Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2016

Da estética que nos vendem

Bloco das Águas Livres, Lisboa  (F. M. J. Matias, 1959)

Bloco das Águas Livres, Lisboa, 1959.
Architectos: Nuno Teotónio Pereira, Bartolomeu da Costa Cabral; prémio da I.ª Exp. Gulbenkian, 1955.  Photographia: Fernando Manuel de Jesus Matias, in archivo photographico da C.M.L.


 Do substantivo bloco para designar o que se rotula Arte, aos prèmiozinhosprèmiozões que o corroboram, há todo um sentido do Belo, assaz insensato incensado, que emana não sei donde e resvala para não sei quê. E nós dele con... vencidos.
 Deixá-lo!

 

Escrito com Bic Laranja às 12:46
Verbete | comentar
23 comentários:
De zazie a 21 de Janeiro de 2016 às 14:20
Completamente de acordo.

Há gostos em arquitectura que nunca entendi, ainda que perceba que algumas obras têm qualidade independentemente de não me agradarem.

A arquitectura é das coisas que mais me toca mas praticamente só até à arte deco. A partir daí, passo.
De Zephyrus a 21 de Janeiro de 2016 às 16:17
E com os jardins passa-se o mesmo. Hoje em dia ninguém faz nada como um Botânico de Coimbra ou do Porto.
De zazie a 21 de Janeiro de 2016 às 18:52
Pode crer. Eu sou completamente apanhada por jardins e até acho que gosto de Inglaterra por isso mesmo. Esses preservam-nos.
De Bic Laranja a 22 de Janeiro de 2016 às 17:16
O gosto entende-se. A falta dele é que faz espécie. Foi por onde que enveredámos depois «Português Suave». Cada vez pior, cada vez mais aberrante.
Cumpts.
De Bic Laranja a 22 de Janeiro de 2016 às 20:15
Depois do «Português Suave», digo. Desgraçada pressa.
De zazie a 21 de Janeiro de 2016 às 14:22
A culpa foi do Loos. Tenho para mim que desde aí ficou tudo cúbico ou quadrado e a querer parecer caixas em vez de prédios ou riscos em vez de pinturas.

(mas isto fica aqui no anonimato, porque não posso dizer estas coisas)
De Bic Laranja a 22 de Janeiro de 2016 às 17:21
Já vamos só na forma pela forma. Na falta de ornamento (e de engenho para o fazer) chegámos ao absurdo da forma aberrante ser todo o ornamento.
A falta de engenho para desenhar, p. ex., é mascarada cedo pela «Educação Visual» (ensinar a ver) quando o fundamental seria ensinar a DESENHAR.
O mundo perdeu o senso.
Cumpts.
De zazie a 23 de Janeiro de 2016 às 00:30
E depois acontece algo muito engraçado- só na BD e na Ilustração é que se tem aprender a desenhar mas esses ficam como artistas de 2ª.

ehehehe
De Bic Laranja a 23 de Janeiro de 2016 às 21:20
Verdade.
De Zephyrus a 21 de Janeiro de 2016 às 16:16
Penso exactamente o mesmo que a Zazie. E não é só a arquitectura. É a decoração dos interiores ou o tipo de jardins. A partir da art deco, morre tudo. Aliás, já nem se fazem jardins com árvores. Agora é moda cortar as copas e pôr pavimento.
De Bic Laranja a 22 de Janeiro de 2016 às 17:38
Tem sido moda. Dos planos que soam para a 2.ª circular em Lisboa a moda cambiou em plantar árvores em cimento. À viva fôrça!
Cheira-me que é conforme as parcerias público (cliente) privadas (fornecedor) mais a jeito... Isto de desatar de repente (em 2014) a mutilar o arvoredo em Lisboa e o surgir intempestivo dum fenomenal plano de plantar árvores em tão inesperada via há-de água no bico.
Cumpts.
De ASeve a 21 de Janeiro de 2016 às 18:21
Embora desfasado do tema: -e o novo concurso da RTP1, (em horário nobre) - BEST PICTURE . Ali, de vez em quando, fala-se português...que tristeza.

"QUINTAS" pra cima deles!
De Zephyrus a 22 de Janeiro de 2016 às 19:29
Na minha terra o dia 1 de Novembro era muito respeitado no tempo dos meus avós. Havia o ritual da ida aos cemitérios limpar e caiar as catacumbas (pois era mal visto colocar os caixões na terra) ou os mausoléus. Faziam-se doces especiais nesse dia, queijos de figos e amêndoa, bolos de amêndoa, estrelas de amêndoa e figo, figos recheados, pupias, suspiros. Hoje em dia as novas gerações ignoram por completo estas tradições. E já agora, a cal desapareceu. Usa-se tinta plástica.
De Bic Laranja a 23 de Janeiro de 2016 às 21:30
Portugal é só mais um lugar-comum do admirável mundo novo global. O resto é folclore (se autorizado, não vê as touradas?...)
Cumpts.
De Real a 24 de Janeiro de 2016 às 18:36
Agora chama-se "alô in " e em vez de recordar ou homenagear os finados, celebram-se figuras carnavalescas cridas nos estúdios de Hollywood
De Joe Bernard a 22 de Janeiro de 2016 às 13:13
A única coisa boa dessa construção, foi "A lareira".
Alguém se lembra???
De Bic Laranja a 22 de Janeiro de 2016 às 15:25
Pegou fogo ao prédio?...
Cumpts.
De Joe Bernard a 22 de Janeiro de 2016 às 16:17
"A Lareira" era uma "boîte" que lá havia, bem aconhegadora, por acaso, em que a rapaziada da minha geração ía muito.
Anos 60.
De Bic Laranja a 22 de Janeiro de 2016 às 17:48
Desconhecia.
Obrigado da informação.
De Filipe a 22 de Janeiro de 2016 às 14:33
Os ingleses têm a tradição das avenidas largas com árvores folhosas ou enormes parques que estão verdes todo o ano com relva que todos pisam.

Nós não gostamos muito de árvores em passeios pois as senhoras queixam-se das folhas no Outono, que sujam o passeio, e as copas, que «tiram a vista» à casa e «tapam a luz».

Contudo no passado fizeram-se excelentes jardins em meio urbano e parques. Essa tradição perdeu-se na totalidade quando surgiu a selvajaria urbana no final dos anos 60. A praça ajardinada portuguesa é única no mundo e as que existem têm sido descaracterizadas.

O nosso jardim por tradição inclui espécies de todos os continentes. As casas dos «brasileiros» do século XIX também costumavam ter bons jardins.

Nós temos uma tradição extraordinária no Norte, mormente no Porto, que é a tradição das moradias com logradouros. Hortas em meio urbano, nunca vi nada assim na Europa. Nos últimos quarenta anos essas moradias têm sido demolidas para dar lugar a mamarrachos.

Outro problema que temos: a destruição das espécies nativas. Caso do Choupal de Coimbra. Os choupos, salgueiros, freixos ou carvalhos têm sido substituídos por eucaliptos e acácias.

Temos falta de uma rede nacional de florestas nativas. Praticamente temos as matas plantadas no passado para estabilizar as areias do litoral. E os pinheiros não representam a nossa floresta. Nós temos mais de 40 árvores e arbustos e temos espécies só nossas prestes a desaparecer. Caso do carvalho-roble que existe a Sul do Tejo. O carvalho-das-canárias já está extinto em Monchique. E na Arrábida já desapareceram as palmeiras-das-vassouras com porte arbóreo.
De Zephyrus a 22 de Janeiro de 2016 às 15:10
Este comentário é meu.
De Bic Laranja a 23 de Janeiro de 2016 às 21:39
Os jardins e os relvados dão trabalho neste nosso clima. E este nosso clima amolece-nos a jardinagem. O resto é ganância, de homens públicos e — não nos iludamos — sobretudo particulares.
Se houver uma cultura que dê mais, todas as demais serão desprezadas sem importar que acabem.

Cumpts.

Comentar

Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____