11 comentários:
De MLisboa a 28 de Abril de 2013
Na véspera do seu 39º aniversário.
De Bic Laranja a 28 de Abril de 2013
Sim.
A proximidade destas datas não parece todavia tê-lo salvo de confundir a data da tomada de posse, como confessou no prefácio da 1.ª ed. dos «Discursos» em 1935:
« A uniformidade dos meus dias de trabalho faz-me errar as datas constantemente; logo comecei a minha vida política por tomar posse de Ministro das Finanças na véspera da nomeação, segundo se conclui do Diário do Govêrno e dos relatos dos jornais.»

Calhando dava pouca importância ao próprio aniversário.
Cumpts.
De [s.n.] a 28 de Abril de 2013
Exactamente! Grandes discursos, foram todos os que proferiu.
Maria
De jo a 29 de Abril de 2013
Morreu 40 anos depois sem chegar ao fim. Deixou outros a acabar o que começou. Para quem sabia o caminho não está mal.
Para isso prendeu espancou e assassinou opositores, proibiu que falassem contra ele, convenceu-se que detinha a verdade e logo o poder de calar os outros.
Não conseguiu desenredar uma guerra e conseguiu que um país que não participou na guerra fosse o mais pobre e miserável da Europa Ocidental.
De mujahedin a 29 de Abril de 2013
Diga lá o nome de quem foi que ele espancou e assassinou, a ver se é capaz.


Presos todos sabemos que muitos foram.
Pela amostra que hoje tenho, a maioria deveria lá ter ficado.

Não sei se estava convencido de que detinha a verdade, mas cá eu estou (que ele a detinha). E não é preciso ser muito inteligente para chegar a essa conclusão. Basta não ter palas por olhos, nem calhau por cabeça.

Se se não conseguiu desenredar de uma guerra, também foi uma em que se não enredou, antes o enredaram a ele e a nós todos.

Quanto a conseguir que um país que não participasse na guerra (refere-se, provavelmente,à segunda mundial) fosse o mais pobre miserável da Europa Ocidental, creio que lhe atribui mais do que o justo quinhão: o dr. Salazar conseguiu um país que não participasse na guerra, de facto - e isso apenas, é (devia ser) digno da maior consideração e respeito por quem se der ao trabalho de procurar conhecer um pouco dos horrores e tragédias que sucederam aos infelizes que não souberam ou não puderam fazer o mesmo. Outros antes dele não no conseguiram fazer e centos de milhares de vidas portuguesas se perderam lá longe, onde não havia nada que interessasse, devido a essa inabilidade.
Quanto ao país mais pobre e miserável da Europa Ocidental, isso, não foi o dr. Salazar que o conseguiu. Isso é proeza de maior antiguidade, à qual não são alheios os mesmos incapazes responsáveis pelo cento de milhar de vidas acima referidas.
Recebeu-o assim e deixou-o a crescer acima da média dessa Europa. Deixo-o dotado de pontes, estradas, portos, estaleiros, siderurgias, aeroportos, com um orçamento que permitia manter tudo isto, sustentar a defesa nacional e fomentar a actividade económica.

De facto, para quem sabia o caminho, não está mal. Está pelo menos melhor que qualquer outro em muitas centenas de anos.

Ah! E nunca ficou - nem os portugueses sob ele - a dever nada a ninguém! O mesmo, escusado será dizê-lo, afirmar dos que "em libardade" lhe sucederam.




De mujahedin a 29 de Abril de 2013
Correcção:

O mesmo, escusado será dizê-lo, se não pode afirmar dos que "em libardade" lhe sucederam.
De Inspector Jaap a 4 de Maio de 2013
Caro mujahedin , parabéns pelo oportuno comentário; de facto, por vezes, e sem tirar a razão ao Bic, é preciso pôr «os pontos nos is» e explicar a esses pobres coitados e indigentes que o pior cego é o que não quer ver; de resto, repare que, até no «nome», o indivíduo não se desmerece:
«Pobre como Job», não é assim? Este é tão pobre, tão pobre que até perdeu o b.
Cumpts
De Bic Laranja a 29 de Abril de 2013
Agradeço-lhe a generosidade de responder ao comentário, tanto mais penhorado porque a eu não teria com quem por cá passa com palas nos olhos e um calhau por cabeça.
Obrigado!
:)
De [s.n.] a 30 de Abril de 2013
Subscrevo palavra por palavra tudo quanto o comentador Mujahedin escreveu sobre o Dr. Salazar.
O meu pai foi um republicano dos pés à cabeça até ao dia que faleceu. Infelizmente não viveu o suficiente para ver a bandalheira em que se transformou o país graças à 'democracia' e aos escroques que a personificam às mil maravilhas.
Não sendo apologista do Estado Novo, o meu pai nunca disse uma palavra menos agradável a respeito do Dr. Salazar. Já adulta, por vezes interrogava-me sobre o porquê dele nunca ter criticado verdadeiramente o regime nem o seu mentor. Hoje sei o motivo. O meu
pai mantinha frequentes conversas sobre política com amigos republicanos. Também o fazia amiúde com o seu ortopedista, Prof. Vasconcelos Marques, que por simples coincidência um dos médicos particulares do Presidente do Conselho. Dessas trocas de impressões resultaram os elogios que uma ou outra vez tecia a respeito do Dr. Salazar.

Que Salazar mandava matar oposicionistas? Uma rotunda mentira. Quem o fez desde o dia 25/4 e não foram poucos os infelizes mortos à traição, foram os grandes democratas a todos quantos se opunham abertamente à política marxista que eles quiseram - e continuam a querer - instaurar no país.
Que Salazar mandava calar quem criticasse o regime? Novamente mentira. Quem desejasse podia fazê-lo à vontade, o que estava terminantemente proibido era conspirar ou atentar contra a Pátria. E ainda bem. Foi exactamente o que fizeram os marxistas e socialistas assim que alcançaram o poder. Carradas de razão tinha o Dr. Salazar em lhes barrar a entrada no país durante décadas. Veja-se no que deu assim que tal lhes foi permitido.
Que não havia liberdade no Estado Novo? Havia, sim senhor. O que não havia era libertinagem (nem droga, nem redes de pedofilia, nem tráfico de mulheres, crianças e orgãos, nem mega-corrupção da classe política, nem assaltos aos cofres do Estado pelos próprios governantes), o que é uma coisa totalmente diferente. Sendo esta a imagem degradante que ficará colada como grude ao presente regime e aos seus dirigentes, para todo o sempre.

O Dr. Salazar podia ter alguns defeitos e tê-los-ia de certeza. Mas possuía três qualidades supremas que suplantavam e anulavam todos aqueles. Era um político íntegro, um Patriota avant-la-lettre e um Governante superiormente inteligente, qualidades que, conjuntamente com mais algumas, lhe permitiam conhecer perfeitamente o povo (do qual ele provinha e também por isso) e governar para bem deste e do país. Eis as principais qualidades que
fazem um Estadista. E o Dr. Salazar foi-o sem sombra de dúvida. É por estas e por outras que os abutres que nos despedaçaram o país, continuam a dedicar-lhe um ódio de estimação tantos anos após o seu desaparecimento. Ódio este, sinónimo de inveja e ciúme (aquela, pela sua patriótica governação e este, porque o povo jamais o esquecerá) que os traidores nunca conseguirão ultrapassar por mais anos que vivam.
Maria

De mujahedin a 30 de Abril de 2013
Cara Maria,

sabe, eu não vi nada disso.

Não vivi o suficiente para conhecer outra coisa que não fosse a bandalheira. Quando nasci, já o FMI cá tinha vindo duas vezes em democracia. Oferece-se-me agora a oportunidade de testemunhar a terceira.
Não sendo republicano - nunca fui nem deixei de ser - também não sou saudosista: penso que até para um português, lhe é difícil ter saudades do que nunca teve, viu ou sentiu. Também não sou fascista - nunca conheci nenhum, nem nisso fui doutrinado.
Não sou rico, nem rico nasci. E apesar do sacrifício que fizeram meus pais para me prover com o necessário para que pudesse ganhar a vida - o que faço confortavelmente; tive, não obstante, que abandonar o país que me viu nascer e apartar-me dos que amo e estimo. Não sou, portanto, nem aristocrata nem burguês nem capitalista, nem o são meus pais, nem o eram meus avós.

Enfim, o que afirmo, afirmo-o partindo do que observo hoje em dia e da contraposição que faço dessas observações com os registos e elementos históricos que vou conhecendo, lendo e compreendendo. Limito-me a objectivamente extrair dessas comparações as conclusões que me parecem correctas e avisadas.
E as conclusões são por demais evidentes: do que se diz sobre esse regime e, sobretudo, sobre os que à cabeça lhe estavam e assim guiavam o país é em uma medida, ignorância papagueada; e em outra, calúnia infamante.
Por mais defeitos que tivessem - e que ínfimos parecem! comparados com os que quase caricaturalmente exibe quem, para nossa desgraça, hoje nos desgoverna - as suas obras são mais que suficientes para lhos eclipsarem, e para lhes fornecer (aos defeitos) a discreta irrelevância. Já das qualidades, há uma que brilha mais que todas as outras e que se não encontra no teatro de revista que é a hodierna política nacional: a honestidade. Tanta falta nos faz, e tão raro é hoje esse singular atributo do carácter na vida pública, que é suficiente a sua posse para tornar o proprietário digno do maior respeito e consideração.

Assim sendo, não sou fascista, nem saudosista, nem bolorento, nem burguês, nem capitalista, nem republicano. Sou apenas português. E como tal, não deixarei sem resposta os que, seja por que motivo fôr, vilipendiem aqueles a quem devo a réstia de dignidade ainda tenuamente associada a esse atributo de nacionalidade!

Não sei qual das desgraças a maior: se ver um país que progride e se desenvolve, devagar mas seguramente, mergulhar na desordem e na miséria moral e económica; se nesse estado de coisas nascer e nunca outra coisa ter conhecido por realidade...
De [s.n.] a 30 de Abril de 2013
Esta é a terceira vez que tento enviar um comentário em resposta ao seu comentário, mas por qualquer motivo têm-me fugido.

Que excelente pedaço de prosa. Muitos parabéns.
Tem graça, os seus sensatos e coerentes comentários (e justíssimos, ademais) relativos ao Estado Novo e ao seu Governante máximo, que não perco, faziam-me crer ser uma pessoa pelo menos já chegada à idade adulta no fim do Estado Novo. Mas vejo que não. Este facto só o enobrece por ser um português bem criado (isto é, bem educado pelos seus próximos) e sobretudo traduz as qualidades que identificam um verdadeiro patriota.

Mas voltarei ao assunto assim que o tema o justifique. Tenho alguma matéria que posso aqui descrever, em que é completamente impossível não elogiar o Estado Novo e não desacreditar em absoluto este regime de bandoleiros que somos infelizmente obrigados a suportar.
Maria

Comentar