Quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

Portugal e o enxugo

 Drenagem é gallicismo, é novecentista. Ramalho usou-o certa vez...
 Referindo-se aos campos (e do mesmo modo, porque não, a cidades...) os nossos antigos -- incluindo alguns engenheiros do fontismo [melhor, da Regeneração] -- diziam enxugo por drenagem. No Ribatejo, terra alagadiça, recordar-se-hão por ventura de o ainda dizer em referindo-se ao reverso das cheias na leziria. Em redacções de jornaes ou na Camara Municipal do Intendente comprova-se hodiernamente que nada d'isso, nem pensar! Pior: nem com drenagem vamos lá. A cavalgadura que (diz-se) preside ao municipio, nem o modo conjunctivo dos verbos parece capaz de usar...

Segundo o socialista, «não haverá nenhum systema de drenagem que permittirá [i.é que permitta] evitar situações deste genero» (Antonio Costa: «Não existe solução para as cheias em Lisboa», in R.R., 14/X/2014 -- graphia adaptada.)

 Emfim, a ramalhal figura valeu-se da drenagem em 1888 (carta a Emilia de Castro) para referir o caso clinico de esvaziar um furúnculo ou algo assim... Sobra-nos porém d'aquelle Costa que, não havendo entupimento, se nos aggravará o caso com o problema dos vasos communicantes...
 Uma gaita, onde o enxugo irá parar!...

Innundações na Av. 24 de Julho, Lisboa (J. Benoliel, 1945)
Innundação, Av. 24 de Julho, 1945.
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

(Revisto ás sete e um quarto da tarde.)

Escrito com Bic Laranja às 11:50
Verbete | comentar
8 comentários:
De [s.n.] a 17 de Outubro de 2014
Essa do "haverá... que permitirá" está óptima. De facto não podia estar melhor...

Da inundação de 1957, não me recordo, era muito pequena. Mas a de 1967 (creio não me enganar no ano), isso ouvi falar e muito. Segundo me contavam posteriormente, em Odivelas, por exemplo, foi um verdadeiro horror. Casas senhoriais e outras mais modestas foram atingidas de tal modo que as águas terão chegado até meio das paredes dos salões e o mesmo terá acontecido aos pisos térreos de uma imensidade de edifícios e lojas. Tenho conhecimento inclusivé que num desses palacetes várias peças de mobiliário e quadros valiosos ficaram completamente estragados.
Maria
De Bic Laranja a 19 de Outubro de 2014
A desgraça de 67 foi natralmente culpa de Salazar, porque permitiu porem prédios de andares em leitos de cheia. Se tivesse proibido, não se livrava de lhe chamarem fascista. Assim foi fascista à mesma.
Mas em 67 não choveu só meia hora, como nestas últimas vezes na Rua das Pretas. Choveu mais e pela calada da noite; da longa noite para ser mais terrível...
Cumpts.
De [s.n.] a 20 de Outubro de 2014
Completamente d'acordo com a sua observação. Quanto ao que afirma sobre as inundações recentes, se pecou foi por defeito. Claro que eles, os desavergonhados responsáveis do presente, lá pensar, pensaram, mas vá lá, desta vez coibiram-se de proclamar aos quatro ventos que aquelas se verificaram por culpa exclusiva de Salazar. Todas as catástrofes passadas e futuras foram e serão por culpa Salazar. Felizmente Salazar tinha as costas largas.
Maria
De [s.n.] a 20 de Outubro de 2014
O vocábulo "inclusive" grafa-se sem acentuação tónica na última sílaba (fi-lo por distracção), embora fonèticamente se pronuncie como se a tivesse e nunca com a vogal "e" fechada como as meninas e os meninos das televisões, incluíndo as/os jornalistas do exterior e, mais incrìvelmente, os senhores doutores, engenheiros, arquitectos e etc., quando comentadores convidados, o façam sistemàticamente de modo errado.
Maria
De Bic Laranja a 20 de Outubro de 2014
Inclusivè pede acento grave, mas desde 45 que demos em poupar acentos.
Cumpts.
De [s.n.] a 21 de Outubro de 2014
Porquê acento grave?! Não há aqui contracções nem aglutinações de espécie alguma..., ou há?
Mas olhe que os dois dicionários que possuo da Porto Editora (5º. e 6º. volumes) em ambos o advérbio aparece sem o sinal gráfico, com a advertência porém de que deve pronunciar-se com o "e" aberto.

Todavia uma dúvida subsiste, caso a última vogal aberta exigisse de facto acento tónico (penso eu de que...:) então teria que levar forçosamente acento agudo. Ou não?
Maria
De Bic Laranja a 21 de Outubro de 2014
A regra geral é acento agudo para a tónica e acento grave para o timbre. Como no caso o acento na última vogal é de timbre, não de tonicidade... Mas em 1945 limitou-se o acento grave às subtónicas dos advérbios de modo e dos diminutivos e aumentativos e às contracções de certas proposições que refere. Por fim, em 73, somente no útimo caso.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 30 de Outubro de 2014
Do alto da minha ignorância, eu pensava que a palavra era latina, donde, sempre a pronunciei com todas as vogais abertas; mas, ao que vejo, foi mesmo importada e assim sendo, se as palavras agudas são acentuadas quando terminam em «a», «e» e «o», como é neste caso? E, já agora, «curriculum»?
Obrigado.
cumpts

Comentar

Fevereiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
15
18
19
25
29

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____