9 comentários:
De Bic Laranja a 5 de Dezembro de 2016
Esse ordinarão do Nogueira anda agora perdido nos recôncavos radiofónicos. Ainda é muito. A estrebaria seria o lugar mais indicado.
Depois de alardear a sua estupidez alarve nas TV com foros de intelectual(óide), alguém deve ter tomado o senso de dizer «o espirituoso vai nu». Mas esta malta é de regime e arranja sempre em que se estribar; normalmente às custas do erário. Já a Rueffa se vê também desterrada para alcantilados de segunda ordem. Calhando por ganharem pó a mais...
O socialismo é isto.
De [s.n.] a 6 de Dezembro de 2016
Completamente d'acordo com o que escreveu. Sim, a asmática Rueff que não tem talento algum, excepto quando era dirigida pelo Herman e mesmo assim... Nunca mais a vi na TV, felizmente e nem sei por onde pára.

Esqueci-me d'outro palerma, o mariquinhas-pé-de-salsa que não vale mesmo nada como apresentador, João Baião. Foram rebuscá-lo ao teatro nem sei por que razão, talvez por nem como actor ter qualquer valia. Ele leva o tempo todo a rir sem motivos para isso. Salta e rebola-se parece um palhaço, mas dos maus, julga que se está no palco. Bate palmas sonoríssimas e solta gargalhadas estridentes ultra desagradáveis a cada convidado que apresenta ou sobre uma parvoíce qualquer que lhe ocorra dizer, mesmo antes do público presente o fazer, sendo para isso mesmo que este foi contratado e não ele, apresentador, que deve ser contido nos gestos e sóbrio nas expressões, esclamações e interjeições. Tem demasiadas saídas da casca e faz perguntas a despropósito quase todas falhas de sentido e sem a mínima piada. Ri-se permanentemente das parvoíces que ele próprio diz... a fazer lembrar no mau sentido o impertinente e irritante Goucha, se calhar quer imitá-lo... Coitada da colega, tenta disfarçar contìnuamente os destemperos de tripas do colega. Mais uma coisa e disto não tem culpa, é um facto que ele tem um físico muito deselegante para apresentador, é gordo em demasia, usa umas calças que lhe salientam os defeitos físicos, tem um rabo que nunca mais acaba (a colega já lhe chamou a atenção para este pormenor) e mete os joelhos pra dentro.

Este é dos tais que devia deixar ràpidamente a apresentação de programas e partir para outra. Talvez voltar ao teatro, por onde já andou, para representar sob a direcção por exemplo do amigo La Féria (outro comunista/situacionista a quem, por isso mesmo, nunca faltaram subsídios para as suas peças e sempre com o apoio do respectivo ministério..., mas este pelo menos parece ter algum talento para aquilo que faz, sendo também verdade que sabe escolher as peças que leva à para atrair muito público, pois como bom alentejano, não interessando para o caso ser igualmente comunista..., gosta muito de dinheiro) com quem de resto já trabalhou e talvez continuasse a escapar como actor. Só quem quisesse é que ía vê-lo ao teatro, ao passo que na televisão muito boa gente é forçada a vê-lo..., menos eu!, passo pelo programa vejo um minuto ou dois só para ver se alguma personalidade interessante está a ser entrevistada e caso não esteja mudo logo de canal. Este Baião é uma verdadeira lástima.

Antes que me esqueça tenho que escrever sobre outro paravalhão, o jornalista Victor Moura Pinto. Este também tem a mania que tem muito humor, que é muito engraçado e muito inteligente. Só diz baboseiras e para mim tem outro defeito que suplanta todos quantos pudesse ter, usa de um sarcasmo permanente e insuportável e troça de um modo violento e inadmissível de todas as personalidades que cita no seu indecente bloco de notícias breves, após os telejornais, empregando um humor corrosivo de baixíssimo nível (a sua própria voz é horrorosa) seja ele o Presidente da República, os Reis de Espanha, os dirigentes do PSD, do CDS, etc. Curiosamente nunca o ouvi troçar dos comunistas nem dos do Bloco..., por que será?

Difìcilmente consigo ouvir este cretino chapado que julga estar a escrever para uma secção de humor negro de um jornal ou revista, para dizer mal de tudo e todos, a fazer-me lembrar o homossexual e piroso Carlos Castro, assassinado em Nova Iorque, que dizia o pior que havia das famílias ricas, inclusivamente difamando-as, invejoso ao máximo que era de todas elas. Há pouco, mal vi o Moura Pinto aparecer na TVI - canal que vejo sobretudo pelas notícias, mas não só - tirei d'imediato o som e deixei d'olhar para a televisão até a criatura ter desaparecido.
Maria

Comentar