Domingo, 16 de Março de 2014

Descobertas do Congo, de Angola e a atroz colonização portuguesa



« [...] Naquele ano, pois, de 1482, por certo antes de Agosto, e possìvelmente na Primavera, Diogo Cão partiu; deteve-se algum tempo, como era lógico e informa João de Barros, na feitoria da Mina. Retomando a viagem e ultrapassado aquele cabo [de Santa Catarina, a 1º 40' lat. S], prolongou o reconhecimento da costa até um pouco a sul do cabo do Lobo ou Santo Agostinho, actualmente cabo de Santa Maria (13º 26' lat. S), ou seja por um espaço de 10º. O mapa de Soligo, a que nos referimos, regista os topónimos dos acidentes geográficos descobertos entre os quais avulta o Rio Poderoso, nome com que primeiro se designou um dos maiores rios do continente africano, o Zaire.
   [...]
   Aplicando o método hagiológico, que relaciona os topónimos de nomes de santos com a data da festa respectiva no calendário, pode rastrear-se o ritmo da viagem. Supõe Damião Peres, reportando-se ao padrão de S. Jorge, que o estuário do Zaire tenha sido visitado em 23 de Abril de 1483, e o cabo do Lobo também chamado de Santo Agostinho e assinalado de igual forma, a 28 de Agosto daquele ano.
   Facto da maior importância: Diogo Cão trouxe na torna viagem alguns indígenas congoleses, recolhidos no estuário do Zaire, e a notícia de que para o interior, cortado pelo curso desse rio, existia um grande reino, a cujo chefe ele enviara emissários com um presente [1]. Iniciava-se assim o descobrimento humano e duma vasta comunidade de cultura, sobre que iam assentar os fundamentos da província portuguesa de Angola.
    [...]
   Obedecendo a novo mandado do monarca, Diogo Cão partia em 1485 para outra viagem de descobrimento, levando de retorno os quatro indígenas congoleses que, na foz do Zaire, trocou pelos emissários portugueses que ali deixara. Uns e outros se haviam mutuado o conhecimento das línguas próprias; continuava-se a prática, iniciada em tempo do Infante D. Henrique, da formação dos intérpretes, que permitiam um contacto mais íntimo entre descobridores e os aborígenes. Continuando a viagem, por mais 1400 quilómetros, Diogo Cão percorreu os litorais africanos da actual província de Angola, já em parte explorada durante a viagem anterior, e penetrou nos da Damaralândia até ao lugar da costa, que ficou tendo por conhecença a Serra Parda, cerca de 22º de lat. austral.
   [Na] informação de Barros, segundo a qual Diogo Cão, no regresso, fora visitar o rei do Congo à sua corte, tanto este historiador, como os cronistas Rui de Pina e Garcia de Resende contam o facto, dando-lhe grande e merecido relevo: informa o último que o rei do Congo recebeu com o maior alvoroço a embaixada portuguesa e os quatro congoleses que regressavam de Portugal, e em troca mandou a el-rei por embaixador Caçuta [...], homem muito principal e a ele mui aceite, que depois de ser cristão, houve nome D. João da Silva [...], o qual trouxe a el-rei [D. João II] um presente de muitos dentes de elefantes e coisas de marfim lavradas, muitos panos de palma bem tecidos e com finas cores. Fiado no cumprimento da primeira promessa do capitão português, que devolvera à terra natal os quatro congoleses, agora bem vestidos e contando maravilhas sobre o tratamento recebido e o novo mundo de cultura entrevisto em Portugal, o rei do Congo (conta Resende), mandou pedir a D. João II que lhe mandasse logo frades e clérigos e todas as coisas necessárias para ele e os de seus reinos receberem a água do baptismo; [...] pedreiros e carpinteiros [...] e também lavradores para lhe amansarem bois e lhe ensinarem a aproveitar a terra e assim algumas mulheres para ensinarem as de seu reino a amassar o pão, porque levaria muito contentamento por amor dele que as coisas de seu reino se parecessem com as de Portugal . O rei indígena enviou também alguns moços do seu reino para que em Portugal aprendessem a língua, os costumes e a religião dos portugueses.» [2]


Roque Gameiro, Diogo Cão (aguarela)


[1] «[...] e vendo que os negros da terra se fiauão delle, e entrauão ja nos nauios, determinou não esperar os Christãos que mandara, e partirse com alguns daquelles negros, e assi fez. Porque os que primeiro se fiarão, e vierão á frota, acolheos [acolheu-os] dentro, e não os deyxou mais sayr a terra, e se veo com elles pera Portugal, não nos trazendo como captiuos, mas com fundamento que despois de aprenderem a lingoa, e costumes nossos, e a tenção del Rey [D. João II], tornarião a Manicongo, e per elles se poderia bem saber tudo o que comprisse de hũa parte e da outra [...]» (Garcia de Resende, Chronica dos Valerosos e Insignes feitos del Rey Dom Ioam II, Coimbra, Real Officina da Universidade, 1788, p. 222.)
[2] Jaime Cortesão, Os Descobrimentos Portugueses - III, [Lisboa], I.N.C.M., imp. 1990, pp. 590-592.


Mapa: Cristoforo Soligo (1485-6), in A.F. Mata,Tropicália, 1/II/2011.
Aguarela: Roque Gameiro, Diogo Cão [s.d.], in Luís de Albuquerque, Navegadores Viajantes e Aventureiros Portugueses. Sécs. XV e XVI, Vol. I, Círculo de Leitores, [s.l.], 1987, p. 73.

Escrito com Bic Laranja às 19:45
Verbete | comentar
3 comentários:
De Inspector Jaap a 20 de Março de 2014
Mais uma vez, um grande título; com efeito os Portugueses eram mesmo maus e sanguinários para com os gentios; se calhar terá sido por isso, que um, geograficamente minúsculo país europeu, conseguiu manter o seu império colonial muito para além das grandes potências europeias, o que se tornou insuportável para estas, que tudo terão feito para o liquidar… só não vê que é cego ou de má-fé.
Cumpts
De Bic Laranja a 22 de Março de 2014
O que diz é certeiro.
Como manteve Portugal cinco séculos de soberania em tanta parte com um comportamento tão odioso?
Como foi que ainda assim houve gente em Timor que guardasse religiosamente até ontem a bandeira da Sra. D.ª Maria I?
Ou que nem a China reivindicasse nunca Macau?
Talvez em África fosse diferente... Talvez os negros que desaguaram em Portugal desde que são independentes saibam responder...
Cumpts.
De Inspector Jaap a 23 de Março de 2014
Para esta gente menor que assola o território nacional, o que menciona, são casos de honradez que lhes não cabem no bestunto; pois poderão eles alguma vez, perceber o sentido da honra por parte do timorense que menciona, e que, com risco da própria vida, provavelmente por decapitação, como é(ra) uso para aquelas bandas, guardou, como justamente diz, a nossa bandeira e que só exigiu que lhe pagassem (30$00/ano?) para a devolver? Ou o caso daquele negro guineense que esteve aqui atrasado naquela odiosa estação de televisão que dá pelo nome de RTP (a falta dos pontos é propositada) e que foi instado a justificar por que razão não tinha desertado, e quiçá, colaborado nas atrocidades habituais, também lá, à época; ou ainda a dignidade com que o governo chinês se recusou, ao princípio, a receber Macau, já que tinha sido uma dádiva dos seus Maiores a Portugal, como prova de reconhecimentos pelos serviços prestados pelos Portugueses contra a pirataria que grassava no Mar Amarelo? Falamos pois, de ofídios no sentido mais absoluto do termo.
Cumpts

Comentar

Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____