Quarta-feira, 8 de Janeiro de 2014

...

 O exame previo do Estado Novo -- ou censura como preferem os ciosos antifascistas -- tem costas largas. A verdade é que as omissões dos democratas, ainda durante o Estado Novo e depois d'elle, sommadas ao ruido distractor, deram e dão no mesmo: censura deliberada e ludibrio descarado de opinião pública.
 A III.ª Republica é tão ou mais censoria que o Estado Novo. Peor; acoberta-se na imperiosa Liberdade para passar por democracia. Um logro em todas as medidas.
 Na Porta da Loja publicam-se paginas d'O Seculo e do Republica com retrospectiva do anno de 1973. Graças ao exame previo, e independentemente d'elle, cada jornal abafava o que não agradava á sua linha editorial: -- o Republica alardeava os actos da opposição ao govêrno em extensos paragraphos, mas os successos adversos á sua lucta dava-os de raspão; assim, o caso da capella do Rato valeu columna e meia [inteira] de jornal, em quanto a eliminação do Amilcar Cabral pelos proprios camaradas do P.A.I.G.C. foi mettida n'uma phrasezinha, não mais. -- O Seculo, por seu lado, mencionava (bem) a visita de Marcello Caetano á Inglaterra, como retribuição da visita a Portugal do principe Philippe pelos 600 annos da Alliança Luso-Britannica; não dava conta da manifestação internacionalista contra Portugal nem das diatribes do padre Hastings ou de Mário Soares nessa occasião, em Londres.

República (Dez. de 1973)

 Vê-se que havia mais censores e mais fórmas de censura, que não o conhecido exame previo do govêrno, mas hoje ninguem o diz...
 Recorda-me a proposito do prof. Marcello Caetano pouco depois, em Março de 1974, commentando mais um ruidoso clamor da opposição (sempre sonnante, apesar do exame previo) sôbre notícias que havia ou deixava de haver ácerca da intentona das Caldas:

 Há por aí frequentes queixumes de que não temos por cá uma informação completa. Nada, porém, que de verdadeiro se passa que ao público interesse, deixa de ser trazido ao conhecimento dele.

 Pois bem. Da triumphal informação completa parida como cravos em G3, alguem diga se por ventura ouviu notícia d'este passado caso:

 Nos primeiros dias de Outubro [de 2013], ocorreu uma situação assaz grave no Centro de Tropas Comando, na Carregueira [...] O caso conta-se em poucas linhas. Naquela noite, dois praças entraram no gabinete do oficial de dia e agrediram violentamente o capitão que estava de serviço.

Ten.-Cor. Brandão Ferreira, «Acontecimento grave no seio das Forças Armadas», in O Adamastor, 13/XII/2013.

 A censura acabou, não dizem? Portugal tambem.


Prof. Marcello Caetano, Conversas em Família (R.T.P., 1969-74)


Imagens: jornal República, in Porta da Loja; prof. Marcello Caetano, in Praça da República.

Escrito com Bic Laranja às 21:30
Verbete | comentar
25 comentários:
De Costa a 8 de Janeiro de 2014
No Público, em data bem próxima do Natal passado. Desgraçadamente não a saberei indicar.

Cumprimentos,
Costa
De Bic Laranja a 8 de Janeiro de 2014
Se se refere ao motim no «hotel» do Isaltino, não é o mesmo caso.
O que aqui refiro é de indisciplina grave nas fileiras do exército; agressão de dois praças a um capitão. Leia o que escreveu o Ten.-Coronel Brandão Ferreira, por favor.
Cumpts.
De Costa a 9 de Janeiro de 2014
Refiro-me precisamente a essa crónica. Foi publicada nesse jornal. De noticiário sobre o assunto não dei de facto conta.
De dalatando a 9 de Janeiro de 2014
Faço-lhe uma proposta!

Passe a escrever os textos em "Galaico-Duriense".
De Bic Laranja a 9 de Janeiro de 2014
Não, obrigado!
De Bic Laranja a 9 de Janeiro de 2014
Se quizer, commente vossemecê em mirandês.
De [s.n.] a 9 de Janeiro de 2014
Ahahahahah...
Maria
De [s.n.] a 9 de Janeiro de 2014
Um bando de reles comediantes é o que todos estes anti-fascistas de trazer por casa, são. Mentem despudoradamente desde a primeira hora em que optaram por colar na lapela o distintivo que os auto-promoveu instantâneamente a 'heróis anti-fascistas' para a vida. Andaram anos sem fim a acusar o anterior regime de censurar todas as notícias que se relacionassem com a esquerda comunista e socialista, quando afinal eles, os indignos anti-fascistas, são quem censura vergonhosamente desde a abrilada tudo quanto diga respeito à verdadeira direita portuguesa.

Um medo aterrador da direita portuguesa, nobre e patriota, é o que os apátridas, que a duras penas aguentamos há tempo demais, sentem e temem por pressentirem e com razão que aquela representa mais do que 90% da população. E tanto assim é que na pseudo-Constituição secreta e maquiavèlicamente cozinhada pelos próprios à revelia dos portugueses defensores incondicionais da sua Pátria, há a cláusula indispensável para permitir a sua ascensão ao poder e ao respectivo rapinanço da Nação, que proibe terminantemente partidos 'faxistas'... - partidos estes que jamais o consentiriam - e os poucos deles que tentaram honrada e patriòticamente representar a direita portuguesa foram sendo sucessivamente desmotivados e/ou ameaçados directa e indirectamente até se extinguirem por completo, quando verdadeiramente fascistas são os partidos criminosos a que os 'anti-fascistas' pertencem. Grandes democratas realmente..., melhor será ficarem para a História como o pior bando de corruptos, embusteiros e ladrões que efectivamente são.
Politicagem ignóbil esta que perdeu toda a credibilidade cívica e moral há muito tempo.

Quando é que os portugueses de bem expulsam do país todos estes bandidos (assim acertadamente designados por M. Filomena Mónica) que tanto mal têm feito a Portugal?
Os portugueses genuínos que se decidam ràpidamente porque se faz tarde para salvar Portugal destes abutres malditos. É que eles já lhe comeram a carne e continuam de garras afiadas para lhe roer os ossos.
De [s.n.] a 9 de Janeiro de 2014
Esqueci-me d'assinar o comentário. Sorry:)
Maria
De Bic Laranja a 12 de Janeiro de 2014
Mentem artificiosamente; recriam a linguagem; subvertem a realidade das coisas e moldam as mentes por via d'ella; monopolizam os grandes meios de comunicação e ensino com um discurso monolítico e 'seccam' paulatinamente em redor todo aquele que venha a destoar.
Não sahiremos d'isto facilmente.
Cumpts.
De [s.n.] a 13 de Janeiro de 2014
Exactamente. Eles são como os eucaliptos, onde quer que se instalem secam tudo à sua volta, destruíndo no acto outras espécies muito mais saudáveis e mais valiosas. Verdadeiros arboricidas é o que eles são, nos dois sentidos da palavra.
Maria
De tron a 9 de Janeiro de 2014
Caro amigo, a descrição que me faz é de um princípio de um movimento golpista, qual putsch de Munique; ou então militares que estavam "passados dos carretos" e faltaram ao respeito a um seu superior.
Curioso me falar em censura porque quando foi o golpe das Caldas, a imprensa relatou dentro do possível o evento e agora nada se soube....
De Bic Laranja a 12 de Janeiro de 2014
Pensando bem, motins na caserna, em democracia, não são nada; como haviam de ser sequer notícia? Haja direito à reivindicação.
Cumpts.
De cib a 10 de Janeiro de 2014
"ou censura como preferem os ciosos antifascistas"
Não - censura foi o termo legal, de 22 de Junho de 1926 até "[...]de Junho de 1972, com a entrada em vigor da Lei de Imprensa que o regime fizera aprovar em Novembro de 1971, a expressão VISADO PELA CENSURA foi erradicada das páginas dos jornais. Mas a censura manteve-se através do regime de Exame Prévio, evolução registada nas provas a partir de Junho de 1972 (...)"

->Confundir o que os jornais escrevem ou omitem livremente com uma censura estatal é algo que roça a desonestidade intelectual.

Fonte - para além de conhecimento pessoal

http://srec.azores.gov.pt/dre/sd/115161010600/contacto/0708/outrsocontactos/0607/0607/espacodomundo/censura.htm#r%287%29
De Bic Laranja a 10 de Janeiro de 2014
Do arrimo à «deshonestidade intellectual» não haja confusão; omissões são censura deliberada e o que dicta a agenda mediatica, então como agora, não haja também ilusões, é o ludibrio descarado de opinião pública. Eis a deshonestidade.

Grato pelo esclarecimento sobre o formalismo da censura official.

Cumpts.
De cib a 11 de Janeiro de 2014
Verifico que não terá chegado aí a minha resposta.
Consistia ela em perguntar-lhe se se pode comparar a omissão de factos - feita de modo livre, honesta ou desonestamente, por um jornal,com a intervenção governamental para censurar notícias que não lhe agradam.
De Bic Laranja a 12 de Janeiro de 2014
Veja se entende. Não é por o agente da omissão ser ou deixar de ser alheio ao jornal que uma omissão deixa de o ser. O resultado acaba egual, ainda que num caso vossemecê se não ensaie de lhe chamar censura e no outro lhe prefira chamar criterio jornalistico ou outra coisa qualquer.
O resultado acaba egual.
Cumpts.
De joão cotrim a 10 de Janeiro de 2014
http://cmtv.sapo.pt/detalhe.aspx?channelID=34F5E1B7-BABF-4C08-83FC-20AF9E097CDA&contentID=4AE3B755-56ED-47A6-8308-EFF14C401470

O assunto foi noticiado na CMTV e no jornal Correio da Manhã.

Com os cumprimentos de

João Cotrim
De Bic Laranja a 10 de Janeiro de 2014
Segui a sua remissão e vi que foi noticiado o caso em 15 de Dezembro. Ora o succedido deu-se em Outubro e o Ten.-Cor. Brandão Ferreira contou-o em 13 de Dezembro.
Esta chronologia indicia a fonte da notícia do Correio da Manhã. Não parece que mais ninguem lhe pegasse, a final.
Grato!
De cib a 13 de Janeiro de 2014
A liberdade de imprensa e a variedade dos interesses chegarão para que, com alguma diligência, não fique na ignorância quem quiser ser elucidado sobre determinado facto. Porém, muito legítima e convenientemente, as notícias, v.g., do Público não são as do Correio da Manhã.
Já o mesmo não se passaria se o governo pudesse, como podia, impedir a publicação de uma notícia em todos os jornais...
Além da humilhante da questão, para quem não gosta de viver tutelado.

Embora nunca tenha gostado, achei graça ao "vocemecê", tão em desuso. Quando era pequeno, cá em casa era o que as empregadas usavam para os pobres que vinham pedir.
Os modos de tratamentos são coisas sérias. Lembro-me de em casa de amigos, alguém ter perguntado quem era naquele retrato, sobre a cómoda. Que era uma tia sua. E para sintetizar, acrescentou: "tratava o Salazar por tu".
E ele tratava-a a ela por "V. Exia".

De Bic Laranja a 13 de Janeiro de 2014
Melhor:
« A liberdade de imprensa e a variedade dos interesses chegarão para que, com alguma diligência, não fique na ignorância quem quiser ser elucidado sobre determinado facto. »


Sem liberdade de imprensa, applica-se em cheio ao tempo do Estado Novo. A prova foi o marxismo cultural vingar, apesar da censura official. Deu na suppressão do regimen e dura até hoje. O que succede é que um discurso monolitico e favoravel ao «statu quo» impera sempre e é imposto pelos domnos do poder; e no caso de regimes com liberdade de imprensa elle torna-se notoriamente mais despercebido, fazendo com que menos do que os que subvertiam o Estado Novo diligenciem em elucidar-se n'outra visão das coisas. É assim que, em democracia, o grosso dos espiritos acaba melhor doutrinado ideologicamente.

----

D'uma vez alguem escamou-se commigo aqui por tractá-lo(a) d'esta fórma. Disse que eram os modos da creada para o motorista, ou algo assim. Tenho penna que me haje levado a mal.
Cuido que o pejorativo do «vossemecê» se esbateu com o seu desuso. E sabemos que na origem era tractamento ceremoniosa.
O palavreado na voz do povo dá voltas engraçadas. Já nas mãos dos ideologos da acção e da lucta de classes...

Cumpts.
De cib a 13 de Janeiro de 2014
O que refere sobre o marxismo nada tem a ver com a censura da imprensa diária.

O tratamento de "vocemecê" será hoje, pela sua raridade, uma mera reminiscência pitoresca. Na minha infância, já raro, era ainda audível, como referi, nas classes mais modestas.
O exemplo do comentador que refere é certeiro. Mas, o "vocemecê", não deixando de ser um pouco grosseiro, não seria necessariamente pejorativo: os "chauffeurs" eram bons partidos para as criadas de fora.
De Bic Laranja a 14 de Janeiro de 2014
Naturalmente o marxismo nada tem que ver com a censura. Pois se elle até triumphou apesar d'ella.

Não me leve a mal «vossemecê».
:)
Cumpts.
De João Amorim a 14 de Janeiro de 2014
caro Bic

Os seus últimos artigos são do mais sagaz que tenho lido!

abraço,
De Bic Laranja a 14 de Janeiro de 2014
Generosidade sua.
Obrigado!

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____