12 comentários:
De [s.n.] a 20 de Junho de 2016
"oiço" e não ouço...:)
Maria
De [s.n.] a 20 de Junho de 2016
Ou é "ouço", de facto?... ou, indiferentemente, das duas maneiras? Parece-me que sim. Confirme-me lá, que sabe destas coisas mais do que ninguém:) Parece que já nem sei conjugar os verbos, isto está a ficar bonito. Será que estou inconscientemente a adoptar a língua de trapos, como os do Ministério querem que façamos (e o próprio sistema 'decretou'..., para eles cumprirem, não eu)? Vá de retro!
Maria
De Bic Laranja a 21 de Junho de 2016
Ouço/oiço são formas duplas, fonológicas, não ortográficas. Ao que me lembra ter lido alhures/algures, -ou- é mais nortenho -oi- mais meridional. Alhures/algures idem, como cobarde/covarde. Fonológicas.
Casos há de maior generalização em -oi- (dois, foice, doido, noite), ora de -ou- (cenoura, logradouro, matadouro, pelouro), em que as correspondentes se tornam raras: dous, noute...
Cumpts.
De [s.n.] a 22 de Junho de 2016
Tem razão. Bem me parecia quanto ao ouço/oiço. Fui ver a ligação que deixou (de 2006!, onde é que este ano já vai, como o tempo passa, Deus meu...) e achei graça aos exemplos que deu. De facto muita gente ainda hoje diz oiro em vez de ouro, sobretudo os mais velhos. Se não estou em erro, no Alentejo ainda se pronuncia "oiro". E, segundo afirmou, igualmente em algumas regiões do Norte.
E muito obrigada pelo esclarecimento. Conhecimentos enciclopédicos, esses seus, que maravilha.

Ainda um anacronismo. A Rua do Ouro era chamada no seu início Rua Áurea. A alteração terá tido a ver com a evolução da língua e adoptada pelos linguístas do tempo ou foi produto d'algum acordo ortográfico (o de 1911?) ocorrido na época? Pessoalmente achava bem mais original ter continuado a ser Rua Áurea.
Maria

Comentar