Domingo, 3 de Fevereiro de 2013

Candido de Figueiredo

 Este verbete vai na orthographia etymologica do portuguez.
 Tropéço eu mais n'esta escripta de atrasados mentaes d'agora do que na do tempo de Eça ou de Camillo. Aliás, n'essa maneira de escrever antiga — que ninguem se nunca preoccupou por môr de qualquer ideologia em systematizar (e bem) — vou por ella bem ligeiro, só do gôzo que me dá em lê-la.
 Sôbre esta velha orthographia, as grammaticas antigas sómente remettiam para os exemplos dos melhores auctores; e sôbre regras de accentuação simplesmente mandavam que se marcassem com elles [os accentos] as palavras cuja escripta se confundisse com homographos — «tres», p. ex., não carecia de accento. — Quereis regra de accentuação mais simples?
 Quem deu em forçar o idioma por motivos estrictamente ideologicos foram os republicanos em 1911. A orthographia do portuguez, a face visivel mais perenne do idioma patrio, anda em convulsão dês d'ahi. Ao proposito ideologico de moldar uma escripta que delisse os ultimos annos da Monarchia sommaram os  irreflectidos ideologos um paternalismo inconsciente e uma crença desarrazoada n'aquelles côcos em que, se ensinassem a escrever filosofia em vez de philosophia, erradicariam o analphabetismo; como se a filosofia se tornasse mais facil do que a philosophia sem haver Instrucção Pública illustrada e capaz. A crença cega em que a mudança dos rotulos muda a realidade das cousas tem progredido muito d' então para cá — vede a revolução nos transportes que foi a rede 7 da Companhia Carris ou a pujante dynamica internacional do portuguez com êsse accôrdo cacographico do govêrno...
 Innumeros entendidos e milagreiros d' alto coturno foram convidados em 1910 pelos republicanos para integrar a commissão da reforma orthographica que havia de erradicar o secular analphabetismo dos portugueses. Entre elles, o Dr. José Leite de Vasconcellos, o qual percebendo ao que aquillo levaria, intelligentemente se escusou; não quiz tomar parte na dicta commissão. O sr. Candido de Figueiredo, afamando diccionarista, sendo que entendia bem a realidade das cousas, como veremos, não se escusou, porém. Succede que vindo a ser a dicta reforma officialmente decretada pelo govêrno da Republica em 1911, o sr. Candido de Figueiredo fez tanto caso d'ella e do trabalho que n'ella fizeram que em 1913 se sahiu com isto logo de entrada á nova edição do seu diccionario:

NOVO DICCIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA

 Redigido em harmonia com os modernos princípios da sciência da linguagem, e em que se contém quási o dôbro dos vocábulos até agora registados em todos os diccionários portugueses, além de satisfazer a todas as graphias legítimas, especialmente a que tem sido mais usual e aquella que foi prescrita officialmente em 1911.

Todas as graphias legítimas, especialmente a mais usual é symptomatico de quem percebe onde pára a realidade d'um idioma vivo e o valor da ideologia official. Por isso adeantava n'estes termos:

Officialmente, considera-se modêlo a orthographia do Diário do Govêrno. É verdade que o próprio Govêrno, isto é, os ministros, só a praticam nas columnas da mesma fôlha; cá fóra, praticam o que lhes ensinou o professor de primeiras letras, cuja orthographia já brigava com a do professor da vizinha escola.

 E conclue com elementar razão:

 Ora o diccionarista não tem o direito de escrever somente como entende. A sua missão não é preconizar systemas, nem fazer reformas, nem manter intolerantes exclusivismos. Àparte os termos que êlle só conhece de outiva ou que colheu da linguagem oral, e que tem de reproduzir phoneticamente, se a etymologia, a derivação, ou a analogia lhe não aconselham outro processo, todos os vocábulos que êlle viu escritos, sob a responsabilidade de um escritor antigo ou moderno ou sob a chancella da prática corrente numa época, tem de os reproduzir taes, quaes os viu; e, se a fórma varía de escritor para escritor ou de época para época, essas variantes devem fazer parte do seu trabalho, sob pena de sensíveis imperfeições ou de lastimosas deficiências.
  Por isso é que o leitor encontrará nesta obra numerosas variantes autorizadas; e nem de outra fórma o Diccionário reproduziria, como deve, o estado actual da escrita portuguesa. Veja-se
idéa e ideia, pae e pai, philósopho e filósofo, ouro e oiro, distincto e distinto, escripto e escrito, lyra e lira.

 Pois não era isto que a Academia das Sciencias de Lisboa podia ter lavrado depois de 1955?!... Um diccionario que registasse variações auctorizadas reproduzindo o estado da escripta dos melhores auctores (antigos e modernos) de língua portuguesa?! Um trabalho com intelligente e elementar senso da realidade (os idiomas regem-se simplesmente pelo uso e pela Grammatica, não por despachos e decretos) e, em corollario, obra de discreta magnanimidade. Não é simplesmente isto que os ingleses fazem em lugar de se pôrem a ridículo em desaccôrdos parvos e humilhantes?

Plough (US = plow) (Oxford Advanced Learners, 3rd. impr., 1987)
Plough (US = plow). Oxford Advanced Learner's English Dictionary of Current English, 3rd. impr., Oxford University Press, 1987.


(Excerptos in Candido de Figueiredo, Novo Diccionário da Língua Portuguesa, [2.ª ed.], Empreza Litteraria e Typographica, Porto, 1913, na transcripção electronica do projecto Guttenberg, 2010.)

Escrito com Bic Laranja às 15:49
Verbete | comentar
5 comentários:
De JPG a 3 de Fevereiro de 2013
Excelente. Simplesmente excelente.
De Sc a 3 de Fevereiro de 2013
Muito bem!
De Anachronico a 4 de Fevereiro de 2013
Eu diria mesmo: excellente. Simplesmente excellente.
De [s.n.] a 5 de Fevereiro de 2013
Puxa vida! (como diziam os poucos brasileiros que por cá faziam turismo pelos anos 60/70).
O que aqui se pode ler não só é uma lição de português em toda a linha, mas sobretudo de erudição, de civilidade e muito particularmente de lusitanidade.
Perante um tão elaborado quão impecável texto, tudo quanto houvesse a acrescentar tornar-se-ia mais do que prolixo, supérfluo:)
Maria
De Bic Laranja a 8 de Fevereiro de 2013
Grato pelo apreço.
Cumpts.

Comentar

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____