6 comentários:
De [s.n.] a 9 de Junho de 2019
Completamente d'acordo com tudo quanto escreveu. Nem podia ser doutro modo vindo de quem vem:)

Esqueci-me de acrescentar que o Professor Marcelo também já pronunciou mais do que vez 'equipe' em vez de "equipa", talvez por ter vivido algum tempo (pouco, creio) no Brasil e também sobretudo pelas visitas frequentes que tem feito àquele País por os seus filhos e netos lá viverem. Segundo me dizia a minha prima (que referi no comentário anterior) a absorção do sotaque brasileiro pelos portugueses é fortíssima mesmo que se não queira. Estranhamente o contrário não se verifica..., os brasileiros podem viver dezenas de anos em Portugal que nunca perdem o seu sotaque! Há qem diga que é uma questão de personalidade... Talvez.

Curiosamente aquando da eleição do Presidente um dos seus filhos foi entrevistado junto da multidão em frente ao Palácio de Belém e nas suas respostas não se detectou uma pitada de sotaque brasileiro. E tal teria sido perfeitamente natural dado os muitos anos que por lá tem vivido. Honra lhe seja.
Maria
De Bic Laranja a 10 de Junho de 2019
O sotaque brasileiro, pela vocalização mais sonora, é sempre mais audível. Todavia os ouvidos brasileiros notarão aportuguesamento aos seus compatriotas por cá que nos não soará a nós. É preciso estar imerso numa ou noutra linguagem.

Quanto ao «entertainer» de Belém, o seu valor para o idioma já ficou eloquentemente expresso quando se calou depois de criticar o acordo ortográfico e, antes, quando demonstrou o seu modo de exprimir-se em anglo-português…
Ou não fosse ele de Cascais — «chic a valer!»
De [s.n.] a 11 de Junho de 2019
Que eu saiba ele nunca foi de Cascais! Há tempos ele disse que tinha resolvido ir viver para a casa que tinha sido dos pais e esta fica situada na Lapa... A menos que ele tenha vivido em Cascais antes desta.

Adoro essa sua expressão "chic a valer". A sério.
:)Maria

Comentar