Domingo, 10 de Março de 2013

...

 A página da Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o chamado «Acordo Ortográfico» tem sido censurada nas escolas nacionais.

« Já tínhamos ficado a “saber” que para a governamental Wikipédia 'lusófona” esta I.L.C. é "proselitismo" e "spam", logo, apagável, agora ficamos também a "saber" que para o Governo de Portugal por junto esta mesma I.L.C. é… “pornografia”, logo, censurável.»

J.P.G., «Para o governo português a I.L.C. tem "conteúdos impróprios"?», in I.L.C. contra o Acordo Ortográfico. Ler, assinar, divulgar, 7/III/2013.

 É sintomático que os zelotes do analfabetismo façam esta censura, e que se valham da chancela do governo pola cobrirem de oficialidade, porque na página da iniciativa de cidadãos encontram-se numerosos argumentos denunciando o engano e a má fé com que o governo prossegue neste capricho (maçónico?) contra a vontade geral da nação (e contra terceiros, pelo seu reflexo nas nações de língua portuguesa que não o Brasil). -- Aliás, este gosto dos acorditas pelo papel oficial já o notámos há dias nos regentes escolares de Loulé. Entretanto tornou a ver-se; agora o timbre foi o da Universidade de Coimbra, a debruar o jorro da pena acordita daquele Carlos Reis, «magnífico» reitor da Universidade Aberta. Este emproado parece ele que se arvora emitir oficialmente parecer em nome da Universidade de Coimbra em vez da que é reitor.
 As inúmeras mentiras propaladas por (e com) esta reforma de abrasileiramento do português pelos seus sequazes é um marco da propaganda. Da pior propaganda, que é aquela que nos tolhe a inteligência nos escaparates de publicidade, nas parangonas dos jornais, que nos invade o lar pelas televisões de serviço à ideologia dominante, que nos aparvalha a linhagem no ensino oficial.
 Abafar (ir abafando, pela calada) o desagrado geral é a praxis do poder que nos rege. Em tudo. Chegados a certo ponto vai de dar um arzinho de democracia ao caso e lá condescendem os mandaretes de turno numa comissão parlamentar para mostrar às gentes que não senhor!, temos aqui democratas de alto coturno que ouvem os cidadãos. -- Pois ouvem como?! Se antes os abafam, se entretanto os ignoram... -- O fim desta praxis (posso estar enganado, mas não mo tiram da ideia) traz a sentença lida; há-de ela ser o facto consumado. -- Pois, se o caso já vai na imprensa, nas televisões... na escola...
 Não obstante assim, desde Janeiro que temos uma comissão de deputados da Assembleia ouvindo as gentes (os cidadãos mais ou menos comuns que lhes condimentam o garrular democrático) sobre o caco gráfico. Procuram -- como se não estivesse bem à vista -- avaliar o pontapé que deram na Gramática por haverem ratificado, sem no ler sequer, um tratado ortográfico tecnicamente grosseiro, politicamente ultrajante para os portugueses e culturalmente desastroso. -- Arrependidos?... -- Não sei se com isto agora não andam só à procura da rolha (a deputada Canavilhas, que por lá vegeta, bem me parece eu que sim). Seja como for propuseram-se os digníssimos representantes do povo ouvir uns e outros e receber por escrito (o prazo era até 28 de Fevereiro) as suas (nossas) razões sobre (contra) o caco gráfico. Oxalá que as leiam, as entendam com senso e, sobretudo as não metam na gaveta como já sucedeu (quando aprovaram às cegas o caco gráfico assimilaram a arenga do Malaca e desprezaram as razões dos restantes).


 Ao benévolo leitor a quem interesse o caso e tenha tempo aconselho abrir uns quantos depoimentos no espaço de discussão interactiva no Foro da Assembleia e ver por si. Do pouco que pude ler recomendo vivamente o texto do escritor galego João Guisan de Seixas, sem desprimor de outros. É completo q.b. sem ser demasiado extenso para o esquema que os deputados propuseram para sistematizar os textos. Tem uma inteligência de argumentação notável e prova o superior valor do Acordo Ortográfico de 1945, que é o que está legalmente em vigor. (Não haja dúvida de que os malacas e os bicharas, incluindo o saneador Lindley Cintra, são nanicos a quererem encarrapitar-se no vulto de Rebelo Gonçalves.) Quem leia, pois, a exposição de Guisan de Seixas e lhe não consiga perceber o óbvio senso bem pode ser ferrado como pedaço de asno que é.
 E por falar em pedaços de asno, sugiro, por mero desfastio, que se não deixem de ler também umas poucas exalações do intelecto acordita por ali derramadas. O benévolo leitor, se o fizer, diga-me ao depois cá da bondade do que lá achar que enobreça a inteligência. Pode dar-se o caso de me haver escapado algo de jeito que prestasse nos vulcões da lama acordita.

(Gralhas revistas às 11 da manhã de 11.)

Escrito com Bic Laranja às 22:59
Verbete | comentar
12 comentários:
De Paulo Cunha Porto a 11 de Março de 2013
Meu Caro Bic,
eis-me a sugerir uma linha de defesa para o juízo (ou falta dele) governamental: como é uma criancice insistir no malfadado acordês, é natural que tenham considerado o conteúdo da página "SÓ PARA ADULTOS".

Abraço
De Bic Laranja a 14 de Março de 2013
Boa explicação, eh eh!
Cumpts.
De c a 11 de Março de 2013
Caro Bic Laranja,

Venho, sem vergonha, abusar dos seus préstimos, de caçador minucioso, presumindo que a caçada - disso se trata - lhe agradará.
Li, há pouco tempo, o bechara usar o termo "enaltar" por enaltecer, pressupondo o verbo enaltação. Corri a ver a abonação, que encontrei no Houaiss. Achei pouco e não me esclarecia quanto à origem portuguesa. "Googlando", encontrei a fonte: O diccionario do Cândido de Figueiredo de 1913 e a abonação de Camilo, em Narcóticos, II, pg 246. E aí é que está o problema: não encontro, nem as buscas me devolvem

Cândido: enaltar v. t. O mesmo que
enaltecer. Cf. Camillo,
Narcot ,II, 246
http://pt.scribd.com/doc/51527367/Novo-Diccionario-da-Lingua-Portuguesa-Candido-de-Figueiredo-1913

Não encontrei aqui (vol. I) http://archive.org/details/narcoticos01castuoft
nem aqui, na página 246 do II volume:
http://archive.org/stream/narcoticos02cast#page/246/mode/2up

Trata-se de uma falsa abonação, ou procurei mal, surgindo, noutra edição (embora, não sendo citada na
abonação, aponte para esta primeira).

Enfim, a coisa exige instinto de caçador, mas seria interessante verificar que fazer fretes aos brasileiros é coisa de há muito, embora pareça estranho uma abonação errada.
De Bic Laranja a 11 de Março de 2013
[...] No teu poema que eu não leio sem ancias de chegar depressa aos cantos suavissimamente apaixonados em que a tua poesia se inalta para onde, quando havia Deus, se dizia que se evolavam as lagrimas da afflicção.
Camillo, Narcoticos , II, Porto, Clavel , 1882, p. 245.

Isto de brincar às reformas ortográficas dá nisto. Neste caso, não bastou mudarem o nome de baptismo ao autor, tiveram de lhe corrigir a obra.
Cumpts.
De c. a 11 de Março de 2013
Nestas coisas, ou se tem faro de perdigueiro ou não.
Muito obrigado!
De [s.n.] a 13 de Março de 2013
O texto explicativo de João Guisan de Seixas é de superior qualidade. Demonstra por A+B os completos disparates vertidos no AO90.
Este inominável Acordo deveria encher de vergonha quem o concebeu porque não só se trata de um ultraje à língua portuguesa e aos seus muitos milhões de falantes, mas também de uma insolência a toda a prova perante os mesmos milhões que a honram e respeitam tanto quanto a mãe-pátria.
Maria
De Bic Laranja a 13 de Março de 2013
Não envorgonha quem no concebeu porque não é gente capaz de ter vergonha.
Cumpts.
De mujahedin a 13 de Março de 2013
Caro Bic,

a ligação sob «parecer em nome da Universidade de Coimbra» parece apontar para coisa nenhuma!

Teria muito interesse em ler o dito "parecer". Ficaria grato se pudesse corrigir a coisa...
De Bic Laranja a 13 de Março de 2013
Aqui.
É escusado procurar pelo nome de Carlos Reis, v. por ele o da Fac. de Letras da Universidade de Coimbra.
Cumpts.
De mujahedin a 14 de Março de 2013
Obrigado!
De mujahedin a 14 de Março de 2013
Que coisa tão pobrezinha...

Mesmo descontando a opinião defendida, o texto é ridículo de pobre. Ainda mais porque arvora a chancela da UC sob o título de "Parecer".

Enviei email ao Reitor da UC, alertando para o caso. Veremos o que diz. Se tiver interesse, darei notícia aqui.
De Bic Laranja a 14 de Março de 2013
Muito obrigado. Tenho o maior interesse. Cuido que os leitores que por cá passarem também.
Cumpts.

Comentar

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
17
19
21
23
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____