Sábado, 10 de Agosto de 2013

Cacografia escolar: factos e argumentos

 O relatório dos intendentes parlamentares ao caco gráfico gasta uma página A4 a expor a agenda da passagem da cacografia do governo aos livros da escola (pp. 21-22). A burrice vai a meio do curso; iniciou-se em 2011/12 para ter cabo em 2014/15 e os srs. deputados não há maneira de a atalharem. O desatino só tende para o absurdo...
 Em o querendo, podem ater-se ao que escreveram em 5.2 — A Intervenção no Sistema Educativo: […] Nas audições/audiências realizadas surgiram opiniões contraditórias (p. 22) — e reflectir no que somaram ao relatório a título de opiniões e no que são, na realidade, os factos.
 Os manuais publicados com as regras do Acordo [que] apresentam grafias diferentes (p. 22) são factos, verificados por professores e sem contradição de acorditas. É mais um reflexo do caos ortográfico criado e sobejamente corroborado na redacção cacográfica do Diário da República e do próprio relatório da intendência ao desatino ortográfico. É só mais um reflexo, mas muito grave, pois sucede onde é mais devastador: em livros de estudo.
 Outro facto é o desagrado geral de alunos, pais e professores com a insciente reforma ortográfica (que ninguém pediu), veementemente manifestado em tempo oportuno por queixas ao Ministério, recebidas com menoscabo pelo Ministro.
 O desagrado não é capricho, é o sentir geral da nação, sustentado em pareceres e comentários técnico-científicos sobre Acordo Ortográfico, laboriosamente esquecidos nas secretarias do Estado… Entre eles acha-se um da Direcção Geral do Ensino Básico e Secundário, do próprio Ministério da Educação. Tal é o descaso.
 Esse desagrado foi sempre escamoteado pelo Ministério e pelos acorditas de plantão, como ainda agora se vê no relatório, no opinar inculpando pais por interferirem junto dos educandos, o que acaba por prejudicar a aprendizagem (p. 22). Ora só num Estado totalitário se há-de negar aos pais acção própria no orientar da educação dos filhos. Só a burocracia kafkiana dum Estado totalitário, enfim, para subjugar professores no ensino, não ao que seja cientificamente correcto, mas àquilo que o dito Estado quer impor como doutrina.
 Daqui que uma frasezinha ali metida no relatório — a transição tem sido feita sem dificuldades de maior, na opinião do Ministério (p. 22) haja necessariamente de ter de ser sopesada por inteiro. Porém, à míngua de estudo sério cabula-se a opinião do Ministério!
 Do mesmo modo, a parte que se lhe segue, — dos editores foi avançada a informação de que o processo está a desenrolar-se na normalidade, e que voltar atrás seria um desastre político e económicotambém é imperativo pô-la em contexto. Quem, dos editores, foi ouvido pelos srs. deputados e se referiu em termos de desastre à anulação agora do desatino ortográfico foi somente o sr. eng.º Vasco Teixeira, administrador da Porto Editora. Que se saiba não fala por todos os editores, pois há vários que declararam não seguir o Acordo Ortográfico. Mas ouçamo-lo. Ainda assim merece a pena. O seu depoimento foi gravado e acha-se transcrito nas páginas da I.L.C. e nele ficamos a saber ipsis verbis que

 […] o Ministério da Educação teve o bom senso [algum lhe havia de sobrar] de articular com os editores um plano relativamente alargado e faseado que permitiu que não se destruíssem stocks — e quando digo stocks, são stocks dos editores, stocks das livrarias, stocks que estão em casa dos pais e que se aproveitam e que por isso houve um plano - que ainda está em curso, acaba só em [2014/15].
(Vasco Teixeira, administrador da Porto Editora, em audição pelos Deputados do Grupo de Trabalho de Acompanhamento da Aplicação do Acordo Ortográfico da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Assembleia da República, 14/III/2013, p. 2, apud  I.L.C., 26/II/2013.)

 Pela estimativa deste senhor foram 2-4 milhões de euros despendidos neste trabalho. Mas atenção: os manuais são revistos de x em x anos (li não sei onde ainda ontem que o estão a ser em cada ano por razões doutra esp€cie…) pelo que o dispêndio pouco mais parece ser do que o custo rotineiro deste processo.
 E diz mais:

 Portugal cometeu o erro estratégico tremendo de avançar com a votação do acordo sem garantir que Angola e Moçambique avançavam ao mesmo tempo. Isso faz com que neste momento os editores portugueses tenham que escrever os livros que estão a fazer para Angola e Moçambique e há vários editores: nós, a Texto Editora e outros a trabalhar em livros para Angola e Moçambique, livros escolares mas não só — os tenham de fazer em duas versões. (Id., p. 1, ibid.)

 Ora bem, o erro estratégico tremendo da cisão ortográfica com Angola e Moçambique não é dado nem achado como desastre político e económico? Isto surpreende! Tanto mais que não é indiferente nos custos, porque se eu — disse Vasco Teixeira — tiver que fazer duas versões diferentes, para Portugal e para Angola ou Moçambique […] vai afectar os custos e a gestão dos stocks!
 Pois pasme-se: sendo isto dito assim, ressalva o relatório unicamente que — voltar atrás, isso sim, é que seria desastre económico!
 
Mas não é só. Pasme-se de novo: o tal desastre económico é, afinal, perfeitamente sofrível:

 Quando eu referi o desastre, uma incapacidade de retroceder, como é óbvio eu… não queria dizer que era uma impossibilidade. O que eu acho é que para além dos custos — e diria os custos dos editores não é o que me preocupa muito, devo‑lhes dizer, porque a gente já assumiu esses custos neste trabalho e assumi‑lo‑íamos sem problema ou assumi-lo-emos se for considerado isso conveniente — a reverter o acordo… o que eu acho é que se dariam vários passos atrás num processo que já se iniciou em 1990 […] (Id., p. 1, ibid.)

 E além dos custos pouco preocupantes, reverter o acordo é simplesmente… darem-se passos atrás. Darem-se passos atrás, ponto. Num processo que... andava a aboborar desde 1990, é só. Passos tanto mais certos porquanto é evidente que o que se iniciou em 1990 foi um desastre político, materializado na leviandade quase criminosa com que o assunto foi tocado diante de 2008 para cá [1].
 Pois para um processo que no relatório dos srs. deputados se diz estar a desenrolar-se na normalidade, nada mais anormal do que a absurda normalidade duma teimosa anormalidade.
 Eis o Acordo Ortográfico.

Arte & Emoção.
(Imagem da R.T.P., programa «Arte & Emoção».)




[1] Em detalhe, na ratificação apressada e seu humilhante anúncio («Quando fui ao Brasil em 2008, face à pressão que então se fazia sentir no Brasil, o Governo português disse-me que podia e devia anunciar a ratificação do acordo [ortográfico], o que fiz.» Cavaco Silva sobre o seu papel na ratificação do Acordo Ortográfico («Cavaco elogia Acordo Ortográfico mas confessa que em casa ainda escreve à moda antiga», Público, 22/V/2012); na cega aprovação da Resolução n.º 35/2008 na Assembleia; já para não falar do perfeito descaso jurídico da Resolução do Conselho de Ministros n.º 8/2011 contrariando dois decretos-lei (Decr. 35:228, de 8 de Dezembro de 1945 e D.L. 32/73, de 6 de Fevereiro) pretensamente a cavalo dum tratado internacional não ratificado pelas oito partes signatárias, nulo, portanto (cf. J. Faria Costa e F. Ferreira de Almeida, «O chamado ‘novo acordo ortográfico’: um descaso político e jurídico», D.N., 13/2/12), ou do errático Aviso n.º 255/2010 do M.N.E., de 17/9, dando o Acordo Ortográfico como estando em vigor desde 13/5/2009, um ano e quatro meses antes de publicado o seu anúncio no Diário da República.

(Revisto à 1h00 da tarde.)

Escrito com Bic Laranja às 07:03
Verbete | comentar
8 comentários:
De JPG a 11 de Agosto de 2013 às 16:05
Seria virtualmente impossível ou, pelo menos, muitíssimo difícil arrolar todas as "inverdades" (vulgo, patranhas) debitadas por acordistas militantes (e profissionais) nas diversas "audições"*** deste GT.

As questões relacionadas com editoras procedem tanto como os aspectos técnicos (ortográficos) de um acordo que o não é e que de ortográfico nada tem. Ou seja, são falsas questões em ambas as vertentes.

Artur Anselmo sintetizou numa frase singela o AO90 , aquilo de que se trata efectivamente: [o Governo da altura] «decidiu, com argumento político, pôr em vigor imediatamente o Acordo. Sem ouvir ninguém.»

É isto e só isto, parece-me.

[*** A diferença (óbvia) entre "audiência" e "audição" é que no primeiro caso é a pedido dos interessados e no segundo a convite dos deputados. E até nesta nada misteriosa subtileza terminológica se detecta o intrínseco falhanço do AO90 : todas as audiências foram de anti acordistas enquanto que todas as audições foram de acordistas ; ou seja, é preciso chamar os poucos que existem, um a um, para encontrar alguém que se diga a favor de semelhante porcaria.]
De Bic Laranja a 11 de Agosto de 2013 às 20:57
Bem certo. E da colecção de mentiras descaradas que põem a correr não há uma não seja desmascarada em menos de um fósforo. Mas também é bem certo que as provas das mentiras se ficam quase só entre nós porque nenhuma televisão lhe pega.
Televisões e editores são todos farinha do mesmo saco. Uma gente de vida fácil sempre a roçar-se no poder, a mamar nos nossos impostos. Também neste pormenor Vasco Teixeira se desbroncou:
«[...] fomos contra o acordo até ao momento em que o acordo foi oficial, digamos assim, a partir do momento em que ele passa a ser validado pelas entidades do nosso país, nós entendemos que o nosso papel é cumprir aquilo que os políticos e que os legisladores decidiram [...]»

O negócio livresco com o Ministério da Educação faz muito arranjo, não é verdade?!...

Cumpts
De Inspector Jaap a 12 de Agosto de 2013 às 21:52
Mas pensa o caro Bic que isso lhes importa alguma coisa? Isso é gente que não existe, só que ainda não sabe; sabê-lo-á quando a teta (feminino de teto para essas abéculas) secar; aí irão verificar que ninguém dará pela sua falta, a não ser no «mocho» que é o sítio onde TODOS eles se deveriam sentar, quando a borrasca passar, esses biltres; se fossem estrangeiros a fazer tal, seria caso para entrarmos em guerra, mas, para isso, é preciso «tê-los» e isso é apanágio de um punhado restrito de portugueses, muitos dos quais se podem encontrar aqui, neste espaço, de que muito me orgulho
Cumpts
De Bic Laranja a 13 de Agosto de 2013 às 11:18
Grato pelo apreço.
Cumpts.
De Sc a 17 de Agosto de 2013 às 19:59
"Então, podemos perceber que a escrita não depende da língua em uso, mas de decisões tomadas por alguns estudiosos da língua, segundo interesses sócio-políticos de uma nação"
Marcia Sandri - que parece ser linguísta.
A coisa está na "net" numa revista que se chama "Nosso Estilo"

Não será muito ousado pensar que este pensamento não é uma originalidade de Sandri.
De Bic Laranja a 20 de Agosto de 2013 às 12:55
Outra estudiosa de nomeada é a Maria Machadão. Emparelham bem.
Cumpts.
De Pedro Pinto a 18 de Setembro de 2013 às 23:56
É necessário rever o texto e corrigir os erros que passaram.
De Bic Laranja a 19 de Setembro de 2013 às 19:59
Obrigado.
Cumpts.

Comentar

Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____