28 comentários:
De Eduardo Petersen a 29 de Outubro de 2014
Muitissimo obrigado, Bic Laranja, é de facto interessante a quitação. A minha tia-avó, mulher do Silvestre Bernardo Lima Valladas, falou-me de ambas as quintas quando eu era miúdo, e já faleceu há 30 e tal anos. Portanto fiquei só com essas memórias de infância e tinha a ideia da expropriação ser anterior.
Quanto ao vislumbre da casa, realmente é com muito esforço, já tinha visto esta fotografia e não encontrei nela a casa, mas vou ver melhor. A casa branca ao alto é que ainda hoje existe na R. Garrido?
Quanto à Quinta da Ladeira, não posso afirmar se ela pertenceu ao meu trisavô ou se era alugada, não seria normal. O meu trisavô nasceu em 1824, terá casado em 1842, uma outra vez mais tarde, e creio e morreu na última década do séc. XIX. Desta quinta só sei que tinha um lago e uma escadaria com três relógios de pé alto. A minha dúvida sobre se o muro do lado direito é o da Quinta da Ladeira é apenas porque, num mapa de Lisboa em 1930, que tenho, a Quinta da Ladeira é separada da Quinta do Alperche por uma rua, suponho que a Calçada ou Azinhaga da Ladeira.
Fico à espera de ver se alguém consegue contribuir com uma foto da casa principal do Alperche. As que eu tenho são de família, no exterior da casa, mas vêem-se apenas as pessoas sentadas num banco, com uma parede escura por trás, e nada se percebe da casa. Tenho ideia que a casa seria vermelha escura.
Muito obrigado.
Eduardo Petersen
De Bic Laranja a 29 de Outubro de 2014
A casa grande no alto é o Casal Vistoso, ao Areeiro. A casa da Quinta do Alperche é mais cá, quase a par duma fiada de casinhas que se vêem a meio da fotografia, mas do lado oposto da azinhaga. Fica algo recuada (para a dir.) do muro do caminho. Percebe-se vagamente um moinho de aerobomba para elevar água, mas tudo o resto só com boa vontade...
Obrigado eu!

Comentar