Quinta-feira, 1 de Agosto de 2013

Os intendentes do caco gráfico

 Os srs. deputados da intendência ao desatino ortográfico (Grupo de Trabalho para Acompanhamento da Aplicação do Acordo Ortográfico foi o nome prolixo que arranjaram) lá espremeram o sumarento desconchavo em duas dúzias de páginas. Doze audições a acorditas e seis audiências a gente mais avisada deram nuns parágrafos a retalho atamancados à pressa antes de fecharem a tabanca para férias. Aí temos um relatório assim-assim. De quem vem não houvera de esperar melhor coisa. Vale o relatório desde logo de exemplo da cacografia  em vigor por não ser nem deixar de ser em «acordês»; é nisso, pois, retrato fiel do que muitos avisaram mas uns quantos mais modernaços não quiseram saber. Dos 71 erros que lhe contei de português, umas dezenas lhe teria de apontar na mesma se seguisse eu o «acordês». Se falta dela houvesse, aí está a prova do caos ortográfico instalado.
 Hei-de ir trocando cá o relatório por miúdos mais adiante. Agora entretenho-me a catar-lhe umas alcagoitas meias salgadas e deveras peremptórias no ponto 5 -- Aplicação do Acordo. Convém salientá-las, justamente por virem preto no branco onde vêm: num relatório oficial dos srs. deputados à Assembleia.
 O vocabulário ortográfico comum (V.O.C.) previsto no tratado do Acordo Ortográfico (art. 2.º) é uma miragem. É oficial e agora está escrito: havia de ser elaborado pelas Academias Portuguesa e Brasileira com a colaboração de instituições doutros países, mas tal nunca aconteceu (p. 19). Ainda assim, sucede que perante tão assertiva expressão do descaso do clausulado essencial do próprio Acordo vêm a diante os srs. deputados dizer irracionalmente, após um sintomático enunciado de vocabulários extravagantes, que o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entrou internacionalmente em vigor em Janeiro de 2007 (p. 21) !...
 Os extravagantes vocabulários e dicionários foram sendo publicados avulsos por este e aquele a despeito da letra do Acordo. É assim que achamos todos à uma, à procura de abocanhar o maior quinhão do negócio dos dicionários e dos livros da escola. Se os deixam, trincam-se uns aos outros como canibais.
 É como a coisa vai. Os srs. deputados dizem-no, mas dar-se-ão conta da gravidade?

  •  A Academia Brasileira apresentou uma nova versão do V.O.L.P. em 2009 [em que] não foram consultados especialistas portugueses. (A xenofobia não mora lá, são só eles que se bastam a si mesmos no que respeita ao meu idioma...)
  • Da mesma maneira o Vocabulário Ortográfico do Português (V.O.P.) do I.L.T.E.C. foi oficial em Portugal por necessidade premente do responsável da área cultural  XVII.º governo enquanto escoiceava o presidente da Academia das Ciências de Lisboa, por lei o órgão de consulta do governo em matéria da língua. (Como a lei é caprichosa à mão de certas bestas...)
  • Soma-se o vocabulário da Porto com orientaçao científica do Professor João Malaca Casteleiro (coisa nunca antes vista na Academia das Ciências), obra com mais de cento e oitenta mil vocábulos da variante europeia [se a 'europeia' é variante, onde se achará então a matriz do português?] e, ainda, mais de cinco mil vocábulos  próprios do português do Brasil, assim como africanismos, asiaticismos e galeguismos, nomes próprios e topónimos. (Topónimos não são nomes próprios?!)

 Uma miríade de instrumentos de trabalho, ou vocabulários sem nada em comum senão que todos juntos não fazem um de jeito, pelas incoerências do postulado acordita, por erros ou disparidades na sua interpretação, por desgarradas soluções ad-hoc em que cada um e todos são génios a inventar a roda. De repente há uma série de filólogos saídos de debaixo das pedras andando para aí à toa, é o que é.
 A jusante de tudo, o famigerado Lince decepa a esmo e a eito o português e divorcia, com aval do Estado, qualquer autor dos seus próprios textos. E os srs. deputados fazem-lhe a (in)devida publicidade, não sei se se deram conta: o Lince é uma ferramenta de apoio à aplicação do A.O. que permite uma rápida adaptação às novas regras. Regras que lhes é indiferente serem boas ou nefastas, nem tão pouco que alguém as aprenda ou não. Importa é encomendarmo-nos todos ao grande timoneiro Lince financiado pelo Fundo da Língua Portuguesa e disponibilizado gratuitamente para todo o país, e fazermos colectivamente a revolução cultural. -- Como pode todavia sair gratuita ao país uma coisa  financiada por quem é não entendo eu.
 Entretanto (ou finalmente) o Instituto Internacional da Língua Portuguesa (I.I.L.P.) está a elaborar o V.O.C., com uma previsibilidade [i.é, uma possibilidade de previsão] para finalização do trabalho em 2014. Porém, já houve atrasos, o que pode indiciar que não esteja pronto nessa data. -- Não disse eu que a previsibilidade era uma possibilidade de previsão? Cá está. -- Soma-se que o financiamento do I.I.L.P. secou por calotes vários e consta que o maior é o do Brasil. Isto os srs. deputados omitem. O que preferem dizer é que Angola acabou de financiar os recursos [financiar os recursos?!...] para finalizar o Vocabulário Ortográfico Comum.
 Quer a final dizer que será em 2014 que vamos ter cuanzas kwanzas a valer no português?... -- Foi desta profecia que o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entrou internacionalmente em vigor em Janeiro de 2007 ?!...

(Carta devolvida hoje.)

Escrito com Bic Laranja às 19:10
Verbete | comentar
11 comentários:
De Luar a 3 de Agosto de 2013 às 12:39
Se eu tivesse visto antes....
De Bic Laranja a 3 de Agosto de 2013 às 16:23
É guardar para a D.G. das contribuições e impostos.
Cumpts.
De [s.n.] a 3 de Agosto de 2013 às 18:22
Passo diàriamente e até mais do que uma vez, por esta ilustre casa à procura de novidades temáticas. Neste caso específico, de cada vez que aqui venho e olho para os dizeres na "carta devolvida por mau português", sorrio e volto a sorrir, sinceramente. Gabo-lhe a paciência (sem ironia), mas sobretudo felicito o seu sentido de oportunidade. Será único, suponho, nesta empresa mais do que patriótica.
Maria
De Bic Laranja a 3 de Agosto de 2013 às 22:50
Paciência seria contemporizar. Não havia de ser o único, é pena.
Os cuidados em que me vejo de me espezinharem o ser, morreria deles se não reagisse. Ou sou português ou sou português. Tertium non datur.
Cumpts.
De [s.n.] a 4 de Agosto de 2013 às 23:48
Admirava-me é que os responsáveis dessem alguma importância às suas - a par das de muitos milhares de portugueses - indignadas e justíssimas reclamações. Mas lá diz o povo, água mole em pedra dura tanto bate até que fura.

Na verdade essas suas palavras (acertadíssimas) no envelope devolvido, por uma associação d'ideias fizeram vir-me à memória algumas estrofes de uma canção famosíssima do Elvis, as qais, com ligeiras laterações, bem podiam ser as inseridas no envelope:

"...

(... then
early this morning
(I) They got my letter back)
...
(She)I wrote upon it
Return to sender
Address unknown
No such number
No such road...

---------
Maria

De [s.n.] a 4 de Agosto de 2013 às 23:51
Na realidade e mais concretamente: "They got THEIR letter back"...
Maria
De Bic Laranja a 5 de Agosto de 2013 às 12:19
De Galizes a 3 de Agosto de 2013 às 21:45
Quanto à pergunta "onde se encontra a matriz da Língua portuguesa?" a resposta é: a matriz encontra-se em Portugal, pois a "variante" a que se referem é que é europeia e não portuguesa. Há uma variante a que chamam "brasileira" e não sul-americana, no momento em que houver outras variantes não serão 'africanas' ou 'asiáticas', mas, sim, com a designação do gentílico de cada país de Língua portuguesa. Então, por que será que a forma de escrever ou falar a Língua portuguesa em Portugal precisará de ter o epíteto de "europeia"?
De Bic Laranja a 3 de Agosto de 2013 às 22:59
Não precisa, aí está.
Todavia, se o bem entendo, só há uma variante europeia da matriz portuguesa se o português for variante de si.
Está bom de ver que não tem sentido.
Nem tem sentido sequer aplicar esse epíteto de variantes. Há português e mais nada. Com subsídios de muitos idiomas e dialectos naturais em toda a extensão geográfica onde é falado.
O chamado português brasileiro é um dialecto (são vários mas...) a caminho dum crioulo (ou vários, especialmente na boca do povo e bênção de certos nacional-socialistas tropicais). Em se emancipando (que é dizer em se não conformando à gramática do português) ter-lhe-ão de pôr algum nome, pois que português já não será (a menos que dos trópicos nos esbulhem o nome do idioma também; ele já faltou mais, com o beneplácito da corja que tomou de assalto Portugal).
Esta mania de os brasileiros escreverem à sua maneira sem se conformarem à dos portugueses é um problema deles. Sempre foi. Se está mal resolvido por que hão os portugueses de ter de o resolver (que não se resolve)?
Cumpts.
De Inspector Jaap a 6 de Agosto de 2013 às 12:54
Ora aí está, simples e eficaz, como sempre e como tudo o que tem conteúdo; o drama é que ele há postulados de base que certos cérebros não conseguem compreender e pronto! E nós é que temos que gramar isto; sem o fulgor intelectual do caro Bic, eu também participo na resistência com a minha modesta contribuição, e também tenho a certeza de que tal é extensivo a muitos portugueses dignos desse nome, alguns dos quais serão nossos irmãos de armas neste quartel que é o seu blogo, e em que nos preparamos para a batalha final; eu, por mim, NUNCA desistirei de me considerar português na minha terra; esses malditos párias é que estão cá a mais; ai que pena a lei do aborto não ter entrado em vigor há uns anos; tenho a certeza de que muitos deles nunca teriam nascido.
Calorosos cumprimentos
De Bic Laranja a 6 de Agosto de 2013 às 23:49
Obrigado!

Comentar

Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____