Quinta-feira, 26 de Abril de 2018

Eléctrico 2A

 Uma fotografia rara da última fase da carreira de eléctricos 2A.
 O 2 era o eléctrico do Lumiar. A carreira começou em Agosto de 1902 do Rossio ao Lumiar. Em 1921 passou a circular dos Restauradores ao Lumiar. Em 1947 apareceu o 2A, um desdobramento do 2 que se quedava só no Campo Grande. Nesta imagem de 1962 vemos o 2A com a bandeira do Saldanha; depois da inauguração do Metropolitano as carreiras de eléctricos da Avenida foram sendo suprimidas por redundantes com o novo meio de transporte. O 2A manteve-se só do Saldanha ao Campo Grande, presumo, enquanto o 2B, que ia do Martim Moniz ao Lumiar via R. S. Lázaro, Campo de Santana, Gomes Freire, Arco do Cego herdou o n.º da carreira e tornou-se o novo 2 em 1 de Janeiro de 1962. O primitivo 2 foi assim extinto.
 Era o princípio do fim dos eléctricos em Lisboa.
 

Eléctrico 2A, Av, da República (J.F. Bromley, 1962)
Eléctrico 2A, Lisboa, c. 1962.
John F. Bromley, Lisboa: diapositivos 1962–2004, in Flickr.

Escrito com Bic Laranja às 21:11
Verbete | comentar
11 comentários:
De André Santos a 26 de Abril de 2018 às 22:05
Este cenário é maravilhoso, eu já não apanhei nada disto. O 3 a virar lá ao fundo, vindo do Bairro do Arco de Cego, foi história que me contou o meu avô há duas dezenas de anos - e ainda hoje, nas paredes do Palácio Galveias, se encontram 4 dos olhais que sustentavam os fios. Foi por aí que "descobri".
A rede aérea era muito sustentada por postes de braço neste eixo e, até 2014, ainda era possível ver um esquecido no cruzamento com a Avenida Júlio Dinis. O da raquete do Lumiar também ainda lá estava...eléctricos é que não.
Tirando o caixote, que foi desmantelado, também os 2 salões ainda existam - aqui ou noutra parte do mundo. Pena não se verem os números.

Cumprimentos
De André Santos a 26 de Abril de 2018 às 22:07
A existência dos 2 salões é uma hipótese, não uma certeza (também->talvez).
A pressa nesta altura era outra. Ir dos Restauradores para o Lumiar (ou Benfica ou Carnide, etc) todos os dias seria coisa engraçada nos dias de hoje!
De Bic Laranja a 26 de Abril de 2018 às 22:41
É realmente maravilhoso. Também não apanhei nada dele. O eléctrico com o n.º mais baixo que havia era o 3 e já não passava da estação do Arco do Cego. Nas avenidas nem vê-los; só restos de carris e postes da via aérea. Fazia-me espécie não haver eléctricos 1 ou 2; e do 3 saltarem para o 10. Era um desconjunto a indiciar restos, decadência. Foi com esta noção que apreendi a rede de eléctricos. Coisa triste.
Daqui engalinhar agora com este sucedâneo de 24. Pior porque é uma impostura da vereação que de nada serve à rede de transportes colectivos urbanos. Propaganda de sabujos para idiotas e caprichosos e, na essência, mero caça níqueis a turistas.
Coisa ainda mais triste.
De João Marchante a 27 de Abril de 2018 às 00:51
Apeteceu-me passar por aqui, como sempre, mas desta vez não me vou sem dizer que perante a morte lenta da Pátria e o deserto da blogosfera nacional este espaço continua a ser um farol e uma lufada de ar fresco.
Saudações Culturais Nacionais!
De Bic Laranja a 28 de Abril de 2018 às 17:10
Obrigado João Marchante! Poucos ainda resistimos, tentando que se nem tudo não apague.
Abraço cordial!
De Mandarinia a 27 de Abril de 2018 às 13:47
Ver como a cidade já foi e ver como é. Ficamos tristes.
Numa altura em que se fala tanto de carros eléctricos não sei porque é que não se pensa numa rede estruturada e bem pensada de eléctricos para Lisboa.
Mostre-nos mais desta Lisboa que já não existe.

Cumprimwentos
De Bic Laranja a 28 de Abril de 2018 às 17:23
Ficamos tristes, sim. Se os eléctricos revivem agora é da gosma que anda bem estimulada pelo turismo. Quem na Câmara pensa os transportes colectivos em Lisboa tem só uma ideia nos bestuntos: perseguição ao automobilista. Claro que qualquer um desiste do automóvel particular pelo ciclomontanhismo da moda ou, se quando, por ex., quiser ir da Alameda ao aeroporto, desfrutar duma volta de metro do tamanho da expo; isto ou apanhar dois autocarros num percurso mais directo de 3 km...
Cumpts.
De gato a 29 de Abril de 2018 às 19:29
Nos anos 50 e 60 do século passado ia ao Porto com meu Pai e ficava encantado com os trolleys. Silenciosos e com à vontade nas manobras — volante, direcção, pneus e sem carris. Metiam num chinelo os eléctricos de Lisboa.
Este tripeiro (já deu para se entender ser sabichão) se calhar desconhece que a sua cidade foi precursora em transportes bons, económicoa e sem emissões. Queria era vê-lo a pedalar em Lisboa ou na sua terra.
Cumprimenta
De Bic Laranja a 1 de Maio de 2018 às 10:46
:)
Cumpts.
De José Lima a 29 de Abril de 2018 às 23:28
De Bic Laranja a 1 de Maio de 2018 às 10:47
Lisboa hoje dá-me asco. Serve para enganar touristes e gerações que a não conheceram como ela foi.
Tempos!...

Comentar

Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____