchavo ortográfico, com a mentirosa propaganda de união do português com linguagem portuguesa brasileira, pode levar o seu efeito nefasto.
  O «acordo» ortográfico, não só faz mal à saúde, como põe a vida em risco.


Manual (apesar de tudo sofível) duma máquina de lavar roupa. Serve de ilustração.

(Revisto às seis  e vinte da tarde.)

Escrito com Bic Laranja às 12:05
Verbete | comentar
15 comentários:
De Inspector Jaap a 29 de Outubro de 2012
Caramba, que não é todos os dias que se me depara um trecho tão curto com 2 palavras de que desconheço totalmente o significado; mas, como diz o outro, o artista esforça-se, e eu vou tentar a minha sorte:
Alvejo – Será a acção do homem das setas, o setor, ou é miro, em árabe?
Javel – só conheço Jardel, o dos golos; mas, se calhar, é outra coisa: algum dispositivo de máquina de lavrar cérebros, calhando!

Reconhecido fico eu, se algum leitor de aquém ou além-mar tiver a fineza de me esclarecer.
Cumpts
De Bic Laranja a 1 de Novembro de 2012
Eau de javel. Transliteração do francês.
Alvejo há-de ser derivação poética de alvo (branco).
Um poema, estas instruções da máquina cê lavar.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 2 de Novembro de 2012
Justamente :)! E o que mais adiante se verá!
Cumpts
De JPG a 29 de Outubro de 2012
Água de javel é... lixívia! Esta "googlei", é claro, porque não fazia a mais pequena ideia. "Alvejo" presumo que seja "branqueamento". "Alvejar" consta do Houaïss (Pt-Pt) mas não o s.m.

Enfim, de facto mais vale o Google Translate...
De Inspector Jaap a 30 de Outubro de 2012
Com os meus agradecimentos! :)
Quanto ao seu comentário acerca do Google: concordo; ao menos não passa de uma maquineta, assim a modos que de atendedor de chamadas.
Cumpts
De Bic Laranja a 1 de Novembro de 2012
Cheira-me que o tal Guglo é o maior tradutor do Brasil. A somar à presidentona.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 2 de Novembro de 2012
Ah, ah, ah! É isso áí!
Cumpts
De [s.n.] a 31 de Outubro de 2012
A propósito das afirmações e críticas, correctíssimas aliás, desta senhora tradutora, volto a bater na mesma tecla: as pessoas que escrevem em jornais, revistas e que, nas televisões, pontificam na legendagem dos noticiários e reportagens, mais aqueles que traduzem os diálogos de filmes e documentários e um infindável etc., teimam em não conjugar o verbo principal de cada uma ou das várias orações/proposições que podem constituir uma única frase ou parágrafo, quando é por demais sabido que respeitar uma tal regra gramatical é absolutamente obrigatório.

Este inominável crime de lesa-pátria, soma e segue. Os assassinos da língua portuguesa continuam impantes a tratá-la aos pontapés. O mísero estado em que ela se encontra e o fim para que inexoràvelmente caminha, consequência directa do desnorte que rege o respectivo ministério, mais as aviltantes directivas que de lá emanam com força de lei, eis o que esta maralha sem vergonha projectou secretamente há mais de quarenta anos e que, eureka!, uma vez quase alcançado o seu desígnio final - e caso os portugueses de bem não lhes cortem os ímpetos maléficos de imediato - atingirão fatalmente o seu zénite. Estes malditos apátridas que, vindos da estranja, deram à costa com o exclusivo fito de destituir Portugal de todas as suas maiores grandezas, sendo a língua-mãe uma delas, não necessitam apenas de ser desalojados do poder, mas corridos para fora do país com a máxima urgência. O mal político que nos fizeram a somar ao pesado e criminoso fardo económico que nos foi legado e que iremos carregar (e pagar com língua de palmo) sem culpa alguma durante décadas, é, além de gravíssimo, demasiadamente doloroso para ser suportado sequer por mais um dia e muito menos por mais cinco ou dez anos.
Maria
De Inspector Jaap a 1 de Novembro de 2012
Maria, às vezes uma palavra (mesmo repetida) é mais eficaz do que alguns discursos; assim, permito-me comentar o seu comentário só com uma, e, excepcionalmente, estrangeira:
Chapeau!
Calorosos cumprimentos
De [s.n.] a 1 de Novembro de 2012
Agradecimentos redobrados pela sua gentileza.
Maria
De Bic Laranja a 1 de Novembro de 2012
A maralha não projectou nada a não ser delírios. Falta-lhes capacidade pensante para mais. Mas executam bem as ordens rapaces da estranja. -- Viu o Diabo? Diz que o nosso ouro levou sumiço. Bem se vê o que move esta destruição pelo estrangeiro.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 2 de Novembro de 2012
Levou sumiço??? Ai que fino! deve ser uma maneira «culta» de dizer «sumiu», não?
Cumpts
De Bic Laranja a 2 de Novembro de 2012
Por acaso é maneira plebeia. É vernáculo.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 2 de Novembro de 2012
É o que um blogo deste teor tem de bom, entre outras coisas: estamos sempre a aprender; obrigado pela explicação já que eu pensava que isso vinha das feitorias de além-mar!
Cumpts e votos de um óptimo fim-de-semana!
De [s.n.] a 4 de Novembro de 2012
Por motivos diversos ainda não li. Não saí esta semana, mas tenho o jornal guardado na papelaria onde o compro sempre. Sobre o que me diz, não posso crer. Se é de facto verdade, os portugueses devem, têm que, fazer alguma coisa. Insurgir-se é pouco. O ouro pertence ao povo português. Já basta o que o traidor Soares fez a metade dele. Tratou-se de um crime, mais um entre muitos, sem perdão.

Isto só lá vai com uma revolução. Mas uma de verdade, feita por portugueses de lei. Por Patriotas com maiúscula.
Maria

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____