Domingo, 9 de Outubro de 2016

Dos fracos já reza a História

 Uma cousa pequena ou uma palavra faz conhecer melhor os costumes das pessoas que as disseram que os infinitos inimigos mortos em batalhas e as cidades destruídas e reinos conquistados.
José Hermano Saraiva (anot. e com.), Ditos Portugueses Dignos de Memória; História íntima do século XVI, 3.ª ed., Mem Martins, Europa-América, 1997.

*     *     *

J.A. Saraiva, «Eu e os Políticos» (Gradiva, 2016)

 Eu e os Políticos pôs em alvoroço os fidalgos de pagode que vicejam na scena política do portugalinho dos nossos dias. A promiscuïdade da política com o jornalismo é a constante que lhe subjaz, mas o carácter do «escol» nacional impressa ali em letra de fôrma foi o que deu polémica. No fundo os jornais são papel de embrulho de todos os fretes e o livro descobre-o, bem temperado com as idiossincrasias da politicagem de turno.

 Alguns aí como José Manuel Fernandes afoitam-se em louvor velado do livro já arrolado ao índex da democracia, mas diminuem-no em que se só lá acha o que todos sabem. — Todos sabem? Quem são todos? — Os do meio: jornalistas e políticos, pois!... Sobra o povoléu: o às vezes cidadão comum, passe a redundância tão necessária aos todos, esses outros cidadãos não comuns, lordes da democracia, que, enfim, sabem sempre mais. — Ao cidadão ninguém lho diria abertamente, mesmo que rumores corressem. Mas agora só não sabe quem não quiser ler. O testemunho foi dado.
 Outros, também aí, porém, não têm contemplações: Luís Pedro Nunes afirmou que José António Saraiva, havendo como director do Expresso sido o jornalista mais poderoso do país e tendo perdido esse poder, escreveu o livro por ressentimento; a Fernanda Câncio, vedeta visada, diz que interpôs uma providência cautelar para banir o livro. — Jornalistas censurando jornalistas. — Ou comadres exhalando liberdade de expressão!... — Sintomático!...

 Para não haver dúvidas o autor escreve na apresentação o seu objectivo: deixar testemunho para a História. É bom argumento; esperançoso quanto ao objecto focado, mas, que importa?!... Sabemo-lo filho e sobrinho de historiadores; está-lhe nos genes; deve ser mais forte do que ele... E é de valor. Quanto não daríamos por crónica viva assim, dum contemporâneo das personagens que rodearam D. Afonso Henriques, D. Dinis ou D. João II, legando-o a nós vindouros, dando-nos a conhecer o carácter particular e íntimo dos actores da autêntica História, grandes e pequenos? — Grandes ou pequenos os julgaríamos nós melhor por conhecê-los em retrato intimista e coetâneo. — Pois podem agora os nossos vindouros fazê-lo desta gente de agorinha mesmo — gente menor, ínfima, bem entendido, mas toda ela símbolo dum tempo. É o que há para legar, paciência!... O valor desta fonte de História quase íntima, os vindouros lho darão, portanto. Se não vier a ser convenientemente apagada.

 Se estes actores da História recente são o que são, se valem o que valem, são todavia os que apareceram a figurar. — Castigo da Providência, má fortuna nossa... — Quereriam que o deixássemos na obscuridade? Mas não é a sacrossanta democaracia isto mesmo: o alçar da maioria, que é a mediocridade, por boa? Se o quadro em que figuram os farsantes é miserável, eles o necessàriamente assim compuseram — não há omoletes sem ovos.
 Da promiscuïdade entre política e jornalismo (este mera câmara de ressonância daquela) que o livro dá imagem, verificamos que o principal (único?) objecto da política é, ao cabo e ao resto, a sua própria publicidade. Ora o livro demonstra essa desgraça dando de caminho a degradação de costumes, a falta de carácter, a ânsia de protagonismo, a vaidade, a ganância, a ostentação e o vício dos protagonistas retratados. Serem eles com isso tudo que os identifica a transmitir a pequena História deste tempo desgraçado e pela pena dum deles, jornalista, é irónico. Talvez daqui o maior choque e raiva que o livro causou. Essa gente menor não queria ficar assim impressa para o futuro? Mas, que dizer? Eles merecem!...

 — Que a democracia lhes seja pesada! — Eis o valor do livro do arq.º Saraiva.

Escrito com Bic Laranja às 16:32
Verbete | comentar
13 comentários:
De Bic Laranja a 12 de Outubro de 2016 às 10:51
Note a prezada Maria que: as anotações sobre os visados no livro são minhas, não são citações do dito livro.
Obrigado da estima!
De [s.n.] a 13 de Outubro de 2016 às 02:50
Por acaso até julguei:) Mas olhe que estão como o ouro está para o azul. Ou seja, não podiam estar mais adequadas às personagens em causa!
De [s.n.] a 13 de Outubro de 2016 às 02:52
Lá estou eu a esquecer-me d'assinar! Isto já não é defeito é feitio...
:)Maria

Comentar

Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____