Segunda-feira, 6 de Maio de 2013

Do ensino primário oficial

 No verbete do analfabetismo do tempo de Salazar há um comentário acerca da fornalha Abrileira que derreteu a instrução pública em Portugal e um outro de quem se presume oriundo dessa fornalha e que discorda de se dever cotejar a antiga 4.ª classe com o que havemos hoje.
 Eu não me presumo da fornalha Abrileira, sou-o necessàriamente. De Outubro de 73 às férias da Páscoa de 74 só por engano havia de dar em «fachista»...
 Por ledo engano também, de certo, nutri antes, durante e depois do 25 de Abril um certo fascínio pelos livros de leitura da primeira e da segunda classe, livros únicos do oficialão Ensino Oficial -- «fachista», claro. Guardei-os sempre sem motivação de partidos e qui-los logo desde criança, vá lá entender-se, enquanto a democrática liberdade não teve tempo de substituí-los com ou até sem proveito antes de 76.
 Pois logo nesse ano que era o da minha terceira classe 1.ª fase do 2.º ano, o livrinho de leitura revelado pelo novíssimo regime lembra-me bem o seu nome: «Vento Novo»; uma baforada ideológica logo no título bufado às ventas de criancinhas de 8 anos, que era o que a livre democracia gastava então (hoje começa mais cedo). Nunca tive pulsão de conservar este como os outros, não sei dizer porquê. Talvez da liberdade... de o poder desprezar e deitar fora... Do livro da 4.ª classe, esse, nem o nome me ficou, muito por efeito da tal fornalha que começava a derreter-nos, às criancinhas de 9, já não na 4.ª classe (cousa antiquada), mas na pomposamente evoluída 2.ª fase do 2.º ano.
 Dou-lhe razão, porém, ao que discorda e afirma que devemos ponderar sèriamente as comparações de realidades tão derretidamente diversas. É por demais consabido que um homem é ele mesmo e as suas circunstâncias. Logo, um menino com a 4.ª classe em 1970 (ou mesmo eu em 1977) e um menino com o 4.º ano em 2013 não se hão nunca de haver de comparar sem rigorosa ponderação. Podia lá não ser!... O de 2013, além de 4 anos de meios dias na escola carrega na mochila outro tanto de segundos meios dias em actividades na escola muito doutrinadamente orientadas (nada de jogatana de bola ou correr o bairro a tocar às campainhas), a que somaremos a bem da liberdade e da democracia, mais três anos inteirinhos de jardim-escola ou «escolinha» com, não esquecendo, todas as respectivas actividades orientadas por educadeiras certificadas e necessárias viagens de finalistas no limiar do ingresso no ensino... primário.
 Havemos de admitir: dois democraticos ciclos de ensino pré e primário assim como se praticam em 2013, e em plena liberdade, equivalem no mínimo ao antigo 7.º ano dos liceus com talvez mais o propedêutico. Que pode alguém ser com a 4.ª classe de 1970 (ou mesmo de 1976/77) ao pé disto de agora senão um mono que aprendeu a ler, escrever e contar?!...
 Que espécie de gente anda a nação a criar agora é que eu não sei.


A Lengalenga e o Macaco de Rabo Cortado do Livro de Leitura da Segunda Classe...

(Revisto às 11h30 da manhã de 7.)

Escrito com Bic Laranja às 21:01
Verbete | comentar
14 comentários:
De Zephyrus a 7 de Maio de 2013
Exame da quarta classe de acordo com o aborto:

http://downloads.expresso.pt/expressoonline/PDF/PF-Port41-F1-2013-Cad1.pdf
De Bic Laranja a 7 de Maio de 2013
Nem abro a remissão, há-de perdoar-me.
Cumpts.
De Bic Laranja a 7 de Maio de 2013
Afinal fui lá espreitar, de marcador encarnado para dar os quinaus. Não avancei para da parte A que me fazia mal. O texto mutilado do Público tem redacção dum indigente:
« Berlengas, arquipélago de ilhas e rochedos com encostas muito inclinadas.»

Ora vai uma. Arquipélago aprendi na minha primária que haviam de ser ilhas, mas rochedos?!... Desde quando calhaus meios submersos deram em se designar como arquipélago?
Duas. Ilhas escarpadas, alcantiladas, penhascos, havia de lá poder ser! De «encostas muito inclinadas» é só para o que o vocabulário dá.
Mais indigente que o jornalista que redigiu o texto só o imbecil que concebeu a primeira pergunta mandando os meninos ordenar cinco frases pela ordem em que vinham no texto. Que se pretende avaliar? Se os meninos leram o texto da esquerda para a direita e do cimo para o fim da página...?
Credo!
Cumpts.
De Bic Laranja a 8 de Maio de 2013
... Arquipélago... havia de ser...
De [s.n.] a 8 de Maio de 2013
Não, não, pelo contrário e com o devido respeito, na proposição em causa, o primeiro termo verbal que empregou - "haviam" - está correctíssimo:))
Maria
De Bic Laranja a 8 de Maio de 2013
Na verdade varia.
Ilhas haviam de ser arquipélago. Arquipélago havia de ser ilhas, pois bem. Como a sintaxe me saiu desgarrada (como se falando alto) deu no que deu...
:) Cumpts.
De Bic Laranja a 8 de Maio de 2013
E em «ilhas escarpadas, alcantiladas, penhascos, havia de lá poder ser!» também tanto dá.
Se o sujeito da última oração são as ilhas escarpadas ou lá como são, haviam (elas) de lá poder ser!
Se o sujeito é indeterminado, havia (ele/isso) de lá poder ser!
Cçlaro que «haver lá de poder ser!» é maneira de dizer «era impossível que fosse» por uma figura de estylo que me agora não ocorre.
Cumpts.
De [s.n.] a 9 de Maio de 2013
Muito bem, mas não me expliquei como devia.
Uma vez que empregou vários substantivos e porque utilizou E BEM o verbo "haver" com o significado "ter", este pode e deve conjugar-se no plural (haviam/tinham) como foi o caso, assim concordando com os sujeitos que são mais do que um.

O mesmo se passa com o verbo Haver quando o quisermos substituir por Existir (que significa o mesmo) também este último, contràriamente ao primeiro, conjugar-se-á como qualquer outro regular.
(Este exemplo não é para sua informação, como calculará;) mas ùnicamente para quem tenha alguma dúvida sobre este verbo).

Todavia concordo totalmente consigo se quisermos tomar o sujeito (da/de uma oração) como indefinido ou abstracto e aproveitando o seu exemplo: Ilhas escarpadas, penhascos..., etc., ... UM disparate tal(daqueles), HAVIA de lá poder ser.
Maria
De Bic Laranja a 10 de Maio de 2013
Supponho que na forma que usei originalmente vingue a lição do Dr. Leite de Vasconcellos sobre uma lei de syntaxe chamada attracção.
:)
Cumpts.
De [s.n.] a 10 de Maio de 2013
Esta ligação não resulta:) e é pena. O Sapo alega que não se lhe pode aceder...
Maria
De Bic Laranja a 10 de Maio de 2013
... lei de syntaxe chamada atracção...
Obrigado pelo aviso.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____