Quarta-feira, 15 de Junho de 2016

Campos do futuro B.º de Alvalade

 O archivo photographico da C.M.L. tirou ha dias (*) a marca d' agua das photographias que faculta na rede. É uma boa novidade e um melhor trabalho, porque se lhe somma a maior resolução de muitas photographias publicadas que, d'antes nem se percebiam.
 Olho um lote d'ellas de Eduardo Portugal catalogadas como «Campo Grande» e acho piada ás descripções do archivista, n'este estylo.

 Panorâmica geral da zona deixando transparecer o carácter profundamente rústico desta zona limítrofe da Cidade antes da fixação dos grandes pólos culturais (Cidade Universitária — anos 50 — e Biblioteca Nacional — anos 60).

 Chamar ás quintas arrabaldinas de Lisboa (n'este caso, em Alvalade), retratadas n'uma velha photographia, «zona limítrofe da cidade» cujo «carácter profundamente rústico» «transparece» n'uma «panorâmica geral» (haverá panoramicas photographicas não geraes?) é menos do que um estylo; soa a locução de telejornal inspirando a redacção ao archivista.
 É pertinente, porém, a opposição campo/cidade expressa.
 Já uma certa idéa de progresso posta na marcha do tempo, insinuada na menção á ulterior edificação por ali da Bibliotheca Nacional e da Universidade (ou «fixação dos grandes pólos culturais») é vício pior: é a mentalidade inculcada ás massas, dos bancos da eschola official á chachada televisiva, que molda o entendimento geral e tolda no prosador contemporaneo qualquer descripção simples. Nem cuido que se o archivista dê conta do que o affecta; a linguagem é um mimetismo tão natural como respirar, e a lavagem ao cérebro dá-se por osmose televisiva. Afóra isto, a menção aos «pólos culturais» ou lá como lhe chama é marginal á panoramica que procurou documentar. Disfarça mal a inepcia em decifrar a imagem (o que de si não seria vergonha; a imagem é difficil), mas baralha o leitor. Assim, melhor fôra estar quieto.


Vista das terras do futuro B.º de Alvalade, Lisboa (E. Portugal, 1945)

  A imagem mostra (mostra realmente, não deixa transparecer) as terras da banda oriental do Campo Grande (a Bibliotheca Nacional ou a Universidade de Lisboa são na banda occidental, não cabem aqui). A chave para percebê-la é o hospital de Julio de Mattos que se avista ao longe, no primeiro terço esquerdo da imagem, mais ou menos sôbre a primeira metade das casas em primeiro plano. O edificio principal do Julio de Mattos identifica-se bem atrás e além d'uma fiada de árvores e, deante de si, para cá, notam-se bem as primeiras terraplenagens da Av. de Roma. A photographia foi, pois, tirada n'um poncto elevado entre a Av. de Roma e o Campo Grande, bem a sul da Av. do Brasil. Calhando, d'onde veio a rasgar-se o trôço da Av. dos Estados Unidos da América entre a Av. de Roma e o Campo Grande. O photographo aponctou d'alli ao Norte.
 O casal em primeiro plano é da Quinta da Quintinha. Encoberto por si (sobresahindo além do annexo mais à esquerda do portão) vislumbram-se os telhados da quinta dos Coroxéos, as unicas casas que sobreviveram á completa rasia que a construcção do B.º de Alvalade fez n'estas terras.
 O que se avista de casaes, depois, em direcção ao Julio de Mattos, são a quinta dos Auditores ou da Sr.ª de Sant'Anna (eschola primaria de Sancto Antonio e ruas adjacentes) e quinta do Bosque (Pr. de Alvalade e Av. de Roma aprox.). Das azinhagas dos Coroxéos e das Calvanas que eram os caminhos ruraes entre dictas quintas, nada se percebe.
 Adivinha-se a Av. Alferes Malheiro (hoje do Brasil) e, seguindo-a com os olhos através da imagem, nota-se bem o casario no logar do Pote d'Agua, a onde levava a estrada do mesmo nome ou das Amoreiras que partia do largo de Arroios; um caminho mal conhecido que serpenteava pelas terras das futuras avenidas de Roma e do Rio de Janeiro para alli chegar. Além da colina que alli recortava o horizonte era a Portella, onde se edificou o aeroporto.
 Mais haverá de dizer...

A9689.jpg

Vista das terras onde se veio a edificar o B.º de Alvalade, Lisboa, 1945 [1930?].
Eduardo Portugal, in Archivo Photographico da C.M.L.


______

(*) Publicado originalmente em 5/IV/14 ás três e um da tarde e publicado de novo com photographia legendada em 15/VI/2016.

Escrito com Bic Laranja às 22:35
Verbete | comentar
1 comentário:
De Cosmos a 8 de Abril de 2014
Queria sugerir que colocasse duas fotos ou uma apenas, mas identificando no espaço todas as zonas que menciona encontrar na imagem.

Por muito que me esforce não consigo identificar nem metade e gosto mesmo de perceber as diferenças.
obg

Comentar

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
21
23
25
26
27
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____