12 comentários:
De Mandarinia a 3 de Novembro de 2017
Coisa rara e pouco vista, de facto é de assinalar.
De Bic Laranja a 4 de Novembro de 2017
Sim. Mas do que vi dos interiores conformados ao despojado (paupérrimo) gosto do moderno, desconfio que os frescos, era uma vez...
Cumpts.
De Valdemar Silva a 4 de Novembro de 2017
Era uma vez os interiores e frescos dos edifícios anteriores aos de agora ao lado deste (construções dos finais anos 60).
Valdemar Silva
De Bic Laranja a 5 de Novembro de 2017
O gosto despojado de ornamento é ausência de gosto. Uma negação.
Cumpts.
De José Lima a 6 de Novembro de 2017
Não desmerecendo os frescos, creio que mantêm-se belíssimos andares.

http://residential.jll.pt/empreendimento/republica-37-lisboa/?emp=3891388#.Wf-tenZpHIU
De Bic Laranja a 6 de Novembro de 2017
É verdade. Mas perderem-se os frescos...
De Bic Laranja a 6 de Novembro de 2017
Da descrição do empreendimento:
Qualidade e conforto em 27 apartamentos exclusivos. Construído no século XIX &c.
.
Ora! A notícia de vistoria e a atribução do nº de polícia indiciam a conclusão do prédio; foi dado como pronto a habitar em... 1924!
Mas são uns belíssimos andares.
De [s.n.] a 12 de Dezembro de 2017
Em tempos lhe descrevi aqui um pouco do que realmente iria ser feito no Edifício da Avenida da Republica.

Pois como já pode constatar, não só foi reposto o traçado da fachada original com as suas arcadas e serralharias no piso térreo, como foram colocadas telhas de xisto novas em toda a mansarda, recuperados os sistemas de portadas originais embutidos "á inglesa", os pavimentos em sucupira com os seus intrincados desenhos foram restaurados e recuperados, as caixilharias são novas mas em madeira maciça com o mesmo traçado das originais, a fachada de marquises foi integralmente refeita com o mesmo traçado da original (que estava sem qualquer tipo de hipótese de recuperação), a escadaria de madeira para o piso 1 foi recuperada e será parte integrante da loja voltada para a Avenida da República e sim... os frescos que as suas fotos mostram foram todos recuperados por técnicos especializados, as pinturas ganharam a sua beleza e cores originais e ainda foi recolocada a folha de ouro que existiu em tempos.
Infelizmente este tipo de reabilitação cada vez se vê menos, mas neste caso foi gratificante ver o que se conseguiu fazer num edifício que apesar não parecer estava num estado muito avançado de degradação.

Cumprimentos
De Bic Laranja a 23 de Dezembro de 2017
Bem vejo. Ficamos esclarecidos dos frescos; não foram apagados. Aleluia!

Infelizmente este tipo de restauro (horríveis chavões da moda como «reabilitação», «e envolvente» &c.) cada vez se vê... nunca. Vai tudo a eito: estuques, caixilharias, ferro forjado. Salva-se alguma cantaria quando as fachadas ficam e é tudo.
Pobreza!

Se o restauro do prédio da Av. da República, n.º 37 é obra sua, felicito-o, pelo gosto entendido, pelo trabalho e, por conseguir fugir às madrassas da arquitectura [ignorância] contemporânea.

Feliz Natal.
De [s.n.] a 23 de Dezembro de 2017
O Projecto é do arquitecto Frederico Valsassina, eu fui o apenas o arquitecto da construtora responsável por fazer a ligação entre atelier e obra de modo a fazer cumprir o projecto e entre outras (muitas coisas) salvaguardar e preservar o maior numero possivel de elementos como os que aqui fomos falando.

Um Feliz Natal para si também.
De [s.n.] a 23 de Dezembro de 2017
https://www.fvarq.com/republica

Aqui encontra fotos do edificio, entre elas uma da sala com os frescos.

Cumprimentos
De Bic Laranja a 23 de Dezembro de 2017
Grato dos esclarecimentos.
Mais uma vez, parabéns pelo trabalho!

Boas festas!

Comentar