Quarta-feira, 15 de Maio de 2013

Quinta dos Machados ou do Dr. Villaça

Quinta dos Machados ou do Dr. Villaça (M. Oliveira, 1955, A.F.C.M.L., A24574)
Vista aérea do B.ª da Madre de Deus a Alvalade (adaptação), Lisboa, c. 1955.
Mário de Oliveira. Arquivo Fotográfico da C.M.L., A24574.

Legenda:

A – Quinta dos Machados ou do Dr. Villaça (em sombreado); B – Quinta dos Machados (casal da mesma quinta, além do caminho de ferro, onde se vendiam ovos).

1 – Casa do Dr. Villaça (o «convento»); 2 – Caminho da casa (actual R. Faria de Vasconcelos) desde a Calçada da Picheleira; 3 –  Convento de Chelas; 4 – Horta da Maruja (onde o Metropolitano passa em viaduto sobre o vale e sai de/enfia debaixo do chão da Quinta do Armador); 5 – Quinta do Armador; 6 – Quinta das Olaias; 7 – Casal do Monte do Coxo; 8 – Areeiro; 9 – Bairro da Picheleira (antiga quinta do/da Porciúncula ou Casal dos Ladrões); 10 – Bairro da Madre de Deus.



 Pois é! Quando o estudo é apressado, a lição vem mal sabida.
 Quando me apressei a publicar «O convento» há dias, entusiasmado com uma fotografia de meia casa do Dr. Villaça, estudei mal os mapas do Levantamento da Planta de Lisboa (1904-1911) e saiu-me a afirmação descuidada de que para trás (Norte) confrontava esta quinta do Villaça com a dos Machados e esta por sua vez com a das Olaias...
 Errado!
 A Quinta do Villaça era a dos Machados. Já o lá emendei -- os mapas 12L, 13L e 13M são claros; em todos eles vem escrito Quinta dos Machados ou Quinta do [Dr.] Villaça.
 Bom! Pegando na vista aérea dos anos 50 que mostra esta quinta e muito mais, a quinta dos Machados era mais ou menos como se tira da imagem adaptada. Mas, e quem foi o Dr. Villaça?...
 No arquivo da C.M.L. acha-se um processo com sugestiva descrição -- Planta de alargamento e rectificação da calçada da Picheleira até à calçada do Teixeira, aprovado em sessão de Câmara de 11 de Fevereiro de 1904. A planta indica o terreno pertencente a Teodolinda Amélia Cristina Leça da Veiga Vilaça que cedeu gratuitamente para a via pública e a que se refere o seu requerimento designado pelo n.º 8510, que se encontra em anexo (PT/AMLSB/CMLSB/UROB-PU/09/02841). Mesmo sem consulta aos documentos, a pista é óbvia.

  Theodolinda Amelia Christina Leça da Veiga Villaça (ant. 1840 - ?) filha do comendador José Manoel da Veiga (*) (1794 - 1859) e de D.ª Maria Dorotheia da Veiga. Casou em 1860 na igreja de S. Bartolomeu do Beato com António Augusto de Sousa Azevedo Villaça (1830 - ? ) e era viva em 1904, a depreender do que consta no arquivo municipal. Teve uma filha, Joana Augusta Christina da Veiga Villaça (1862 - ?) que casou em 1886 com Augusto Cesar de Sousa. Viveu D. Theodolinda com seu marido na R. da Boa Vista 91, 2.º, freguesia de São Paulo, onde baptizaram a filha. Mudaram-se para a quinta dos Machados em data incerta («Genealogia de Reis de Lima Chaves», in My Heritage). Especulando eu, talvez entre a data do falecimento do pai (1859) e o nascimento de sua filha (1862).
 É verosímil que Quinta dos Machados fosse propriedade do pai de D.ª Theodolinda, o comendador José Manoel da Veiga, deduzindo de que se casou ele, tal como a filha veio a casar-se, na igreja do Beato, por ventura a paroquial mais chegada ao lugar da quinta. Não excluais porém a hipótese de a quinta vir à mão do Dr. Villaça sem ser pelo casamento com D.ª Theodolinda. Certo, certo, de toda a maneira, é que o nome de Villaça veio à quinta dos Machados por via do marido de D.ª Theodolinda, o bacharel de Direito António Augusto de Sousa Azevedo Villaça, dos Villaças da Rua do Terreiro em Barcelos (que é hoje a residência do D. Prior de Barcelos). Comendador, fidalgo da Casa Real, juiz de 1.ª Instância e advogado em Lisboa, o Dr. Villaça foi administrador do 2.º Bairro (**) da cidade de Lisboa (cf. António Júlio Limpo Trigueiros, «Família Leal Gonsalves e Barroso da Veiga», Geneall.net, 10/3/2003).
 D.ª Theodolinda publicou em Lisboa, em 1857, os Elementos de instrucção moral para uzo da Mocidade Portugueza. Dedicados a sua Alteza, a Senhora Infanta D. Maria Anna (Lisboa, F.X. Sousa, 1857). Innocencio faz-lhe menção no Diccionario Bibliographico Portuguez, bem assim como às obras de seu pai, Dr. José Manoel da Veiga. Deduzo que sr.ª D.ª Theodolinda tenha servido na Casa Real...
  Nada achei sobre a origem do nome dos Machados. Imagino se haverá alguma ligação ao visconde de Benagazil, da família dos Machados, e abastado proprietário e negociante grossista com quinta na Portela...
 Apesar da menção ao Dr. Villaça nos mapas do Levantamento da Planta de Lisboa (1904-1911), o nome da quinta dos Machados foi mais perene. Mas até ele se perdeu. Há tempos o sr. do café dizia-me com raro acerto que o nome da Encosta das Olaias era um engano; que as Olaias assentavam em chão doutra quinta: a dos Machados. É só meia verdade, mas é extraordinário que ele o soubesse. O centro comercial das Olaias e o clube estão, de feito, nas terras da Quinta das Olaias. Todavia o bloco do lado par da Rua Arantes de Oliveira, a Escola das Olaias e os prédios novos dos anos 70 nas franjas ao norte da Calçada da Picheleira estão no perímetro da esquecida quinta dos Machados. E mais verdade é ser o próprio arquivo municipal a encarregar-se de baralhar a memória. Uma entrada nos seus índices reza assim:

Urbanização das Olaias: quinta dos Machados (1966)
— Seabra, António Francisco Cruz Carmona Saragga
— Gonçalves, Eurico Ferreira. 1916-2005, engenheiro civil.
 Âmbito e conteúdo: Projecto de urbanização das Olaias, na quinta dos Machados, situado na chamada zona marginal à calçada da Picheleira. Inclui a memória descritiva, anuncio [sic] do concurso, programa, caderno de encargos, prescricções especiais, características, cálculo de colectores, de volumes, medições, mapa de trabalhos e orçamento, planta de pavimentos, de esgotos e bacias hidrográficas, perfis longitudinais, caixas de inspecção e queda para cano de manilhas, planta de sargeta [sic] de boca com sifão, caixa com cifão [sic] interceptor, perfis transversais, perfis tipo e planta da sargeta de grade com sifão.
(PT/AMLSB/CMLSB/UROB-PU/10/293, sublinhado meu.)

 Dizer projecto de urbanização das Olaias na quinta dos Machados é o mesmo que dizer projecto de urbanização do Rossio na Praça da Figueira. A memória é curta, confunde-se na bruma do tempo e cristaliza nas peneiras. O resultado não ficou famoso, como atesta o célebre caso da jovem que, morando na Picheleira, deu em crer que morava nas Olaias sul depois de edificada a chique Encosta das ditas à margem do velho bairro. O corolário é a osmose da Picheleira nas Olaias e/ou vice-versa num conceito geral, hoje... Salvou-se da fama a quinta dos Machados, valha-lhe o esquecimento.
 Pois tornando a ela e para acabar.
 A única filha de D.ª Theodolinda e do Dr. Villaça, a D.ª Joana Augusta Villaça de Sousa casou em 1886 com Augusto Cesar de Sousa (n. 1858). Sei que estava viúva em Agosto de 1900. Dos netos do Dr. Villaça e de D.ª Theodolinda -- D.ª Maria Victoria Villaça de Sousa, D.ª Luzia Villaça de Sousa Freire de Meneses, José Villaça de Sousa e Augusto Villaça de Sousa -- não sei se herdaram, venderam ou lhes foi expropriada a quinta dos Machados. Dela (da quinta), como contei, só conheci a ruína a que a rapaziada chamava «convento» e o casal além do caminho de ferro (que cuidei fosse doutra quinta), onde ia com a minha mãe aos ovos.


(*) Jurisconsulto. Recebeu ordenação sacerdotal mas alcançou dispensa da Santa Sé para poder casar. Dedicou-se à advocacia em Lisboa e redigiu o Código Penal publicado em 1837 por Passos Manuel (M.ª de Fátima Bonifácio (ed.), Memórias do Duque de Palmela, 1.ª ed. Alfragide, Dom Quixote, 2011, p. 333).
(**) Em 1890 incluía a Conceição Nova, Encarnação, Madalena, Mártires, Pena, Sacramento, Santa Justa, S. Jorge de Arroios, S. José, S. Julião e S. Nicolau (Augusto Vieira da Silva, Dispersos, vol. II., 2.ª ed., Lisboa, C.M.L., 1985, p. 75.

(Revisto ao meio dia e vinte de 16.)

Escrito com Bic Laranja às 20:58
Verbete | comentar
10 comentários:
De Agostinho Paiva Sobreira a 22 de Maio de 2013
Caro BicLaranja - Apreciei imenso este documento histórico da "Quinta dos Machados". É uma pena os leitores não se manifestarem a um trabalho que certamente lhe "tirou" muitas horas do seu descanso. Possivelmente nem todos os leitores gostam de história ou assuntos deste género, têm a percepção de que o seu comentário poderá eventualmente destorcer o assunto. Sei que não é fácil comentar, mas uma boa palavra é um bom incentivo para a continuidade de um trabalho. Um abraço APS
De Bic Laranja a 22 de Maio de 2013
Muito obrigado! O seu comentário é muito motivador e deveras amável.
O tempo que gastei (fui gastando) na composição foi mais de gozo pela descoberta, redescoberta e recordação e só isso já mo dava por bem aplicado, mas não escondo que receber o seu incentivo e agrado pelo que consegui publicar é muito gratificante.
Cumpts.
De José Vilaça da Silva a 19 de Junho de 2017
É realmente interessante o seu artigo, particularmente para um descendente da família. Não da filha Joana que refere, mas da sua irmã Maria Augusta que casou com o Coronel Pereira da Silva.
Obrigado pela sua investigação.
De Bic Laranja a 19 de Junho de 2017
Obrigado eu do seu interesse. É-me gratificante.
Cumpts. :)
De [s.n.] a 19 de Junho de 2017
Completando o que escrevi: António Augusto de Sousa Azevedo Villaça teve do mesmo casamento uma segunda filha: a D. Maria Augusta Amélia Leça da Veiga Villaça que casou com o Coronel José Maria Pereira da Silva. Tiveram cinco filhos: Álvaro Augusto Villaça da Silva, Manuel Henrique Villaça da Silva, Susana Amélia Villaça da Silva, Maria José Villaça da Silva e José Carlos Vilaça da Silva (retirou um “l” ao nome). Destes só o último teve filhos, do casamento com Nazária Lívia Vidal da Silva Vilaça da Silva
De Bic Laranja a 20 de Junho de 2017
«Escavei» os dados genealógicos desta pesquisa na Internete, por curiosidade. Não sei por que conclui ser D. Joana ser a única filha do Dr. Villaça. Está visto que não foi. Agradeço-lhe a emenda e o contributo.
Cumpts.
De Julião Henriques a 23 de Janeiro de 2018
Artigo muito bem redigido e com investigação prévia. Gostaria de referir que o Dr. António Augusto Azevedo Vilaça e a D. Teodolinda Leça da Veiga tiveram um filho, Sebastião Silvério da Veiga Vilaça, que nasceu e faleceu em 1866, na dita quinta dos Machados.
O Dr. faleceu em 28 de Abril de 1896, com 65 anos.
Sou descendente por parte de Maria Vitória Vilaça de Sousa Costa, minha avó materna, nascida em 1887 e que casou com Raul Leão Sales Costa.
De Bic Laranja a 27 de Janeiro de 2018
Muito obrigado do apreço. E muito obrigado dos elementos que aduz, que enriquecem o verbete.

Cumpts.
De José Vilaça da Silva a 29 de Dezembro de 2019
Permita-me a seguinte retificação/complemento: D. Teodolinda Amélia Cristina Leça da Veiga (Encarnação (Lisboa), 1 de Junho de 1837 - Beato (Lisboa), 25 de Dezembro de 1911) foi uma escritora portuguesa do século XIX.
Casa em 5 de Maio de 1860 com o Dr. António Augusto de Sousa Azevedo Vilaça (1830-1896), médico, na Igreja Paroquial de São Bartolomeu do Beato, em Xabregas, Lisboa[1]. Desta união resultaram quatro filhos: Joana Augusta Cristina da Veiga Vilaça, (São Paulo (Lisboa), 3 de Janeiro de 1862[1] - São Sebastião da Pedreira (Lisboa), 6 de Agosto de 1925), que casou com Augusto César de Sousa; Luís Martins Vilaça Júnior (Conceição Nova (Lisboa), 12 de Fevereiro de 1864 - Beato (Lisboa), 25 de Março de 1869); Sebastião Silvério da Veiga Vilaça (Beato (Lisboa), 20 de Junho de 1866 - Beato (Lisboa), 4 de Dezembro de 1866) e Maria Augusta Amélia da Veiga Vilaça (Beato (Lisboa), 5 de Janeiro de 1872 - Carnaxide (Oeiras), 2 de Maio de 1960), que casou com José Maria Pereira da Silva.
De Bic Laranja a 29 de Dezembro de 2019
Mais uma vez lhe agradeço o contributo. A genealogia vai-se compondo.

Anno bom!

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____