Sábado, 10 de Fevereiro de 2018

Dos bárbaros

 Sabemos da civilização grega. Os gregos antigos eram muito civilizados, mas em seu redor havia uns povos de rudes costumes, que nem grego falavam; entoavam uma linguagem estranha de bar bar bar. Daí os gregos lhes chamarem bárbaros. «Bárbaro» para dizer gente rude, sem modos ou incivilizada, vem dos gregos. Do grego passou ao latim; Roma conquistou a Grécia, mas é sabido que a civilização grega conquistou os romanos. E os povos incivilizados, das franjas do império, eram, naturalmente, os bárbaros. Como bons selvagens, deram em cobiçar as riquezas da civilização romana e, para a História, a queda do império romano foi o que sabemos: os bárbaros invadiram-no e espatifaram tudo.

 Mas isto da civilização e da barbárie tem maneiras de se compor: a História modernamente contada, cada vez mais polida, já não acha bárbaros nenhuns na queda de Roma; ensina correctìssimamente que eram povos germânicos. Soa muito mais civilizado, não vos parece?

 Não deixaram estes germânicos de ter espatifado tudo, mas assimilaram o — verniz, digamos — suficiente para olharem os outros como bárbaros — é evidente aqui, a todos, que bárbaros são sempre os outros; como evidente é que só uma civilização demente o procurará negar… — Os germânicos deram em cristãos, como Roma, e é da História ainda não reinventada que, entre a moirama norte-africana que acossou a Europa cristã no séc. VIII havia carradas de berberes: «berbere» é mera corruptela de «bárbaro» como é fácil de ver.

 A nossa linguagem portuguesa, tão rica e cheia de História, incorporou as duas: «bárbaro» e «berbere». Como incorporou uma terceira para dizer o outro, o estranho e incivilizado, trazida pelos berberes: cafre.

 «Cafre» vem do árabe «kafr» e é simplesmente a maneira de se os mouros referirem aos infiéis, diferentes de si, òbviamente incivilizados ou selvagens.

 Os portugueses na sua ronda de África assimilaram esta maneira de os berberes chamarem selvagens aos pretos da Guiné e até a ensinaram a povos altamente civilizados que tomam chá: os ingleses. Claro que os ingleses, que têm mais chá que ninguém, tanto lhe parecem cafres os portugueses como os pretos da Guiné, só os distinguindo um tanto, por conseguinte, dizendo dos portugueses que são os cafres da Europa; uma condescendência fleumática, admito, a quem os ensinou a tomar chá.

Mesa de chá, Portugal (M. Novais, s.d.)

Mesa de chá, Portugal, [s.d.].
Mário de novais, in bibliotheca d'arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 13:10
Verbete | comentar
8 comentários:
De Joe Bernard a 10 de Fevereiro de 2018
Sempre, sempre a pérfida Albion...
De Bic Laranja a 10 de Fevereiro de 2018
Uns snobs!
:)
Cumpts.
De Valdemar Silva a 10 de Fevereiro de 2018
O que M. Novais se havia de lembrar: do chá, ou o início do declínio do Império Português.(Se calhar os lápis azuis nem se aperceberam ou pensaram q'a rapaziada não se apercebia e lá passou a fotografia)
Pois, em 1662, a D. Catarina de Bragança, filha do Rei D. João IV de Portugal, quando casou o Rei Carlos II de Inglaterra e não só, levou de dote os territórios portugueses de Bombaim, Tanger e bom dinheiro.
D. Catarina também levou para Inglaterra, as boas maneiras de comer com garfo e faca, o consumo do tabaco e da boa marmelada de laranja. Mas a sua principal intromissão (salvo seja) foi a prática do consumo do chá, em Inglaterra, ao ponto de, desde esse tempo, se instituir o chá das cinco (five o'clock tea) como uma 'national practice' na comunidade inglesa em todo mundo.
Vá lá que os ingleses estavam interessados naqueles territórios dos portugueses, por os outros de África serem colónias de degredo, sem interesse, e no Brasil ainda lá estarem os holandeses, senão era o Brasil que tinha ido e agora na Inglaterra seria o samba a dança mais popular, se calhar ao chá das cinco.
Pois, se as nossas colónias de África tivessem interessado aos ingleses, no dote de D. Catarina, também, lá teriam ido e, até, pensando bem, não fora os Republicanos, lá teriam ido, como pagamento de empréstimos à Coroa, os territórios de Angola ou Moçambique.
Lá teriam ido , mas não foram. Cá ficou o 'Portugal do Minho a Timor'.
Que pena, agora, muitos milhares portugueses, ainda com menos de oitenta anos, estariam ainda vivos, ou com as duas pernas, ou sem problemas de saúde, ou sem terem que ir prá França, Alemanha ou Luxemburgo.
Se calhar agora, muitos, ainda, estariam cá, a beber chá, a maioria 'chá de parreira', mas ainda...estariam por cá.
Nada melhor que um bom chá.
Valdemar Silva

De muja a 11 de Fevereiro de 2018
Quisque est barbarus alio
De Valdemar Silva a 12 de Fevereiro de 2018
Sim, parece ter sido sempre assim.
Por atentar contra o instituído, com a sua maneira de ser, qualquer estrangeiro por muito civilizado, sempre foi considerado um bárbaro.
Valdemar Silva
De Bic Laranja a 13 de Fevereiro de 2018
«Quisque est barbarus alii», segundo alguns defendem.
Não entro na questão. Bárbaros são os outros, é ponto assente.

Cumpts.
De gt a 14 de Fevereiro de 2018
flores na taça dos pingos?
De Bic Laranja a 14 de Fevereiro de 2018
Assim é.
Cumpts.

Comentar

Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
17
19
21
23
26
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

____