Sábado, 27 de Abril de 2013

Há 85 anos

Salazar discursando na tomada de posse na sala do Conselho de Estado, 27/IV/1928 (


CONDIÇÕES DA REFORMA
FINANCEIRA
1

   Sr. Presidente do Ministério2: — Duas palavras apenas, neste momento que V. Ex.ª, os meus ilustres colegas e tantas pessoas amigas quiseram tornar excepcionalmente solene.
   Agradeço a V. Ex.ª o convite que me fez para sobraçar a pasta das Finanças, firmado no voto unânime do Conselho de Ministros, e as palavras amáveis que me dirigiu. Não tem que agradecer-me ter aceitado o encargo, porque representa para mim tão grande sacrifício que por favor ou amabilidade o não faria a ninguém. Faço-o ao meu País como dever de consciência, friamente, serenamente cumprido.
   Não tomaria, apesar de tudo, sobre mim esta pesada tarefa, se não tivesse a certeza de que ao menos poderia ser útil a minha acção, e de que estavam asseguradas as condições dum trabalho eficiente. V. Ex.ª dá aqui testemunho de que o Conselho de Ministros teve perfeita unanimidade de vistas a este respeito e assentou numa forma de íntima colaboração com o Ministério das Finanças, sacrificando mesmo nalguns casos outros problemas à resolução do problema financeiro, dominante no actual momento. Esse método de trabalho reduziu-se aos quatro pontos seguintes:

  1. Que cada Ministério se compromete a limitar e a organizar os seus serviços dentro da verba global que lhes seja atribuída pelo Ministério das Finanças;
  2. Que as medidas tomadas pelos vários Ministérios, com repercussão directa nas receitas ou despesas do Estado, serão previamente discutidas e ajustadas com o Ministério das Finanças;
  3. Que o Ministério das Finanças pode opor o seu veto a todos os aumentos de despesa corrente ou ordinária, e às despesas de fomento para que se não realizem as operações de crédito indispensáveis;
  4. Que o Ministério das Finanças se compromete a colaborar com os diferentes Ministérios nas medidas relativas a reduções de despesas ou arrecadação de receitas, para que se possam organizar, tanto quanto possível, segundo critérios uniformes.

   Estes princípios rígidos, que vão orientar o trabalho comum, mostram a vontade decidida de regularizar por uma vez a nossa vida financeira e com ela a vida económica nacional.
  Debalde porém se esperaria que milagrosamente, por efeito de varinha mágica, mudassem as circunstâncias da vida portuguesa. Pouco mesmo se conseguiria se o País não estivesse disposto a todos os sacrifícios necessários e a acompanhar-me com confiança na minha inteligência e na minha honestidade – confiança absoluta mas serena, calma, sem entusiasmos exagerados nem desânimos depressivos. Eu o elucidarei sobre o caminho que penso trilhar, sobre os motivos e a significação de tudo que não seja claro de si próprio; ele terá sempre ao seu dispor todos os elementos necessários ao juízo da situação.
   Sei muito bem o que quero e para onde vou, mas não se me exija que chegue ao fim em poucos meses. No mais, que o País estude, represente, reclame, discuta, mas que obedeça quando se chegar à altura de mandar.
  A acção do Ministério das Finanças será nestes primeiros tempos quase exclusivamente administrativa, não devendo prestar larga colaboração ao Diário do Governo. Não se julgue porém que estar calado é o mesmo que estar inactivo.
   Agradeço a todas as pessoas que quiseram ter a gentileza de assistir à minha posse a sua amabilidade. Asseguro-lhes que não tiro desse acto vaidade ou glória, mas aprecio a simpatia com que me acompanham e tomo-a como um incentivo mais para a obra que se vai iniciar.

 


   1 Na sala do Conselho de Estado, em 27 de Abril de 1928, no acto da posse do Ministro das Finanças, segundo as notas do jornal Novidades.
   2 General Vicente de Freitas.

(Oliveira Salazar, Discursos. Volume Primeiro: 1928 -- 1934, 5.ª ed., Coimbra Editora, [imp. 1961], pp. 3-6.)

Escrito com Bic Laranja às 23:40
Verbete | comentar
11 comentários:
De MLisboa a 28 de Abril de 2013
Na véspera do seu 39º aniversário.
De Bic Laranja a 28 de Abril de 2013
Sim.
A proximidade destas datas não parece todavia tê-lo salvo de confundir a data da tomada de posse, como confessou no prefácio da 1.ª ed. dos «Discursos» em 1935:
« A uniformidade dos meus dias de trabalho faz-me errar as datas constantemente; logo comecei a minha vida política por tomar posse de Ministro das Finanças na véspera da nomeação, segundo se conclui do Diário do Govêrno e dos relatos dos jornais.»

Calhando dava pouca importância ao próprio aniversário.
Cumpts.
De [s.n.] a 28 de Abril de 2013
Exactamente! Grandes discursos, foram todos os que proferiu.
Maria
De jo a 29 de Abril de 2013
Morreu 40 anos depois sem chegar ao fim. Deixou outros a acabar o que começou. Para quem sabia o caminho não está mal.
Para isso prendeu espancou e assassinou opositores, proibiu que falassem contra ele, convenceu-se que detinha a verdade e logo o poder de calar os outros.
Não conseguiu desenredar uma guerra e conseguiu que um país que não participou na guerra fosse o mais pobre e miserável da Europa Ocidental.
De mujahedin a 29 de Abril de 2013
Diga lá o nome de quem foi que ele espancou e assassinou, a ver se é capaz.


Presos todos sabemos que muitos foram.
Pela amostra que hoje tenho, a maioria deveria lá ter ficado.

Não sei se estava convencido de que detinha a verdade, mas cá eu estou (que ele a detinha). E não é preciso ser muito inteligente para chegar a essa conclusão. Basta não ter palas por olhos, nem calhau por cabeça.

Se se não conseguiu desenredar de uma guerra, também foi uma em que se não enredou, antes o enredaram a ele e a nós todos.

Quanto a conseguir que um país que não participasse na guerra (refere-se, provavelmente,à segunda mundial) fosse o mais pobre miserável da Europa Ocidental, creio que lhe atribui mais do que o justo quinhão: o dr. Salazar conseguiu um país que não participasse na guerra, de facto - e isso apenas, é (devia ser) digno da maior consideração e respeito por quem se der ao trabalho de procurar conhecer um pouco dos horrores e tragédias que sucederam aos infelizes que não souberam ou não puderam fazer o mesmo. Outros antes dele não no conseguiram fazer e centos de milhares de vidas portuguesas se perderam lá longe, onde não havia nada que interessasse, devido a essa inabilidade.
Quanto ao país mais pobre e miserável da Europa Ocidental, isso, não foi o dr. Salazar que o conseguiu. Isso é proeza de maior antiguidade, à qual não são alheios os mesmos incapazes responsáveis pelo cento de milhar de vidas acima referidas.
Recebeu-o assim e deixou-o a crescer acima da média dessa Europa. Deixo-o dotado de pontes, estradas, portos, estaleiros, siderurgias, aeroportos, com um orçamento que permitia manter tudo isto, sustentar a defesa nacional e fomentar a actividade económica.

De facto, para quem sabia o caminho, não está mal. Está pelo menos melhor que qualquer outro em muitas centenas de anos.

Ah! E nunca ficou - nem os portugueses sob ele - a dever nada a ninguém! O mesmo, escusado será dizê-lo, afirmar dos que "em libardade" lhe sucederam.




De mujahedin a 29 de Abril de 2013
Correcção:

O mesmo, escusado será dizê-lo, se não pode afirmar dos que "em libardade" lhe sucederam.
De Inspector Jaap a 4 de Maio de 2013
Caro mujahedin , parabéns pelo oportuno comentário; de facto, por vezes, e sem tirar a razão ao Bic, é preciso pôr «os pontos nos is» e explicar a esses pobres coitados e indigentes que o pior cego é o que não quer ver; de resto, repare que, até no «nome», o indivíduo não se desmerece:
«Pobre como Job», não é assim? Este é tão pobre, tão pobre que até perdeu o b.
Cumpts
De Bic Laranja a 29 de Abril de 2013
Agradeço-lhe a generosidade de responder ao comentário, tanto mais penhorado porque a eu não teria com quem por cá passa com palas nos olhos e um calhau por cabeça.
Obrigado!
:)
De [s.n.] a 30 de Abril de 2013
Subscrevo palavra por palavra tudo quanto o comentador Mujahedin escreveu sobre o Dr. Salazar.
O meu pai foi um republicano dos pés à cabeça até ao dia que faleceu. Infelizmente não viveu o suficiente para ver a bandalheira em que se transformou o país graças à 'democracia' e aos escroques que a personificam às mil maravilhas.
Não sendo apologista do Estado Novo, o meu pai nunca disse uma palavra menos agradável a respeito do Dr. Salazar. Já adulta, por vezes interrogava-me sobre o porquê dele nunca ter criticado verdadeiramente o regime nem o seu mentor. Hoje sei o motivo. O meu
pai mantinha frequentes conversas sobre política com amigos republicanos. Também o fazia amiúde com o seu ortopedista, Prof. Vasconcelos Marques, que por simples coincidência um dos médicos particulares do Presidente do Conselho. Dessas trocas de impressões resultaram os elogios que uma ou outra vez tecia a respeito do Dr. Salazar.

Que Salazar mandava matar oposicionistas? Uma rotunda mentira. Quem o fez desde o dia 25/4 e não foram poucos os infelizes mortos à traição, foram os grandes democratas a todos quantos se opunham abertamente à política marxista que eles quiseram - e continuam a querer - instaurar no país.
Que Salazar mandava calar quem criticasse o regime? Novamente mentira. Quem desejasse podia fazê-lo à vontade, o que estava terminantemente proibido era conspirar ou atentar contra a Pátria. E ainda bem. Foi exactamente o que fizeram os marxistas e socialistas assim que alcançaram o poder. Carradas de razão tinha o Dr. Salazar em lhes barrar a entrada no país durante décadas. Veja-se no que deu assim que tal lhes foi permitido.
Que não havia liberdade no Estado Novo? Havia, sim senhor. O que não havia era libertinagem (nem droga, nem redes de pedofilia, nem tráfico de mulheres, crianças e orgãos, nem mega-corrupção da classe política, nem assaltos aos cofres do Estado pelos próprios governantes), o que é uma coisa totalmente diferente. Sendo esta a imagem degradante que ficará colada como grude ao presente regime e aos seus dirigentes, para todo o sempre.

O Dr. Salazar podia ter alguns defeitos e tê-los-ia de certeza. Mas possuía três qualidades supremas que suplantavam e anulavam todos aqueles. Era um político íntegro, um Patriota avant-la-lettre e um Governante superiormente inteligente, qualidades que, conjuntamente com mais algumas, lhe permitiam conhecer perfeitamente o povo (do qual ele provinha e também por isso) e governar para bem deste e do país. Eis as principais qualidades que
fazem um Estadista. E o Dr. Salazar foi-o sem sombra de dúvida. É por estas e por outras que os abutres que nos despedaçaram o país, continuam a dedicar-lhe um ódio de estimação tantos anos após o seu desaparecimento. Ódio este, sinónimo de inveja e ciúme (aquela, pela sua patriótica governação e este, porque o povo jamais o esquecerá) que os traidores nunca conseguirão ultrapassar por mais anos que vivam.
Maria

De mujahedin a 30 de Abril de 2013
Cara Maria,

sabe, eu não vi nada disso.

Não vivi o suficiente para conhecer outra coisa que não fosse a bandalheira. Quando nasci, já o FMI cá tinha vindo duas vezes em democracia. Oferece-se-me agora a oportunidade de testemunhar a terceira.
Não sendo republicano - nunca fui nem deixei de ser - também não sou saudosista: penso que até para um português, lhe é difícil ter saudades do que nunca teve, viu ou sentiu. Também não sou fascista - nunca conheci nenhum, nem nisso fui doutrinado.
Não sou rico, nem rico nasci. E apesar do sacrifício que fizeram meus pais para me prover com o necessário para que pudesse ganhar a vida - o que faço confortavelmente; tive, não obstante, que abandonar o país que me viu nascer e apartar-me dos que amo e estimo. Não sou, portanto, nem aristocrata nem burguês nem capitalista, nem o são meus pais, nem o eram meus avós.

Enfim, o que afirmo, afirmo-o partindo do que observo hoje em dia e da contraposição que faço dessas observações com os registos e elementos históricos que vou conhecendo, lendo e compreendendo. Limito-me a objectivamente extrair dessas comparações as conclusões que me parecem correctas e avisadas.
E as conclusões são por demais evidentes: do que se diz sobre esse regime e, sobretudo, sobre os que à cabeça lhe estavam e assim guiavam o país é em uma medida, ignorância papagueada; e em outra, calúnia infamante.
Por mais defeitos que tivessem - e que ínfimos parecem! comparados com os que quase caricaturalmente exibe quem, para nossa desgraça, hoje nos desgoverna - as suas obras são mais que suficientes para lhos eclipsarem, e para lhes fornecer (aos defeitos) a discreta irrelevância. Já das qualidades, há uma que brilha mais que todas as outras e que se não encontra no teatro de revista que é a hodierna política nacional: a honestidade. Tanta falta nos faz, e tão raro é hoje esse singular atributo do carácter na vida pública, que é suficiente a sua posse para tornar o proprietário digno do maior respeito e consideração.

Assim sendo, não sou fascista, nem saudosista, nem bolorento, nem burguês, nem capitalista, nem republicano. Sou apenas português. E como tal, não deixarei sem resposta os que, seja por que motivo fôr, vilipendiem aqueles a quem devo a réstia de dignidade ainda tenuamente associada a esse atributo de nacionalidade!

Não sei qual das desgraças a maior: se ver um país que progride e se desenvolve, devagar mas seguramente, mergulhar na desordem e na miséria moral e económica; se nesse estado de coisas nascer e nunca outra coisa ter conhecido por realidade...
De [s.n.] a 30 de Abril de 2013
Esta é a terceira vez que tento enviar um comentário em resposta ao seu comentário, mas por qualquer motivo têm-me fugido.

Que excelente pedaço de prosa. Muitos parabéns.
Tem graça, os seus sensatos e coerentes comentários (e justíssimos, ademais) relativos ao Estado Novo e ao seu Governante máximo, que não perco, faziam-me crer ser uma pessoa pelo menos já chegada à idade adulta no fim do Estado Novo. Mas vejo que não. Este facto só o enobrece por ser um português bem criado (isto é, bem educado pelos seus próximos) e sobretudo traduz as qualidades que identificam um verdadeiro patriota.

Mas voltarei ao assunto assim que o tema o justifique. Tenho alguma matéria que posso aqui descrever, em que é completamente impossível não elogiar o Estado Novo e não desacreditar em absoluto este regime de bandoleiros que somos infelizmente obrigados a suportar.
Maria

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____