20 comentários:
De [s.n.] a 9 de Agosto de 2023
O talão ou a factura simplificada ?

Cumpts.
De Bic Laranja a 10 de Agosto de 2023
É uma questão muito bem posta. Esquèceu-me ela, todavia. Inteiramente. Como só uso os talões para contas de dona de casa e para róis, como disse, essa qualidade do talão boa para fiscais das Finanças passou-me.
Aliás, foi justamente para pôr o contribuinte ingénuo a contribuir ainda mais para o esbulho geral que o simples talãozinho de caixa foi graduado há uns anos em factura por artes do Diário oficial e com direito a sorteio de cenoura tipo Totoloto.
Não é como lidar com a gente. De maneira que quando me entoam como quem gagueja se é concontribuinte, respondo sempre baixinho como para não levantar suspeitas: — Fica só entre nós!

Cumpts.
De José Leite a 9 de Agosto de 2023
Aproveito este oportuno post seu, a propósito de talões, para comentar o seguinte:
"A bem" da ecologia os grandes fornecedores (energia, água, Tv por cabo, etc.) desataram a substituir o envio físico das facturas por CTT, e a enviar por e-mail. Quem quiser o papel tem de pedir ... Até aí, até aceito.
Só que não fomos beneficiados na poupança substancial dessas empresas em correios, papel, tinteiros, impressoras, etc. Pelo contrário, servem-se do nosso e-mail para lguns deles (caso do meu fornecedor de TV por cabo e internet) para nos "bombardear" quase diariamente, repito quase diariamente, com e-mails de propaganda aos seus produtos, filmes, futebóis, etc. Não posso bloquear o endereço, a fim de não receber publicidade não solicitada, caso contrário não receberei a facturinha ... e eles sabem disso. Dirão alguns que "é a democracia a funcionar" ...
Cumprimentos
José Leite
De Figueiredo a 9 de Agosto de 2023
Hoje existe uma ferramenta extraordinária para expor esse tipo de situações, o Livro de Reclamações digital, onde o Senhor desde o conforto da sua casa pode redigir uma exposição para resolver o problema que o afecta causado por terceiros.

Experimente que vale a pena, não só nessa questão que o importuna como em qualquer outra da qual venha a sair prejudicado.

O Livro de Reclamações digital não dá hipótese e deixa as empresas criminosas, que actuam de má-fé, numa situação complicada, porque antes as pessoas desistiam de expor e fazer valer os seus direitos porque não estavam para estar ali a pedir o Livro de Reclamações - que por vezes era negado - ou a ter de estar a escrever no local.
De José Leite a 9 de Agosto de 2023
Muito grato pela sua gentileza, sr. Figueiredo
Cumprimentos
José Leite
De Manuel da Rocha a 21 de Agosto de 2023
Mão vale de nada.
É que as operadoras de serviços básicos (internet, tv, água, gás e electricidade) possuem aqueles 50000 alíneas que as pessoas subscrevem ao aceitar a factura electrónica (e a ERC permite a cobrança de, até, 4 euros mensais, caso o cliente queira a factura física, enviada pelos ctt). Várias dessas alíneas incluem o envio de publicidade. MEO e NOS (que conheço ambas) aproveitam o envio da factura electrónica, para os chico-espertos que não colocaram o certo nos 3 quadrados seguintes, impedindo a operadora e enviar promoções de terceiros, para enviar a "newsletter", em que promovem tudo e mais alguma coisa, que não está ligado aos serviços subscritos. Já reclamei, de várias formas, e a resposta foi sempre a mesma "a empresa cumprem as normas de privacidade e marketing". O mesmo para quem tem cartões telefónicos daquelas operadoras de pré-carregamentos, em que as operadoras incluem o "envio de publicidade de terceiros", que a Wizink, seguros de saúde e empresas de créditos, tanto usam para "recrutar clientes".
De Bic Laranja a 22 de Agosto de 2023
Não sofro do problema, portanto não saberei dizer. Todavia, numa contenda doutro género com a minha companhia dos telefones, só se resolveu com reclamação manuscrita no livro autêntico, o de papel. E foi a conselho do próprio empregado vendo a minha razão, quando levava já um par de meses em que ele por canais internos tentava sem êxito que as instâncias de sua empresa me resolvessem o caso. Assim, de sexta para segunda resolveu-se que foi um regalo.
Cumpts.
De Bic Laranja a 10 de Agosto de 2023
Oportuno o seu comentário.
De feito, o dízimo ecológico por «amor a Deus» ou à deusa do planeta fica com êsse novo «clero» auto-eleito.
Há coisas que nunca mudam ou sequer mudam de feição. Peor a cada dia, quando morreu a moral e se já perdeu a vergonha, como é o caso.
Valha-nos o tal livro das lamentações, se se prova realmente eficaz. Hajamos fé!…
Cumpts.
De Figueiredo a 9 de Agosto de 2023
O «...evangelizar...» que refere tem um objectivo, fazer com as pessoas se fartem da propaganda enganosa que lá vem impressa no verso e mudem para os talões digitais, mas não resulta, porque para isso você terá que instalar uma aplicação digital no seu telemóvel inteligente («smartphone» em Inglês) que por sua vez – após a instalação – fica habilitada a aceder e utilizar diversos dados e ferramentas do dispositivo, como por exemplo, as fotografias, mensagens, registo de chamadas, localização, identidade do aparelho, e a tirar fotografias e efectuar gravação de vídeo através da câmara do telemóvel assim como proceder à gravação/recolha de áudio pelo microfone.

Só quem realmente não tem noção é que instala tal aplicações no seu telemóvel inteligente.

Note-se que a digitalização não é um mal, até é útil e mais prático podermos aceder a uma quantidade de documentação pela via digital, o problema é que essa via só pode ser aplicada se o Estado criar o seu próprio sistema informático, as suas próprias aplicações digitais, que não violem a privacidade do usuário como acontece e obrigasse os privados a criar aplicativos que não recolham dados nem acedam às funcionalidades do dispositivo.

Nenhuma aplicação para telemóvel precisa de aceder a qualquer tipo de dados ou funcionalidades do dispositivo para funcionar.
De Bic Laranja a 10 de Agosto de 2023
O caso parece-me mais complexo, mas o resultado será à mesma a saturação da gente e a cedência, a final, a essa panóplia de meios subreptícios que nos invadem e perscrutam a vida pessoal.
A propaganda explícita e saturante à beatitude
destas grandes empresas nas causas promovidas pelo Poder e pela burocracia é em muito para lhe serem reconhecidas certificações, licenças e privilégios e/ou para se livrarem de multas e seguirem no negócio sem contratempos burocráticos. Isto, pondo em termos muito, muito simples.
No fundo, o Poder e as grandes andam bem entendidos e a gente é mero joguete para si, para êles.
Cumpts.
De gato a 9 de Agosto de 2023
Eu sou como o Senhor seu Pai. Antes de comprar converto para Escudos para saber o preço real.
A vodafode cobra-me pela factura em papel. Estou-me cagando. Se houver caca, o preto no branco é que vale.
Não tenho algum smartfone; só tenho stupidfones.
Quando me ligam por qualquer prurido (para eles) digo logo que escrevam as comichões. Nada aparece.
Um paíseco de bosta — que saudades do preto mamadou baila ba que até era devedor ao fisco.
Cumps
De Bic Laranja a 10 de Agosto de 2023
Essa de pedir por escrito é boa. Hei-de aplicá-la.
Tôdos êsses adeantados empresariais cobram a factura em papel, como se fôsse um saco plástico. Como se não tivessem o dever de a dar ao cliente. Valem-se de electrões para verter o custo duma folhinha impressa sôbre o cliente. E espèculam margem de no prêco como se fôsse mais uma venda. Miseráveis!
Isso dos telefoninhos e tudo o que são agora smarties é a teia em que nos envolvem. Em que nos amorfamente enredamos. Mas a P.I.D.E. eram os outros…
Cumpts.
De Percival a 11 de Agosto de 2023
Será que o talão fica mesmo mais ecológico com tanta tinta esparramada em cima do papel?
De Bic Laranja a 11 de Agosto de 2023
É como o litro. Interessa é apregoar o peixe.
Cumpts.
De [s.n.] a 12 de Agosto de 2023
Também, e que dizer, à 'a continha é pra já' no restaurante feita no papel toalha.

E, como não foi feito desconto, lá se vai, ou melhor dizendo lá fica o IVA no armazém.

Cumpts.
De Bic Laranja a 12 de Agosto de 2023
Entendo. Mas por mim, fica melhor assim que na thesouraria da Fazenda.
Cumpts.
De Manuel da Rocha a 21 de Agosto de 2023
Outro problema é quando precisa de ir trocar algo.
Numa loja dessas de multinacionais, tenho a app, que permite optar por receber só o talão electrónico. Um dia, com a namorada, fui comprar uns produtos, usei a app mas, devido a falha do serviço de internet, o talão não ficou completo (faltou o código QR). 3 dias depois, fui lá para trocar um dos produtos, não pude trocar. Sem o talão não podem fazer a troca. Como o talão digital não dava para passar na máquina, para validar que a compra era aquela, não me trocaram o produto. Tive de fazer uma reclamação e um pedido de segunda via do talão (que tinha todos os dados, na app, menos o QR), que demorou 18 dias. Quando corrigiram a falha, dirigi-me lá, queriam descartar-se, pois só tinha 7 dias para poder trocar e receber o valor. Só depois de pedir o livro de reclamações, o chefe lá aceitou devolver-me os 144 euros, como se estivesse a fazer um favor do tamanho do mundo.
Desde o dia seguinte, renunciei ao talão electrónico, apaguei a app, sendo que já realizámos algumas devoluções e trocas, usando os papéis, em que ninguém impôs obrigações.
De Bic Laranja a 22 de Agosto de 2023
Cá está! Bem dizia outro leitor. O papel fala mais alto. Os vindouros dirão se o digital não passará, a final, dum monumental apagão.
Cumpts.
De Pedro Baptista a 17 de Setembro de 2023
Certeiro! Eu também utilizava o papel do "Lido" para as minhas listas futuras de compras...
Estes "evangelizadores" muito devotos esquecem-se, no entanto, que reutilizar é um dos "3R" da regra dos gurus da ecologia. Reutilizar e depois reciclar é melhor que só reciclar.
Abraço
De Bic Laranja a 19 de Setembro de 2023
Cheira-me cá que aproveitaram para se mostrarem virtuosos porque o cheiro de santidade ambiental lhe torna a vida mais sustentável: ou traz subsídio ou, no mínimo, os livra dalguma falha nalguma auditoria.
A lógica que aponta está certa, mas não há-de ter sido por ela, cuido.
Cumpts.

Comentar