9 comentários:
De [s.n.] a 5 de Dezembro de 2016
Desculpe sair do tema, deste maravilhoso Horizontes da Memória que ainda não fui rever, mas irei de certeza absoluta.

Estou para falar de um assunto que me incomodou imenso e que aconteceu há várias semanas, mas por um motivo ou outro acabei por não o fazer. Vai hoje.

Sintonizei por mero acaso, no rádio do carro, a Antena 3, coisa que nunca faço, só ouço CD's, mas fi-lo porque o meu CD estava bloqueado. Nisto dou comigo a ouvir um cretino de um Bruno Nogueira, com voz de gozo e tom de parvo, a troçar vergonhosamente de uma psicóloga de apelido Vilaça por esta ter dito numa estação de rádio ou escrito num artigo de jornal ou revista, que comparava o problema físico/mental dos homossexuais com o dos drogados. Não conheço a senhora nem nunca a vi, mas tendo a concordar com a opinião da senhora após esta ter mencionado os problemas de ordem psíquica que afectam estes doentes, porque de doença efectivamente se trata, isto segundo a opinião de médicos conceituados já lá vão muitas décadas, para não dizer séculos. Embora os que defendem o contrário e os próprios em primeiro lugar, claro..., afirmem a pés juntos que não senhor, que os homossexuais (e já agora os bi e os trans) são pessoas completamente normais e iguais a todos os hetero..., contrariando a opinião estabelecida por uma série de investigadores e cientistas ao longo dos últimos séculos.

Nem imagina o modo abaixo de cão como aquele ordinário, Bruno, classificou a senhora e em directo. E repetiu várias vezes as ofensas. E com um tom de voz que mais parecia um carroceiro ou um estivador das docas a falar. E como é que ninguém o interrompeu? Neste regime estão todos feitos uns com os outros, são todos situacionistas. Uma verdadeira vergonha. Se aquele estúpido não se sabe comportar com a educação exigida quando se tem um microfone à frente do nariz, é muito bem feito que fique sem trabalho, pelo menos até ter emenda. Como actor não vale nada e ainda menos vale como humorista, mas o estúpido pensa ser o supra-sumo dos humoristas de Portugal e porventura de todo o Continente. Desconfio que é ele quem 'escreve' os textos e as 'piadas' que debita, nota-se pela péssima qualidade dos mesmos. Mas como ele é um defensor estrénuo dos homossexuais, está sempre safo, mesmo como péssimo humorista trabalho nunca lhe faltará.

Eu, no lugar da psicóloga, movia-lhe um processo. Ele insultou-a não só como pessoa mas também como profissional. Este homem mancha irremediàvelmente a profissão. Ele que escolha outra, há por aí muitos restaurantes a necessitar de criados.

A apologia dos homossexuais no nosso país, é igual à que se processa em Espanha e na realidade em todas as democracias do mundo, com o incentivo da esquerda e extrema esquerda, who else? Com pouco ou nenhum talento, vêmo-los por todo o lado..., então no cinema, nas televisões e no rádio é uma verdadeira festa. Em Espanha são gozados ao máximo e isto desde há décadas.
Exemplos por cá? Há dezenas deles, mas apenas deixo quatro por serem os mais insuportáveis de se verem e ouvirem: o incompetentíssimo, mariquíssimo e parvíssimo Carlos Malato, ainda bem que deixou a apresentação de concursos; o cretiníssimo, parvalhãozíssimo e homossexual declarado e gabando-se disso, o absolutamente insuportável Manuel L. Goucha, que se acha um portento como apresentador e debitador de piadas (sem a mínima graça) e é mau, mau, além de ter um aspecto físico e feições horríveis, sobretudo para quem é visto pelo público cuja imagem agradável, elegante e mesmo bonita (deles e delas), projectada, além de pessoa competente, educada e nada irritante, é de suma importância. Este Goucha ainda tem outro defeito imperdoável (de que sofrem todos os comunistas e ele já afirmou por diversas vezes sê-lo e ser também anti-católico, como convém para ter lugar assegurado numa qualquer televisão, no caso a TVI que não o larga desde há trinta(?) anos!!!) que denuncia o seu mau carácter, tem uma inveja indisfarçável da colega e competente Cristina Ferreira desde sempre, só mete nojo. Este é outro 'apresentador' que devia desaparecer das televisões para sempre.

O Alvim e o Markl, não sendo maricons que se saiba,
são muito maus apresentadores e têm a mania que são muito engraçados mas não têm a mínima piada e também são perfeitamente dispensáveis.
Maria
De Bic Laranja a 5 de Dezembro de 2016
Esse ordinarão do Nogueira anda agora perdido nos recôncavos radiofónicos. Ainda é muito. A estrebaria seria o lugar mais indicado.
Depois de alardear a sua estupidez alarve nas TV com foros de intelectual(óide), alguém deve ter tomado o senso de dizer «o espirituoso vai nu». Mas esta malta é de regime e arranja sempre em que se estribar; normalmente às custas do erário. Já a Rueffa se vê também desterrada para alcantilados de segunda ordem. Calhando por ganharem pó a mais...
O socialismo é isto.
De [s.n.] a 6 de Dezembro de 2016
Completamente d'acordo com o que escreveu. Sim, a asmática Rueff que não tem talento algum, excepto quando era dirigida pelo Herman e mesmo assim... Nunca mais a vi na TV, felizmente e nem sei por onde pára.

Esqueci-me d'outro palerma, o mariquinhas-pé-de-salsa que não vale mesmo nada como apresentador, João Baião. Foram rebuscá-lo ao teatro nem sei por que razão, talvez por nem como actor ter qualquer valia. Ele leva o tempo todo a rir sem motivos para isso. Salta e rebola-se parece um palhaço, mas dos maus, julga que se está no palco. Bate palmas sonoríssimas e solta gargalhadas estridentes ultra desagradáveis a cada convidado que apresenta ou sobre uma parvoíce qualquer que lhe ocorra dizer, mesmo antes do público presente o fazer, sendo para isso mesmo que este foi contratado e não ele, apresentador, que deve ser contido nos gestos e sóbrio nas expressões, esclamações e interjeições. Tem demasiadas saídas da casca e faz perguntas a despropósito quase todas falhas de sentido e sem a mínima piada. Ri-se permanentemente das parvoíces que ele próprio diz... a fazer lembrar no mau sentido o impertinente e irritante Goucha, se calhar quer imitá-lo... Coitada da colega, tenta disfarçar contìnuamente os destemperos de tripas do colega. Mais uma coisa e disto não tem culpa, é um facto que ele tem um físico muito deselegante para apresentador, é gordo em demasia, usa umas calças que lhe salientam os defeitos físicos, tem um rabo que nunca mais acaba (a colega já lhe chamou a atenção para este pormenor) e mete os joelhos pra dentro.

Este é dos tais que devia deixar ràpidamente a apresentação de programas e partir para outra. Talvez voltar ao teatro, por onde já andou, para representar sob a direcção por exemplo do amigo La Féria (outro comunista/situacionista a quem, por isso mesmo, nunca faltaram subsídios para as suas peças e sempre com o apoio do respectivo ministério..., mas este pelo menos parece ter algum talento para aquilo que faz, sendo também verdade que sabe escolher as peças que leva à para atrair muito público, pois como bom alentejano, não interessando para o caso ser igualmente comunista..., gosta muito de dinheiro) com quem de resto já trabalhou e talvez continuasse a escapar como actor. Só quem quisesse é que ía vê-lo ao teatro, ao passo que na televisão muito boa gente é forçada a vê-lo..., menos eu!, passo pelo programa vejo um minuto ou dois só para ver se alguma personalidade interessante está a ser entrevistada e caso não esteja mudo logo de canal. Este Baião é uma verdadeira lástima.

Antes que me esqueça tenho que escrever sobre outro paravalhão, o jornalista Victor Moura Pinto. Este também tem a mania que tem muito humor, que é muito engraçado e muito inteligente. Só diz baboseiras e para mim tem outro defeito que suplanta todos quantos pudesse ter, usa de um sarcasmo permanente e insuportável e troça de um modo violento e inadmissível de todas as personalidades que cita no seu indecente bloco de notícias breves, após os telejornais, empregando um humor corrosivo de baixíssimo nível (a sua própria voz é horrorosa) seja ele o Presidente da República, os Reis de Espanha, os dirigentes do PSD, do CDS, etc. Curiosamente nunca o ouvi troçar dos comunistas nem dos do Bloco..., por que será?

Difìcilmente consigo ouvir este cretino chapado que julga estar a escrever para uma secção de humor negro de um jornal ou revista, para dizer mal de tudo e todos, a fazer-me lembrar o homossexual e piroso Carlos Castro, assassinado em Nova Iorque, que dizia o pior que havia das famílias ricas, inclusivamente difamando-as, invejoso ao máximo que era de todas elas. Há pouco, mal vi o Moura Pinto aparecer na TVI - canal que vejo sobretudo pelas notícias, mas não só - tirei d'imediato o som e deixei d'olhar para a televisão até a criatura ter desaparecido.
Maria

Comentar