28 comentários:
De Eduardo Petersen a 27 de Outubro de 2014
Fico contente por ver esta fotografia,bem como a do portão da quinta do alperche.
A quinta pertenceu ao meu bisavô Prof. Álvaro Raymundo Lopes Valladas, que nasceu na Quinta da Ladeira, onde vivia o seu pai, Engº Manuel Raymundo Lopes Valladas, e nela viveu até à sua morte em 1917, passando o meu tio avô Silvestre Bernardo Lima Valladas a viver nela até à expropriação, no princípio da década de 30. A minha tia avó, única pessoa que conheci, dava a indicação de que a casa principal se situava, como refere no blog, mais para onde é a R. Acúrcio das Neves.
Não tenho nenhuma fotografia da casa, e muito gostaria que ela aparecesse neste blog. tenho a ideia da minha tia avó se referir a ela como um palacete, que tinha nove janelas de sacada.
A casa que ainda hoje existe na R. do Garrido é a da quinta do alperce, que de facto não se confunde com a quinta do alperche.
Já agora, nesta foto, o muro ao lado direito do portão, ou seja, o muro que do lado direito define a calçada da Ladeira, era o da quinta da Ladeira? Penso que sim.
Obrigado.
Eduardo Petersen
De Bic Laranja a 29 de Outubro de 2014
Precioso comentário, que lhe muito agradeço.

Antes de mais, cuido que lhe interessará ref.ª ao seu avô no Arquivo Municipal a respeito da escritura de expropriação e indemnização da quinta dos prédios n.º 14 e 16 da Calçada da Ladeira. A data é 30 de Maio de1941.

Da quinta do Alperche não achei té agora senão um vislumbre da casa. Talvez ainda se venha a achar algo melhor...

O muro à direita era da quinta do Sabido, e não tenho agora a certeza se seria conhecida como quinta da Ladeira. Todavia pelos anos 20 ou 30 houve uma Soc. da Quinta da Ladeira com projectos de loteamento e urbanização dos domínios do tal Sabido, que tambem possuía a quinta do Casal Vistoso, ao Areeiro, além dum negócio de materiais de construção.

Cumpts.
De Eduardo Petersen a 29 de Outubro de 2014
Muitissimo obrigado, Bic Laranja, é de facto interessante a quitação. A minha tia-avó, mulher do Silvestre Bernardo Lima Valladas, falou-me de ambas as quintas quando eu era miúdo, e já faleceu há 30 e tal anos. Portanto fiquei só com essas memórias de infância e tinha a ideia da expropriação ser anterior.
Quanto ao vislumbre da casa, realmente é com muito esforço, já tinha visto esta fotografia e não encontrei nela a casa, mas vou ver melhor. A casa branca ao alto é que ainda hoje existe na R. Garrido?
Quanto à Quinta da Ladeira, não posso afirmar se ela pertenceu ao meu trisavô ou se era alugada, não seria normal. O meu trisavô nasceu em 1824, terá casado em 1842, uma outra vez mais tarde, e creio e morreu na última década do séc. XIX. Desta quinta só sei que tinha um lago e uma escadaria com três relógios de pé alto. A minha dúvida sobre se o muro do lado direito é o da Quinta da Ladeira é apenas porque, num mapa de Lisboa em 1930, que tenho, a Quinta da Ladeira é separada da Quinta do Alperche por uma rua, suponho que a Calçada ou Azinhaga da Ladeira.
Fico à espera de ver se alguém consegue contribuir com uma foto da casa principal do Alperche. As que eu tenho são de família, no exterior da casa, mas vêem-se apenas as pessoas sentadas num banco, com uma parede escura por trás, e nada se percebe da casa. Tenho ideia que a casa seria vermelha escura.
Muito obrigado.
Eduardo Petersen
De Bic Laranja a 29 de Outubro de 2014
A casa grande no alto é o Casal Vistoso, ao Areeiro. A casa da Quinta do Alperche é mais cá, quase a par duma fiada de casinhas que se vêem a meio da fotografia, mas do lado oposto da azinhaga. Fica algo recuada (para a dir.) do muro do caminho. Percebe-se vagamente um moinho de aerobomba para elevar água, mas tudo o resto só com boa vontade...
Obrigado eu!
De Maria ALMEIDA a 18 de Fevereiro de 2020
Se estiver interessado tenho dados e fotos da Quinta
De Bic Laranja a 1 de Março de 2020
Se nos puder esclarecer um pouco melhor, e se as fotografias ajudam, sim Obrigado!
Releeio os comentários acima e fico intrigado, porquanto o Sr. Petersen refere uma casa de nove janelas de sacada situada mais no plano da Azinhaga do Areeiro (ou da Rua José Acúrsio das Neves) e esta a que se refere que cuido seja sobranceira à Aleameda e algo recuada, tem seis janelas.
O Sr. Petersen também distingue as quintas do Alperce e do Alperche, o que me intriga, porque são sinónimos e o levantamento da planta de Lisboa de 1904-1911 (planta 12 L), não há duas, mas tão só uma quinta, designada do Alperche.
Relendo o que já vai dito e empreendendo novamente nesta questão, verifico que o Sr. Petersen distinguia, afinal, um talhão no canto SE da Quinta do Alperche com a qual confrontava a N e a O, confrontando a S com a Calçada da Ladeira e a E com um larguinho traseiro às primeiras casa da Rua do Garrido que se abria ao cimo das escadinhas da Calçada da Ladeira.
Pode perceber-se bem por aqui…
Cumpts.

Comentar