Domingo, 2 de Maio de 2021

Aquella casa…

 Aquella casa n' aquella photographia d' aquella rua então, que despertou vasta curiosidade, acha-se na imagem aqui. Vêdel-a lá? Não é difficil identifical-a. Salvo êrro era o n.º 27 da Rua do Arco do Cego no tempo em que se finavam as quintas do dicto Arco do Cego. Com a abertura da Rua de D.ª Philippa de Vilhena e a fatal obliteração do primeiro trôço da velhinha Rua do Arco do Cego, que vinha da Duque d' Avila, ficou com o n.º 14 da novissima D.ª Philippa de Vilhena. Claro que n' esta morada hoje a casa é outra.

Casa da Moeda e R. de D.ª Filipa de Vilhena em construção, Arco do Cego (E. Portugal, 1940)
Casa da Moeda e Rua D.ª Philippa de Vilhena em construcção, Lisboa, 1940.
Eduardo Portugal, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 18:09
Verbete | comentar
11 comentários:
De zazie a 3 de Maio de 2021
Pois se não é, é o diabo por ela
ehehe

Até o lado da escada da chaminé coincide
De [s.n.] a 3 de Maio de 2021
Já tinha visto esta fotografia, também me parece ser a tal casa "palacete".
Agora surge outra dúvida, em que cruzamento da Filipa de Vilhena se situa: com a António José de Almeida ou com a João Crisóstomo?
Nesta fotografia, no lado direito, parece ser construção da Casa da Moeda, neste caso será o quarteirão que vem da João Crisóstomo até à António José de Almeida e o homem das obras dirige-se para o lado da frontaria do edifício principal.
Quer dizer se for o cruzamento com a João Crisóstomo é o actual n.º 14 da Filipa de Vilhena ou com a António José de Almeida o n.º 24. Nas traseiras dos prédios com a António José de Almeida fica o logradouro do que ainda resta da Rua do Arco Cego com uma casa n.º 54.
Outro pormenor da casa "palacete" é sabermos qual o lado seria a entrada principal.
Cumpts.


De zazie a 3 de Maio de 2021
A entrada principal, se for o mesmo da primeira fotografia, ficava para a rua transversal à estrada grande que era nova e desembocava na rua com as chaminés. Esta foto é de outra data.

Na outra é bem visível a entrada ladeada por dois pilares e os raios de sol rasante passam para a rua onde estão as pessoas e os carros.

Sendo a mesma, e nota-se que ali já estava tudo em escombros mas tinha dois andares, a entrada é mesmo em frente.

Daí eu ter dito que seria rua de sentido Norte/Sul, porque o sol baixo ou é matinal ou de fim de tarde e tem todo o ar pela azáfama.
De zazie a 3 de Maio de 2021
Já tinha colocado o recorte mas coloco de novo.

Na outra foto, a casa aparecia recuada e com mais construções a serem deitadas abaixo mas a entrada era pela parte da rua fronteira ao próprio frontão principal que aqui aparece de frente e na outra de lado, porque a outra fotografia foi tirada para valorizar a abertura da estrada e mais nada. E por isso tinha árvore a ser plantada e casas a serem destruídas e na rua movimentada o calcetamento terminava antes.

https://i.gyazo.com/32c3d09c2703cc21cc03869ed29ecc30.png
De Bic Laranja a 4 de Maio de 2021
A casa vai assignalada com o n.º 5 no mappa. Dava frente para a Rua do Arco do Cego e tinha jardim de buxo. No plano das avenidas que extinguiu o trôço da Rua do Arco do Cego de trás do Technico ficou, sabemos agora, com serventia às avessas, pela Philippa de Vilhena. No n.º 14, salvo êrro, morada que no archivo municipal referente ao processo de obra do prédio que hoje lá está é ainda designada simultaneamente com Rua Philippa de Vilhena, 14 / Rua do Arco do Cego, 27.
Cumpts.
De zazie a 4 de Maio de 2021
Qual a explicação que encontra para, na primeira fotografia, tudo em redor estar urbanizado, e com a estrada nova e bem ampla lateral à casa e a desembocar na rua das chaminés (que reparei também ser descendente) e nesta, aquando da construção da Casa da Moeda ser apenas tudo mato em volta?
De Bic Laranja a 4 de Maio de 2021
O tempo e as obras públicas. A photographia de Novaes é de fins dos annos 40. Esta aqui, de Agosto de 1940. Pelos alvores dos annos 30 via-se já tudo em convulsão, mas ainda a João Chrisostomo se não projectava até ao Technico. O plano das avenidas novas (ou novissimas) progrediu infrene n’ aquelles annos, como sabemos.
No tempo de Ressano Garcia o plano da Rua do Arco do Cego ainda se integrava nas avenidas assim.

Cumpts.
De zazie a 4 de Maio de 2021
Ok

Obrigada pela planta
De [s.n.] a 6 de Maio de 2021
Outro pormenor interessante.
Lembro-me 1961-63 haver um Ramal da Carris entre o Campo Pequeno e o Bairro do Arco Cego.
Julgo ter sido o trajecto primitivo do eléctrico 3 Caminhos de Ferro-Arco Cego que seguia até ao Campo Pequeno e com o Ramal chegava ao Bairro.
O trajecto primitivo pelo Campo Pequeno-Av. da República-Estação do Arco Cego só poderia ser assim devido aos edifícios existentes na Rua do Arco Cego e a quintas de "palacetes" taparem a possibilidade de passagem.


Cumpts.
De Bic Laranja a 6 de Maio de 2021
Sim senhor.
Cumpts.
De [s.n.] a 7 de Maio de 2021
Exactamente.
Na fotografia da Jardim Constantino, podemos ver o prédio
junto da paragem que no r/ch. funcionou o "Lambretta Club" e depois até à demolição o Instituo Helen Keller.

Cumpts.

Comentar

Junho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____