Terça-feira, 8 de Agosto de 2023

De talões

 Pela lógica um talão será um talo, só que avantajado. Mas não. Nada disso. É antes uma tirinha de papel que sai da caixa registadora. Uma coisinha mínima e, a final, sem importância por aí além. Bem que lá terá o seu custo, como tudo, e o friamista onde às vezes a senhora vai ao queijo e ao friame bem lhe custa dá-lo às frèguêsas. Numas esquece-se, noutras faz-se assim esquècido, mas isso também não é caso…

 O caso é que o papelucho, o tal talão, bem entendido, dá-me jeito, já para conferir a despêsa, já para no verso fazer o rol das compras àmanhã, pelo que toma mais valor do que o que lhe o friamista dá, porque êle só lhe conta o custo.

 Meu pai também lhe dava jeito. Quando puseram os euros, fazia contas às compras no verso dos talões da caixa, em euros e em dinheiro (i.é, escudos); escrevia assim mesmo dois títulos — «euro» e «dinheiro» —, onde assentava por baixo o câmbio da despêsa e assim tomava noção do valor do que gastava.

 Eu, como digo, dou-lhe uso para arrolar as próximas compras porque isto a cabeça não dá para tudo e quando me cumpre fazê-las sem lista esquece-me a metade e compro a outra metade tôda ao contrário do que devia. Uma coisa prática, por tanto.

Talão do super (verso), Portugal — MMXXIII
Êste uso prático dos talões da caixa registadora é só o meu caso particular. Alguns pagãos agora aí, porém, tão devotos do culto de Gea — ou da preservação do planeta como dizem os jornalistas — acham-lhe porém elevada virtude se usarem o verso dos talões para evangelizar o comum cliente no rito da coisa e tolhê-lo de, de outro modo, poder pecar com róis de compras ou outros escritos blasfemos. É isto assim como estarmos postos em sossêgo e passar por nós um dêsses modernos automóveis a pilhas; sente-se-lhe cheiro de santidade…

 Pois tal é o caso do Lido. (Já 'gora faço um parêntesis: é isto mesmo assim, Lido, porque não há outra maneira de pronunciar em português um nome de sòmente quatro letrinhas em que três delas são consoantes; é uma possibilidade sonora só ao nível do grunhido; ora como não tenho o português por idioma de grunhos…)

 Porém êle há outros, não só o Lido. Normalmente multinacionais do género ou nacionais de nomeada — grandes superfícies, como dizem os jornalistas; catedrais do consumo, também dizem, e parece-me esta muito bem, porque no fundo são instituìções religiosas, como está bom de perceber…

 Sucede no fim de tudo que o pobre do friamista não é nada disto. Êle faz meramente as contas aos talões que gasta a imprimir na frente e que deixa de imprimir no verso sem mais devoção cristã ou pagã nem recados evangélicos aos frèguêses. Negócio para si é negócio, não há-de misturá-lo nem pôr-lhe água benta. Com êle, contas são contas, e as contas são simples, não fôssem elas de merceeiro.

 Eu, por mim, prefiro. É mais sincero e acaba-me por dar mais jeito. Mas tem é de se lhe pedir o talão.

*  *  *

Mercearias e cereaes, J. Martins & C.ª (M. Novais, s.d.)
Mercearias, cereaes, azeites, J. Martins da Silva & C.ª, [s.d.]
Mário Novais, in Biblioteca d' Arte da F.C.G.

 

(Revisto às 5 e 10 da tarde.)

Escrito com Bic Laranja às 15:16
Verbete | comentar
20 comentários:
De [s.n.] a 9 de Agosto de 2023
O talão ou a factura simplificada ?

Cumpts.
De Bic Laranja a 10 de Agosto de 2023
É uma questão muito bem posta. Esquèceu-me ela, todavia. Inteiramente. Como só uso os talões para contas de dona de casa e para róis, como disse, essa qualidade do talão boa para fiscais das Finanças passou-me.
Aliás, foi justamente para pôr o contribuinte ingénuo a contribuir ainda mais para o esbulho geral que o simples talãozinho de caixa foi graduado há uns anos em factura por artes do Diário oficial e com direito a sorteio de cenoura tipo Totoloto.
Não é como lidar com a gente. De maneira que quando me entoam como quem gagueja se é concontribuinte, respondo sempre baixinho como para não levantar suspeitas: — Fica só entre nós!

Cumpts.
De José Leite a 9 de Agosto de 2023
Aproveito este oportuno post seu, a propósito de talões, para comentar o seguinte:
"A bem" da ecologia os grandes fornecedores (energia, água, Tv por cabo, etc.) desataram a substituir o envio físico das facturas por CTT, e a enviar por e-mail. Quem quiser o papel tem de pedir ... Até aí, até aceito.
Só que não fomos beneficiados na poupança substancial dessas empresas em correios, papel, tinteiros, impressoras, etc. Pelo contrário, servem-se do nosso e-mail para lguns deles (caso do meu fornecedor de TV por cabo e internet) para nos "bombardear" quase diariamente, repito quase diariamente, com e-mails de propaganda aos seus produtos, filmes, futebóis, etc. Não posso bloquear o endereço, a fim de não receber publicidade não solicitada, caso contrário não receberei a facturinha ... e eles sabem disso. Dirão alguns que "é a democracia a funcionar" ...
Cumprimentos
José Leite
De Figueiredo a 9 de Agosto de 2023
Hoje existe uma ferramenta extraordinária para expor esse tipo de situações, o Livro de Reclamações digital, onde o Senhor desde o conforto da sua casa pode redigir uma exposição para resolver o problema que o afecta causado por terceiros.

Experimente que vale a pena, não só nessa questão que o importuna como em qualquer outra da qual venha a sair prejudicado.

O Livro de Reclamações digital não dá hipótese e deixa as empresas criminosas, que actuam de má-fé, numa situação complicada, porque antes as pessoas desistiam de expor e fazer valer os seus direitos porque não estavam para estar ali a pedir o Livro de Reclamações - que por vezes era negado - ou a ter de estar a escrever no local.
De José Leite a 9 de Agosto de 2023
Muito grato pela sua gentileza, sr. Figueiredo
Cumprimentos
José Leite
De Manuel da Rocha a 21 de Agosto de 2023
Mão vale de nada.
É que as operadoras de serviços básicos (internet, tv, água, gás e electricidade) possuem aqueles 50000 alíneas que as pessoas subscrevem ao aceitar a factura electrónica (e a ERC permite a cobrança de, até, 4 euros mensais, caso o cliente queira a factura física, enviada pelos ctt). Várias dessas alíneas incluem o envio de publicidade. MEO e NOS (que conheço ambas) aproveitam o envio da factura electrónica, para os chico-espertos que não colocaram o certo nos 3 quadrados seguintes, impedindo a operadora e enviar promoções de terceiros, para enviar a "newsletter", em que promovem tudo e mais alguma coisa, que não está ligado aos serviços subscritos. Já reclamei, de várias formas, e a resposta foi sempre a mesma "a empresa cumprem as normas de privacidade e marketing". O mesmo para quem tem cartões telefónicos daquelas operadoras de pré-carregamentos, em que as operadoras incluem o "envio de publicidade de terceiros", que a Wizink, seguros de saúde e empresas de créditos, tanto usam para "recrutar clientes".
De Bic Laranja a 22 de Agosto de 2023
Não sofro do problema, portanto não saberei dizer. Todavia, numa contenda doutro género com a minha companhia dos telefones, só se resolveu com reclamação manuscrita no livro autêntico, o de papel. E foi a conselho do próprio empregado vendo a minha razão, quando levava já um par de meses em que ele por canais internos tentava sem êxito que as instâncias de sua empresa me resolvessem o caso. Assim, de sexta para segunda resolveu-se que foi um regalo.
Cumpts.
De Bic Laranja a 10 de Agosto de 2023
Oportuno o seu comentário.
De feito, o dízimo ecológico por «amor a Deus» ou à deusa do planeta fica com êsse novo «clero» auto-eleito.
Há coisas que nunca mudam ou sequer mudam de feição. Peor a cada dia, quando morreu a moral e se já perdeu a vergonha, como é o caso.
Valha-nos o tal livro das lamentações, se se prova realmente eficaz. Hajamos fé!…
Cumpts.
De Figueiredo a 9 de Agosto de 2023
O «...evangelizar...» que refere tem um objectivo, fazer com as pessoas se fartem da propaganda enganosa que lá vem impressa no verso e mudem para os talões digitais, mas não resulta, porque para isso você terá que instalar uma aplicação digital no seu telemóvel inteligente («smartphone» em Inglês) que por sua vez – após a instalação – fica habilitada a aceder e utilizar diversos dados e ferramentas do dispositivo, como por exemplo, as fotografias, mensagens, registo de chamadas, localização, identidade do aparelho, e a tirar fotografias e efectuar gravação de vídeo através da câmara do telemóvel assim como proceder à gravação/recolha de áudio pelo microfone.

Só quem realmente não tem noção é que instala tal aplicações no seu telemóvel inteligente.

Note-se que a digitalização não é um mal, até é útil e mais prático podermos aceder a uma quantidade de documentação pela via digital, o problema é que essa via só pode ser aplicada se o Estado criar o seu próprio sistema informático, as suas próprias aplicações digitais, que não violem a privacidade do usuário como acontece e obrigasse os privados a criar aplicativos que não recolham dados nem acedam às funcionalidades do dispositivo.

Nenhuma aplicação para telemóvel precisa de aceder a qualquer tipo de dados ou funcionalidades do dispositivo para funcionar.
De Bic Laranja a 10 de Agosto de 2023
O caso parece-me mais complexo, mas o resultado será à mesma a saturação da gente e a cedência, a final, a essa panóplia de meios subreptícios que nos invadem e perscrutam a vida pessoal.
A propaganda explícita e saturante à beatitude
destas grandes empresas nas causas promovidas pelo Poder e pela burocracia é em muito para lhe serem reconhecidas certificações, licenças e privilégios e/ou para se livrarem de multas e seguirem no negócio sem contratempos burocráticos. Isto, pondo em termos muito, muito simples.
No fundo, o Poder e as grandes andam bem entendidos e a gente é mero joguete para si, para êles.
Cumpts.
De gato a 9 de Agosto de 2023
Eu sou como o Senhor seu Pai. Antes de comprar converto para Escudos para saber o preço real.
A vodafode cobra-me pela factura em papel. Estou-me cagando. Se houver caca, o preto no branco é que vale.
Não tenho algum smartfone; só tenho stupidfones.
Quando me ligam por qualquer prurido (para eles) digo logo que escrevam as comichões. Nada aparece.
Um paíseco de bosta — que saudades do preto mamadou baila ba que até era devedor ao fisco.
Cumps
De Bic Laranja a 10 de Agosto de 2023
Essa de pedir por escrito é boa. Hei-de aplicá-la.
Tôdos êsses adeantados empresariais cobram a factura em papel, como se fôsse um saco plástico. Como se não tivessem o dever de a dar ao cliente. Valem-se de electrões para verter o custo duma folhinha impressa sôbre o cliente. E espèculam margem de no prêco como se fôsse mais uma venda. Miseráveis!
Isso dos telefoninhos e tudo o que são agora smarties é a teia em que nos envolvem. Em que nos amorfamente enredamos. Mas a P.I.D.E. eram os outros…
Cumpts.
De Percival a 11 de Agosto de 2023
Será que o talão fica mesmo mais ecológico com tanta tinta esparramada em cima do papel?
De Bic Laranja a 11 de Agosto de 2023
É como o litro. Interessa é apregoar o peixe.
Cumpts.
De [s.n.] a 12 de Agosto de 2023
Também, e que dizer, à 'a continha é pra já' no restaurante feita no papel toalha.

E, como não foi feito desconto, lá se vai, ou melhor dizendo lá fica o IVA no armazém.

Cumpts.
De Bic Laranja a 12 de Agosto de 2023
Entendo. Mas por mim, fica melhor assim que na thesouraria da Fazenda.
Cumpts.
De Manuel da Rocha a 21 de Agosto de 2023
Outro problema é quando precisa de ir trocar algo.
Numa loja dessas de multinacionais, tenho a app, que permite optar por receber só o talão electrónico. Um dia, com a namorada, fui comprar uns produtos, usei a app mas, devido a falha do serviço de internet, o talão não ficou completo (faltou o código QR). 3 dias depois, fui lá para trocar um dos produtos, não pude trocar. Sem o talão não podem fazer a troca. Como o talão digital não dava para passar na máquina, para validar que a compra era aquela, não me trocaram o produto. Tive de fazer uma reclamação e um pedido de segunda via do talão (que tinha todos os dados, na app, menos o QR), que demorou 18 dias. Quando corrigiram a falha, dirigi-me lá, queriam descartar-se, pois só tinha 7 dias para poder trocar e receber o valor. Só depois de pedir o livro de reclamações, o chefe lá aceitou devolver-me os 144 euros, como se estivesse a fazer um favor do tamanho do mundo.
Desde o dia seguinte, renunciei ao talão electrónico, apaguei a app, sendo que já realizámos algumas devoluções e trocas, usando os papéis, em que ninguém impôs obrigações.
De Bic Laranja a 22 de Agosto de 2023
Cá está! Bem dizia outro leitor. O papel fala mais alto. Os vindouros dirão se o digital não passará, a final, dum monumental apagão.
Cumpts.
De Pedro Baptista a 17 de Setembro de 2023
Certeiro! Eu também utilizava o papel do "Lido" para as minhas listas futuras de compras...
Estes "evangelizadores" muito devotos esquecem-se, no entanto, que reutilizar é um dos "3R" da regra dos gurus da ecologia. Reutilizar e depois reciclar é melhor que só reciclar.
Abraço
De Bic Laranja a 19 de Setembro de 2023
Cheira-me cá que aproveitaram para se mostrarem virtuosos porque o cheiro de santidade ambiental lhe torna a vida mais sustentável: ou traz subsídio ou, no mínimo, os livra dalguma falha nalguma auditoria.
A lógica que aponta está certa, mas não há-de ter sido por ela, cuido.
Cumpts.

Comentar

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____