Sábado, 25 de Maio de 2024

O marcelismo desta gente

M.ª Helena Prieto, «A porta de Marfim», Lisboa, Verbo, 1992; J. V. Serrão, «Correspondência com Marcello Caetano 1974-80», 2.ª ed., Bertrand, Venda Nova, 1995; Marcelo Caetano, «Páginas Inoportunas», Bertrand, Lisboa, [1958]


 Só vi o título. Os da «Sábado» — uma revistazeca brasileira que se publica em Portugal à sexta ou à quinta, nem sei… — descobriram esta semana a «Porta de Marfim». Mas não sei se leram. Resolveram, em todo caso, fazer a quadrilhice de que só são capazes: reles e, requentada, pois cuido já ter lido em tempos nesta espécie de imprensa intriga parecida sobre o mesmo.

 Não devem ter lido a «Porta de Marfim», como digo, porque, jornalistas quadrilheiras de nomeada que são, não escolheram para chamada de capa a quadrilhice mais natural e actual que lá vem (na «Porta de Marfim») e, já agora, de melhor nível, até porque aparece sòmente como subtil ironia a coroar outro assunto, que era o da missiva e principal no espírito do Prof. Marcello Caetano.

« É certo que, à parte as de 1969, não consegui fazer eleições que se impusessem pelos seus resultados, porque os adversários as boicotavam e nos deixavam sozinhos em campo. As oposições não eram ao Governo, mas à Constituição e ao regime, e todos os esforços que fiz para criar uma força política que dentro da órbita constitucional competisse com a A.N.P. (grupo de deputados liberais, SEDES, de que fui o único fundador...) tudo isso esbarrou com a incompreensão e espírito contestário dos meus próprios amigos. Agora têm o que merecem... Mas participam, partilham... Das anedotas que o Marcelinho R. de S. conta perfidamente na «Gente» [coluna social do Expresso]. Estão felizes.»

(Carta do prof. Marcello Caetano à prof.ª M.ª Helena Prieto em 9 de Maio de 1978, in A Porta de Marfim, Lisboa, Verbo, 1992, p. 108; o sublinhado em normando é meu.)

 Se por ventura até leram, não perceberam nada.

 De toda a maneira também eu não li o artiguelho das quadrilheiras da «Sábado», que mais não são que um sucedâneo da quadrilheira-mór de Cascais-Belém. Depois, só a imagem a compor o ramalhete diz logo tudo da intenção sórdida do que escrevem.

Sábado, 23/V/24
Sábado, 23/V/24

 

Escrito com Bic Laranja às 11:09
Verbete | comentar
9 comentários:
De Figueiredo a 26 de Maio de 2024
Perceber, perceberam, só que não lhes interessa, o ilegítimo, criminoso, corrupto, e antidemocrático regime liberal/maçónico imposto pelo golpe de Estado da OTAN em 25 de Abril de 1974, está a perder o domínio da narrativa e esse artigo publicado na revista é a prova disso mesmo, do desespero em que se encontram.

No entanto até é bom, porque faz com que os Portugueses comecem por si próprios a ler aquilo que o Presidente do Conselho, Marcello Caetano, escreveu.
De Bic Laranja a 26 de Maio de 2024
Não sei que diga. Passam o tempo a denegrir o Estado Novo. Se é má fé, crendice religiosa, simples burrice ou tudo misturado, certo é que podiam tentar ser menos broncos. Mas que fazer, não são capazes de mais.
Cumpts.
De [s.n.] a 27 de Maio de 2024
Figueiredo, e você a dar-lhe.
A Constituição de 1976 não tinha de ir a votos por ter sido feita por os eleitos em eleições gerais. A de 1933 teve aprovação em plebiscito por ter sido feita por quem não tinha sido eleito para o efeito.
Esse ponto de vista do golpe de estado em 25 de Abril de 1974 feito pela pelo regime liberal/maçónico e a OTAN é um ponte de viste daqueles que levaram um grande "baile" por não ter havido tumultos e mortos nas ruas.
Cumpts.
De Figueiredo a 27 de Maio de 2024
Você não está a perceber, e fá-lo por ignorância ou então é mal intencionado(a), a Constituição de 1976 é ilegítima, não foi votada pelos Portugueses, surge como imposição após o golpe de Estado da OTAN em 25 de Abril de 1974, ao contrário da Constituição de 1933 que nasce após a Revolução Nacional do 28 de Maio de 1926 e foi devidamente sufragada pelos Portugueses.

O que o(a) deixa em pânico é a verdade, o facto da Constituição de 1933 e o Estado Novo terem sido legitimados pelos Portugueses através do voto, na sequência de uma Revolução sem sangue a 28 de Maio de 1926.

Se não houve «...tumultos e mortos nas ruas...» como refere, agradeça a Marcello Caetano e aos Militares, o primeiro por não ter dado ordem para bombardear os militares traidores à Pátria e vassalos da OTAN que executavam o golpe de Estado, e aos segundos por terem respeitado a cadeia de comando e não agiram por iniciativa própria.

O seu problema – para além da verdade – é conviver mal com a democracia e tem uma ideia deturpada da mesma, é na sua óptica um sistema de iluminados, os «...eleitos...» como refere, que decidem redigir uma constituição e nem sequer a submetem ao voto do Povo para que seja sufragada e com isso legitimada; até na República Bolivariana da Venezuela (RBV) a Constituição desse País foi votada pelos Venezuelanos.
De [s.n.] a 27 de Maio de 2024
Figueiredo, a Constituição de 1976 foi feita por quem o povo elegeu nas eleições realizadas para o efeito em 25 de Abril de 1975, as Eleições para a Constituinte.
Esqueça essa da OTAN, assim como a ordem e bombardeamento se não havia ninguém para cumprir a ordem.
Cumpts.
De Figueiredo a 27 de Maio de 2024
Uma constituição após ser redigida tem de ser submetida ao sufrágio dos cidadãos, os Portugueses elegeram um grupo de indivíduos a quem delegaram funções para redigir uma constituição, o que é diferente.

Em democracia vota-se, leva-se ao escrutínio popular, que depois irá legitimar ou não o que é proposto.

Você não tem argumentos, é mentiroso(a), faz revisionismo histórico, em desespero para fazer valer a sua narrativa que não corresponde à realidade, lembre-se que a Constituição de 1976 nasce de um golpe de Estado levado a cabo pela OTAN em 25 de Abril de 1974, nem sequer foi votada, é ilegítima, ao contrário da Constituição de 1933 e o Estado Novo que foi devidamente sufragada pelos Portugueses e legitimado, ambos fruto da Revolução Nacional de 28 de Maio de 1926 e do voto.
De [s.n.] a 27 de Maio de 2024
Figueiredo, seja você o verdadeiro que quiser ser.
O 28 de Maio de 1926 foi uma revolução e o 25 de Abril de 1974 foi um golpe de estado da OTAN que nada teve de revolucionário.
E prontus, como diria o outro, vá chamar mentiroso ao D. Pedro e não respeite seja o que for incluindo recebimentos de valores monetários por ser tudo ilegal.
Cumpts.

De Figueiredo a 27 de Maio de 2024
Está a ver como você não tem argumentos.
De [s.n.] a 27 de Maio de 2024
O único argumento que posso ter é que tudo o que é feito em Portugal é ilegal.
E estamos todos lixados por causa dos acordos assinados com o estrangeiro.
A não ser que alguém diga 'não seja ridículo'.

Comentar

Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Olhar o Tejo
Paixão por Lisboa
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.