Sexta-feira, 10 de Abril de 2015

A faina da minhoca...

 A faina da minhoca, um passo na agenda, teve honras publicação metafórica. Na verdade houve lá honras a ministro... Uma surpresa.

 Salvas as estátuas de ministros passados que por aí bronzeiam ao sabor do defecar dos pombos, nunca me tal  acontecera: um passarão ministro poisar-me adjunto a menos de 100 (que digo?! 20! 10!...) metros. Eis no que me dá flanar por congressos da minhoca a que a faina de meus mesteres me encaminha. Tivera eu adjuntado a importância àquilo que realmente ministerialmente importa e olhado sequer o programa da minhoquice, não haveria hoje aí ministro de inconsciente resplendor por fortuitos encontros com este vosso atento venerador e obrigado. Valeu-lhe a honra de me haver por lá do meu descaso. Por mim, fintas do destino.

 Pois bem, mas da faina da minhoca acabei por guardar nuns linguados de papel umas larvas-chavão (palavras-chave duma concepção minhoca da realidade) do melhor que a cultura catedral-académico-empreendedoral -- e por fim, também, governamental -- destes espumosos dias produz. Isto por veneranda atenção ao benévolo leitor e pessoal desfastio, o que é quase uma redundância porque poucos além de mim lêem estes desabafos. -- Ah, e para memória futura, já que, de ligeiras, ligeirinhas, velozmente estas modas mudam e eu ràpidamente as esqueço, se as aprendo...

 Logo na 1.ª oração: maximização, inovação, competitividade, retorno de investimento, boas práticas, empregabilidade. -- Falharam na 1.ª, mas afloraram imediatamente na 2.ª oração, a inevitável pró-actividade e derivados (pró-activo, pró-activamente) e o infalível empreendedorismo. Mais vespertino foi um alavancar, não sem que antes as boas houvessem de passar a melhores e estas a óptimas práticas. -- Se não parece isto o Fukuyama e o fim da História... De entremeada, gorjeios espumantes de pseudo-anglicismos-chavão, que passo, a bem da sanidade do leitor benévolo e da santa paciência; e ainda porque esses pseudo-etc. promulgados no palreio exótico de araras e bípedes de garrida penugem nem inglês chegam a ser; o que aquilo é é amaricano pavoneado e emaitiano. Ou ISCTEiano, para figurar brios tidos por mais cá da casa...

 A oratória do ministro inspira-se nos mesmos ingredientes ISCTEianos, mas compõe-se dum quasi-protocolar porte institucional, vede se não... -- Competivividade e internacionalização da economia; economia inovadora e competitiva; perfil da economia e mobilização da dita cuja; investimento, conhecimento, qualificação, pessoas, em-pre-ga-bi-li-da-de... mobilidade e inclusão social, diz que são os factores decisivos para nos aproximarmos dos níveis europeus. -- Ou para, no fundo, doutrinar o indígena no saltitar alegre de (des)emprego para (des)emprego por devoção à tal competitividade.  Além de que aquilo dos níveis europeus serve desde logo para a diluição do que quer que seja verdadeiramente português.

 E bom, no fim, um trabalhador que por desnorte perca o tino ou por desventura o trabalho, graças às dimensões estratégicas da qualificação e da formação rezadas como quem reza o terço ao fim da tarde, achará a salvação, acabando criativa e inovadoramente colaborador. Tenho a fèzada que da mobilidade e inclusão social apregoadas lhe possa valer ainda um grande arquitecto universal com qualquer empregabilidadezinha. Nalgum partido governável, governabilizável, de governança ou de governo. Do rol de ingredientes discursivos aqui enumerados elencados, nem será difícil achar-se o trabalhador colaborador alocado como co-ladrador recheando de palavras os perdigotos -- necessàriamente bitolados nos níveis europeus -- dalgum candidato a ministro ou, eventualmente, de ministro acabado da eloquência de palavras feitas, candidato no fim da História a uma estátua maximizada, optimizada ou coiso, onde os pombos empreenderão certificada obra. Claro que o co-ladrador figurará ao lado, pela trela, à maneira do leão do marquês.

Rotunda, Lisboa (P. Correia, c. 1934)
Rotunda, Lisboa, c. 1934
Pinheiro Correia. in archivo photographico da C.M.L.



Revisto às nove e meia de onze.

Escrito com Bic Laranja às 18:29
Verbete | comentar
2 comentários:
De [s.n.] a 18 de Abril de 2015
Olhe, observo estas fotos lindas e refiro-me sobretudo às desta época, mas não só, que volta e meia aqui vai colocando e fico deliciada com tudo o que nelas vejo. O desenho e o traçado impecável das avenidas e dos passeios; o dos próprios edifícios, não sendo embora do melhor que se poderia ter feito na altura, eles são não obstante dignos o suficiente para serem apreciados (e então se os colocarmos lado a lado com a porcaria que desde há trinta ou vinte anos se tem vindo ininterruptamente a edificar, minha Nossa Senhora!, não há comparação que lhes possa valer...) não agredindo a visão de quem os contempla e enquadrando-se mais ou menos bem no espaço em redor e com resultados satisfatórios para os fins a que se destinavam.

Bem, então aqueles pequenos blocos circulares de pedra - com postes d'iluminação naturalmente neles colocados para os sinaleiros poderem regularizar o trânsito em segurança - construídos com precisão milimétrica a meio do piso e no início de cada uma das cinco Avenidas a desembocar na Rotunda, são de uma beleza visual realmente rara.

Parabéns por publicar fotografias tão belas. Tempos, como os retratados, que, por variadíssimas razões entre as quais se detecta, mesmo para quem não os vivei, reinar uma paz social e uma segurança incomparáveis, uma ausência total de violência e um respeito absoluto pelos bens públicos em geral e pela autoridade e pelos mais velhos em particular, tantas saudades têm forçosamente que deixar.
De Bic Laranja a 19 de Abril de 2015
Realmente as pequenas ilhas marcavam o eixo das radiais, serviam de guia ao automobilista e tinham um efeito estético muito artístico.
Os edifícios eram outro mimo. O bom gosto da época era o mais das vezes enobrecido por materiais e acabamentos de primeira (aqueles dois prédios de rendimento, sempre mal apreciados se comparados com os palacetes, no lado da Braamcamp tinham jardins de Inverno).
Hoje é só sucata.
Cumpts.

Comentar

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____