Quarta-feira, 21 de Novembro de 2012

Bárbaros, judeus e mouros

Moço judeu marroquino (Photo Flandrin, s.d.)

« A raça hebraica existia na Peninsula antes da invasão de Tarik e Musa; existia nesta região, como em toda a parte onde o christianismo se tornara dominador, opprimida e aviltada; mas em paiz nenhum a legislação, quer romana, quer barbara, fôra inspirada por tendências tão perseguidoras e de tão profunda malevolencia contra os israelitas, como nesta provincia da Europa durante os últimos tempos do domínio dos godos. O código wisigothico, onde se acham compiladas as leis dos diversos reinados ácerca dos judeus, é nessa parte um modelo de feroz intolerância. As resoluções dos concilios de Toledo, colligidas em grande numero naquelle codigo, tendem a reduzi-los ao christianismo por todos os meios, sem todavia os fundir na população hispano-gothica, ou a extermina-los judicialmente pelo ferro e pelo fogo, o que fez dizer a um escriptor celebre, senão com absoluta exacção, ao menos com agudeza, que as maximas e os principios da inquisição estavam escriptas no codigo dos wisigodos, e que os frades se tinham limitado a compilar as resoluções dos bispos contra os judeus. As particularidades dessa legislação, e até que ponto durava a sua influencia no berço da monarchia, aprecia-lo-hemos no devido logar. Na epocha da conquista mussulmana ella tinha produzido o seu effeito. O desejo de sacudir o duro jugo em que viviam lançou os judeus no partido mussulmano. Já no reinado de Egica (687 a 701) elles trabalhavam por induzir os sarracenos a invadirem a Hespanha, empenho em que os ajudavam os seus correligionarios d'Africa, ácerca dos quaes os chefes do islam haviam seguido o systema invariavel de deixar a liberdade do culto aos povos que submettiam. Descoberta a conspiração, a raça hebraica fora reduzida á escravidão, privada dos bens, e obrigada a abandonar os proprios filhos á catechese christan. Estas providencias, severas até a barbaridade, produziram o que sempre produzem as compressões violentas. Quando circumstancias favoraveis trouxeram a realisação dos desejos da raça proscripta, os invasores mussulmanos encontraram nella ardentes e leaes alliados. Compunha-se o exercito de Tarik em grande parte de judeus bereberes, que pouco antes haviam abraçado o islamismo, talvez simuladamente e com o unico intuito de virem salvar seus irmãos. Era mais um motivo para ligar estes indissoluvelmente aos conquistadores. Assim vemos que, em regra, os sarracenos, para não desfalcarem as diminutas forças com que avassallaram a Peninsula, entregavam a guarda e defensão das cidades que submettiam a guarnições hebreas, o que não só prova quanto os judeus contribuiram para assegurar o dominio mussulmano, mas também quanto avultavam em numero no meio da população.»

Alexandre Herculano, Historia de Portugal, T. III, 2.ª ed., Viuva Bertrand & Filhos, [Lisboa], 1853, pp. 208-209.

Moura judia de Marrocos, s.d. (Greg, Flickr)


(Fotografias: Mocinho judeu marroquino, Photo Flandrin, s.d., in e-Bay; Moura judia de Marrocos, por Greg, in Flickr.)

Escrito com Bic Laranja às 21:45
Verbete | comentar
11 comentários:
De Paulo Cunha Porto a 21 de Novembro de 2012
Por ironia, toda essa gente veio acorrendo ao chamamento de uma facção visigótica, em guerra contra a outra.
A grafia é um pitéu.

Abraço, Caro Bic
De Bic Laranja a 21 de Novembro de 2012
Mudei-a. Portanto fico na dúvida: qual delas?
Cumpts.
De Inspector Jaap a 24 de Novembro de 2012
Concordo com o PCP (ele há ironias!) referindo-me à que está no verbete; suculenta, de facto!
Cumpts
De Manuel Marques Pinto de Rezende a 22 de Novembro de 2012
A coisa só se complica quando vemos que os últimos estudos dizem-nos que grande parte das tribos berberes que invadiram o território peninsular eram cristãs. Exactamente, não leram mal, cristãs.
Ou que grande parte da ocupação militar de certas regiões, especialmente Valência, tenha sido entregue a eslavos acabados de converter ao islamismo.
De Bic Laranja a 23 de Novembro de 2012
A entrega de terras a recém convertidos compreende-se bem. Dos berberes serem cristãos, porém, não tinha notícia.
Cumpts.
De Manuel Marques Pinto de Rezende a 22 de Novembro de 2012
Além de que, aquilo que a típica dinâmica da Lei nestes tempos nos diz é que, pela recorrente necessidade que os reis godos tiveram de incrementar medidas restritivas aos judeus e à sua liberdade de culto é somente sinal de que essas medidas não eram reforças, na prática, com acção das autoridades.

Ou seja, possivelmente a razão pela qual os judeus ibéricos prosperassem na Península, mais do que outro sítio qualquer da Europa Ocidental e apesar de toda essa legislação em contrário fosse simplesmente porque a lei não era aplicada (porque ignorada, quer pela incapacidade da Coroa para as fazer cumprir quer porque eram esquecidas).
De Bic Laranja a 23 de Novembro de 2012
A feitura de leis de resposta a um caso atesta o caso, não prova a eficácia da lei sobre o caso, isso é verdade. Mas daqui não garanto que a lei era ineficaz em toda a medida.
Cumpts.
De Venâncio a 24 de Novembro de 2012
Muito interessante.

Mas as coisas complicam-se mais ainda que entendermos que não houve "invasão" nenhuma, que ela faz parte da leitura catastrofista da História, muito española, feita de rupturas, embates, conquistas e... invasões. Os berberes estavam "cá" desde há muitos séculos, e ainda estão. Ainda estamos.

Houve, de facto, uma deslocação de tropas berberes, em 711, que cruzaram o Estreito, em auxílio de quem as chamou. Mas não conquistaram nada de substancial. Foram, sim, um detonador de sublevação das gentes do Sul contra o poderio germano. O creme árabe e islâmico em cima do bolo é que não estava no programa. Teve coisas excelentes, teve coisas deploráveis.
De Venâncio a 24 de Novembro de 2012
Corrija-se:

mais ainda SE entendermos (claro)
De Bic Laranja a 26 de Novembro de 2012
Ó diabo! Somos berberes?! Só se for naquela teoria da passagem de África à Europa pelo Estreito ainda no Paleolítico. Aí sim, estaríamos cá havia muitos séculos. Milénios. Mas neste caso em que ficamos com o menino do Lapedo?
Entendo-o, porém.
Muitos ou poucos (berberes, árabes, eslavos recém-islamizados, ou judeus nalguma cabala), o facto é que islamizaram as hespanhas. Fôrça, de certo, haviam de ter: militar, cultural. Mas nem precisariam de muita pois que a Hespanha era sôbre tudo um ermo.
Cumpts. :)
De Venâncio a 27 de Novembro de 2012
Não, caro Bic, não "somos" berberes. Somos portugueses, e é um pau.

Dizer-me, eu, "berbere" é um gesto polémico, para chatear os meus essencialistas contendores galegos que juram ser "celtas". E que, propagando uma Portugaliza, asseguram serem-no os portugueses também.

O facto é que qualquer baixo-alentejano que chegue a Marrocos (o meu caso) dá de caras com tios, primos e mais gente chegada, de Tânger a Ouarzazate. Tem de haver um parentesco étnico. Ou, jogando pelo seguro, facial.

Admito que já assim era há três, quatro mil anos. Somos, ali em baixo, gente moura. Como há gente eslava, gente celta, gente germânica.

Mas tem razão, a Hespanha era um ermo. Ainda é. Se vir aquelas fotos do espaço com a iluminação pública da Península, verá uma orla iluminada, Madrid iluminado e uma imensidão no escuro.

Abraços.

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____