Sábado, 25 de Novembro de 2017

Apócopes

 É meio-dia (agora já passa da uma), mas as pessoas dizem mei'-dia…
 Havia uma terra que era a Aldeia Galega. Lá as gentes diziam aldêa e quando se referiam à sua diziam Aldê' Galega. Vai dai escreviam Aldegalega tudo junto. Os modernos quando vêem a palavra não entoam o ê e dizem Ald'galega (aɫd  gɐ.lˈe.gɐ).
 A Aldegalega (aɫ.de.gɐ.lˈe.gɐ) é o Montijo.

Largo da Misericórdia, Aldegalega do Ribatejo (In Tanto Mara, s.d.)

Largo da Misericórdia, Aldegalega do Ribatejo, [s.d.].
In Montijo e Tanto Mar.

P.S.: já agora, Montijo seria antes Montilho em Português, que nos remete para montinho, colina, outeiro; na Aldegalega, em concreto, a Atalaia. Ou não?

Escrito com Bic Laranja às 13:18
Verbete | comentar
23 comentários:
De Valdemar Silva a 26 de Novembro de 2017
Já Fernão Lopes, na Crónica de D. Fernando, fala de '... carregamentos de vinho no Montijo..', que seria uma póvoa num montículo nas margens do Tejo frente a Aldeia Galega já existente.
De Aldeia Galega há várias conjecturas, desde ser um terreno galego (estéril), desde ter sido doado a cavaleiros gauleses (Gália), desde ter sido povoado inicialmente por Fernando Galego e seus descendentes formarem famílias de apelido Galego/a e desde por via popular ter havido uma estalajadeira de nome Alda, a Galega. Nos finais do século XIX a população não gostava do nome de Aldeia Galega do Ribatejo e como Montijo começou a ter força económica mudou o nome de toda a localidade para Montijo.
Parece que outra, a Aldeia Galega da Merceana que ainda mantém o nome, também tem as mesmas histórias na origem: terrenos estéreis, doação de terrenos a gauleses, povoamento por galegos.
Mas de certo que haverá outras explicações eruditas, lógicas ou populares para a razão de ser do topónimo.
Valdemar Silva
De Bic Laranja a 26 de Novembro de 2017
Muito bem lembrado.
«[…] jaziam mujtas vezes ante a çidade [de Lixboa] quatro çentos e quinhentos navios de carregaçom : e estavom aa carrega no rio de Sacavem e aa ponta do Montijo da parte do Ribatejo sesemta e sateemta navios em cada logar, carregando de sal e de vinhos […]»
(Crónica de D. Fernando, cap I.)
.
Todo o comentário é muito a propósito, aliás.
Obrigado!
De Valdemar Silva a 26 de Novembro de 2017
A mudança para Montijo foi feita em 1930, mas desde finais do século XIX que a população andava descontente com o nome de Aldeia Galega.
Valdemar Silva
De Bic Laranja a 26 de Novembro de 2017
Em Punhete dera-se o mesmo, mas o embaraço ali não era serem galegos.
Não tardará e até o nome portugueses será embaraçoso, porquanto há já de expiar pecados judeus no L. de S. Domingos, o Padre Vieira na Trindade e em breve haverá de expiar, por todos, o comércio negreiro da Idade Moderna.
Cumpts.
De Valdemar Silva a 26 de Novembro de 2017
Sobre o topónimo da Aldeia Galega da Merceana, escreve Guilherme Henriques 'o nome de Aldeia Gallega tão commum em Portugal apenas significa que o terreno em redor não era fértil ou rendoso mas sim terra delgada, charneca ou inculto'.
Não sei se este Guilherme Henriques era Guilherme Henriques de Carvalho antigo Patriarca de Lisboa.
Valdemar Silva
De Bic Laranja a 26 de Novembro de 2017
Onde o leu?
Não tenho o nem o Dicionário Toponímico nem a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira agora aqui.
Talvez a Internete diga alguma coisa. Vou ver...
Cumpts.
De dh a 26 de Novembro de 2017
Fico a pensar, talvez com muito engano, se o tijo não será Tejo e se a palavra não se terá formado como a dupla Beja/Mombeja. Segundo o texto abaixo, o Mom anterior seria de Monte, a palavra sendo de origem moçárabe (ou seja a população cristã de origem latina que vivia sobre domínio mouro e cujo romance evoluiu de maneira diferente daquele mais a norte).

http://www.acad-ciencias.pt/document-uploads/1675604_azevedo,-maria-luisa-seabra-marques-de---mocarabismo-e-toponimia-em-portugal.pdf

cmpts

De Bic Laranja a 27 de Novembro de 2017
O sufixo é -ijo e não -tijo. É castelhano e corresponde ao português -ilho/-elho; um sufixo de diminuição ou pequenez. Porque se sobrepôs ao vernáculo ali? Cuido que o nome da Aldeia Galega é a melhor explicação.
De Bic Laranja a 27 de Novembro de 2017
O documento da Academia das Sciencias pode ser interessante, mas é ilegível. Está redigido em crioulo ortográfico.
De Valdemar Silva a 26 de Novembro de 2017
Montijo quer dizer pequena elevação, montinho (pequeno monte)
A localidade espanhola de Montijo (Badajoz) fica numa pequena elevação e não passa por lá o rio Tejo.
Em castelhano montinho (pequeno monte) é montijo.
Valdemar Silva
De [s.n.] a 27 de Novembro de 2017
Caro Valdemar

não seria a primeira vez na historia que origens diferentes dão nomes parecidos. (Por exemplo o nome Recarte que parece ter origem em Ricardo ou alguma variante deste, tem origem bastante diferente deste).

Ser verdade que algures em Espanha haja Montijos (o de Badajoz segundo li vinha de Montejo), com origem num diminutivo de Monte, não implica, no entanto, que o nosso tenha que ter essa origem.

Porquê uma terminação castelhana para um nome da margem sul? Ha mais exemplos de lugares afastados da raia onde uma terminação castelhana tenha perdurado? O castelhano nem tão pouco era o dialecto espanhol a mais curta distância do nosso (galaico-português) dado que até Caceres se falava o asturo-leonês.

Ao mesmo tempo também creio conhecida a influência moçarabe na zona a sul do Mondego, assimcerto o exemplo que dou não é o unico de um caso, pelo contrario.

Lamento, mas ainda não me convenceu da sua hipotese nem me desconvenceu da minha!... mas a ver vamos


cumprimentos
De Valdemar Silva a 27 de Novembro de 2017
Tem razão quanto ao castelhano.
Mas, segundo alguns, o povoamento daquele lugar foi feito por camponeses da família de Fernando Galego.

Cumpr.
Valdemar Silva
De Bic Laranja a 27 de Novembro de 2017
Montijo, pela Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, é termo da província do Alentejo que significa montículo em forma de prirâmide cónica. Deriva de monte. Um diminutivo, como parece fácil de entender.
De dh a 27 de Novembro de 2017
Caro bic

essa hipotese compreendo-a bem. Mas é curioso que não haja mais nenhum Montijo então...

Não encontro nenhum no diccionario corographico de Rodrigues Andrade de, 1878

http://purl.pt/13921/4/hg-5407-p_PDF/hg-5407-p_PDF_24-C-R0090/hg-5407-p_0000_capa-capa_t24-C-R0090.pdf

Estoutro diz que Alhos Vedros é de fundação arabe e que Montijo era o nome da zona onde o Tejo ali reentra...

https://archive.org/stream/portugaldiccion00peregoog#page/n223/mode/2up/search/montijo

mas bom...

cmpts
De Bic Laranja a 1 de Dezembro de 2017
A Corografia Portuguesa (V. 3.º) do Pe. Ant.º Carvalho da Costa refere uma quinta do Montijo na freguesia de N. Sr.ª do Amparo de Benfica sem dar precisão do local, mas emparceira-a com outras, a saber, de Rui de Moura, Junqueira, Casal do Mercador, do Pinheiro, do Outeiro e de Alfragide. Pode fazer-se uma vaga ideia do lado de Benfica em que ficaria...
Refere também o Montijo de que aqui tratamos no termo da Aldêa Galega — cuja origem do nome dá a uma lendária Alda Galega, com locanda no sítio; Alberto Pimentel desdi-lo com mero senso comum, aliás.
A lenda, transmittida pelo Padre Carvalho, conta que a primeira locanda que se estabeleceu n'este sitio pertencia a uma gallega, de nome Alda, vindo d’ahi á terra a denominação de Aldagallega.
Eu, sem dar grande valor ao assumpto, pendo a crer que o primitivo nome da povoação não seria Alda, mas Aldea Gallega, talvez por serem da Galliza os primeiros negociantes que se aldearam aqui ; tanto mais que os nossos chorógraphos dizem que, para a differençar da Aldea Gallega da Merceana no concelho de Alemquer, se lhe acres- centou — do Ribatejo.
Ora, se esta villa era Aldagallega não podia confundir-se com a Aldea Gallega da margem direita do Tejo.
E se o complemento possessivo — do Ribatejo — foi necessario, é porque a confusão nascia de haver duas Aldeas Gallegas, uma na margem direita e outra na margem esquerda.
[…]
Os habitantes da villa querem agora chamar-lhe «Aldegallega», como que mostrando-se envergonhados da sua aldea originaria.
(p. 105 e ss.)

Mais Montijos haverá (e dois foram já referidos em baixo), em lugares ermos ou cuja pouca importância não mereceu para referência no Pinho Leal ou outros. As etymologias, por seu lado, não fogem à derivação diminutiva de «monte» e à origem espanhola da forma -ijo.
Do Montijo que tratamos, Camillo, nas Noites de Insomnia, n.º 1, refre-lhe como que em corolário as ostras, «igualmente boas, e igualmente irritantes. Vamos a elas!»
De [s.n.] a 28 de Novembro de 2017
Pelas informações dadas pelos ilustres comentadores e pelo autor do blogo, deduzi que foi a região (então) castelhana Montijo, que creio ter sido e porventura ainda é muito pequena, que deu o título de Duquesa à irmã de Napoleão, não é verdade? Curioso.
De Valdemar Silva a 28 de Novembro de 2017
Não.
A Duquesa Eugénia de Montijo casou com Napoleão III.

Valdemar Silva
De [s.n.] a 28 de Novembro de 2017
Obrigada Valdemar Silva, pela gentil e pronta resposta. Não fui investigar, disse de memória e esta já não é a melhor, aliás nunca foi grande coisa:)
Maria
De nn a 30 de Novembro de 2017
"Altos Montijos" é um nome da toponímia ribatejana. Se não me engano, no Concelho da Golegã, freguesias de Azinhaga ou de Pombalinho.
A ver...
De Valdemar Silva a 30 de Novembro de 2017
Sim.
Rua Alto dos Montijos - Azinhaga (Golegã) e também Rua Alto do Montijo - Oeiras.

Valdemar Silva
De dh a 6 de Dezembro de 2017
O labor de vários faz-me pôr em dúvida a hipótese que antes formulei. Muito obrigado pelos exemplos indicados.

cumprimentos
De dh a 6 de Dezembro de 2017
Mas também não posso deixar de notar que todos menos um dos Montijos de que deram exemplo são montes com vista para o Tejo. Pergunto-me se a quinta do Montijo, "que são três casaes com duas fontes & partem com a freguesia de Carnaxide", não corresponde
ao alto do Montijo, hoje em Oeiras e portanto teria vista para o Tejo

https://www.google.pt/maps/place/Alto+do+Montijo,+2790-045+Carnaxide/@38.7264498,-9.2212572,13z/data=!4m13!1m7!3m6!1s0xd1ecc93028d97df:0xc4e7306ba62bf87c!2sAlto+do+Montijo,+2790-045+Carnaxide!3b1!8m2!3d38.7256689!4d-9.2202961!3m4!1s0xd1ecc93028d97df:0xc4e7306ba62bf87c!8m2!3d38.7256689!4d-9.2202961?dcr=0

peço desculpa pela teimosia...

cumprimentos
De Bic Laranja a 6 de Dezembro de 2017
Nao peça. O seu argumento tem boa razão de ser. Mereceria um estudo para aferir a hipótese.
Cumpts.

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____