De Leunam a 28 de Fevereiro de 2020
Bic Laranja

"sobrepor o nome dos seus em tudo o que é topónimo"

É um facto.
Constatamos isso em qualquer "vilória", agora nomeada de Cidade, onde há sempre pelo menos uma Rua ou Largo Cândido dos Reis.

E fazer a Ponte "numa noite", também foi uma grande obra!

Já arrancar todas as letras dos nomes do Presidente da República e do Presidente do Conselho que estavam incluídas na Placa Comemorativa da Inauguração do Hospital de Santa Maria em Lisboa,em 1953, a qual ainda lá está no seu lugar para todos verem, isso foi uma obra muito mais difícil.

Mas ninguém repara...

Concluo:
Grandes são os obreiros que assim se esforçam a obrar!
De Bic Laranja a 29 de Fevereiro de 2020
Justamente. Sobre o grande herói do Cinco de Outubro permita-me mais esta imodéstia…
E estoutra do psiquiatra Bombarda que que também povoa copiosamente ruas e largos deste lugarejo à beira mar numa ilustração portuguesa do melhor ridículo.

Com os da 1.ª República não houve avenida nova que se não ilustrasse com as maiores luminárias — Ressano Garcia (República), António Maria de Avellar (Cinco de Outubro), Pinto Coelho (Defensores de Chaves), Hintze Ribeiro (Miguel Bombarda), José Luciano (Elias Garcia)… — Chic a valer! Ou melhor, Democrático! — Esse último Elias Garcia é louvado de enfiada das Portas de Benfica ao Ramalhão, sobre a estrada real (depois E.N. 249) de Sintra.
E por Portugal e ilhas inteiro, é como diz.
No Ultramar entregue com portugueses dentro e respectivos bens incluídos, os novos sobas trataram os entreguistas com respeito merecido: arrasaram a toponímia a esmo e a eito, com nomenclatura ainda pior que na metrópole. E não desfizeram só a toponímia, o que lhes engrandece merecidamente a obra, a todos, sobas e entreguistas. Mas é deixá-lo…

Os deste portugalinho depois do triste fim começaram cedo a obrar: «necessidade de eliminação dos nomes afrontosos para a população, pela sua última ligação ao antigo regime» no penúltimo dia do glorioso ano de 1974 a Rua Sinel de Cordes colectivizou-se em Alves Redol; a Av. do Marechal Carmona foi maçònicamente iniciada — Av. Norton de Matos, que pegou tanto na fala popular como a doutro maçon de nomeada: S.M.I. D. Pedro IV…
Mas a Ponte Salazar é que foi! Deve ter sido obra de tal maneira extenuante no instantezinho que levou a (re)edificar que os horizontes necessàriamente de recreio de colégio dos arrivistas que alienaram 90% do território nacional nem alcançaram a… Vila Franca de Xira. Era na já longínqua província do Ribatejo!

Com o grande demitidor-aviador mostraram certa confusão no aprendizado da História (que não da mitologia), mas a capacidade de obrar mantém-se.

Uma fantochada!

Cumpts.
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.