15 comentários:
De muja a 19 de Janeiro de 2016 às 14:20
Parece-me quase certo ser 7 e 9
De Bic Laranja a 19 de Janeiro de 2016 às 16:26
E à direita por meio dos pinheiros uma torre sineira. De que lugar poderá ser?
Cumpts.
De Inspector Jaap a 20 de Janeiro de 2016 às 19:59
Vou tentar contribuir para o desvendar do mistério:
1- A cena é na área de Lisboa? Se sim, não tenho nada a dizer, com grande pena minha.
2- A fazer fé nas quilometragens sugeridas pelo caro Bic, então só poderá(ia) ser a EN 1 ou a EN 2, se bem que eu ache que o marco hectométrico é o 7 do km 9.
3- A ser assim, a cena PODERIA bem ser na EN 13 em Vilar do Pinheiro perto do Porto*, uma vez que o km 10 está ligeiramente atrás, mas com esta doença das rotundas, é consistente com o marco antigo; a vegetação do separador central também o é com o da foto; acresce a isto o facto de outrora o pavimento ser de empedrado do tipo apresentado pela foto, mas é a penas uma ideia. E, mais difícil ainda: Existe um muro do lado esquerdo depois da curva também em pedra e com a entrada já não tão graciosa como a da foto mas, outrossim, mais ao gosto do eurocaixilho , com a devida vénia ao caro Bic e com o mesmo tipo de cultivo: o milho**; a igreja é que não consigo descortinar.
Cumpts
* = https://www.google.pt/maps/@41.2592613,-8.6601475,3a,75y,318.97h,80.59t/data=!3m6!1e1!3m4!1shtuESPpjXvMIgoPpOxJ5Zw!2e0!7i13312!8i6656?hl=pt-PT
**= https://www.google.pt/maps/@41.2604994,-8.6616275,3a,75y,279.56h,58.44t/data=!3m6!1e1!3m4!1sajgrRHVlEgTeA7WyQ3oKpw!2e0!7i13312!8i6656?hl=pt-PT
De Bic Laranja a 20 de Janeiro de 2016 às 23:17
Muito boa proposta. Provavelmente apostaria por Lisboa, mas é muito plausível ser neste lugar.
Obrigado!
De José Henrique Soares a 21 de Janeiro de 2016 às 08:35
Antes de ler os comentários, ocorreu-me curiosamente que pudesse ser um trecho da Nacional 13, à saída da Maia, que poderá ser em Vilar do Pinheiro. Os campos de milho e a paisagem parecem-me muito compatíveis. O empedrado da estrada também milita a favor desta hipótese. Só um factor contra: a matrícula do carro com as letras IC julgo que seria do sul do país (o que, por si só, não elimina, como é óbvio, a hipótese). JHS
De Bic Laranja a 21 de Janeiro de 2016 às 12:45
O pedaço de estrada ajusta-se, de facto. A ausência da igreja e a matrícula com letras atribuídas da D.G.V. de Lisboa não corroboram. Nem infirmam. Até ver é a melhor hipótese.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 23 de Janeiro de 2016 às 22:02
Caro Bic, é com o meu ar triunfal do costume que tenho o prazer de lhe dizer que o mistério está resolvido: a cena é mesmo onde eu disse, corroborado que fui pelo nosso correligionário JHS, o qual também estava certo em tudo o que disse.
Sucede apenas que há hoje um mamarracho que nos oculta a vista da magnífica igreja de Santa Marinha dos peitos (!) padroeira das senhoras que padecem de um qualquer mal dos peitos, desde a falta de leite para alimentar o seu bebé até ao extremo pavoroso que é o cancro da mama; mas o caro Bic tem esta aura: por via desta pequena diatribe, acabei por me “armar” em Sherlock Holmes de trazer por casa e fui na demanda da misteriosa igreja* e deparei-me com um pequeno e escondido tesouro do qual lhe dou conta por correio electrónico que agradeço, tenha a bondade de verificar; fico curioso em ver a sua reacção; só lhe digo que terei passado a 20 m da dita, centenas - quiçá milhares de vezes - e se não fosse por si, provavelmente nunca a teria conhecido.
O meu bem-haja, pois!
Calorosos cumprimentos
*= https://dl.dropboxusercontent.com/u/14097568/Igreja_Santa_Marinha.jpg
De Bic Laranja a 24 de Janeiro de 2016 às 00:11
Ora bem! Quebra-tolas resolvido, fruto do seu empenho e generosidade para se pôr em campo. É-me gratificante que deslindasse o enigma, e inesperado, porquanto a imagem pilhei-a dum lote em que as demais são sobretudo de Lisboa e arredores. Foi uma afortunada coincidência tê-lo cá entre os leitores, porque doutra maneira era mais uma fotografia sem rasto entre tantas que ninguém sabe já identificar. Talvez seja arte de Santa Marinha de Vilar de Pinheiro para darmos por Ela, primeiro entre os pinheiros, finalmente além dos mamarrachos que nos cerceiam os horizontes nestes dias de olvido.
Assim é uma satisfação. Muito obrigado
De i a 25 de Janeiro de 2016 às 10:27
Generosidade sua, como sempre, e que lhe agradeço reconhecido; mas foi um gosto tê-lo feito, pois que a recompensa, desta vez, veio com extras; Ela, a Santa, deve mesmo ter tido intervenção em todo este caso, porquanto isto tudo é um verdadeiro desafio à Teoria das Probabilidades.
Cumpts
De Inspector Jaap a 25 de Janeiro de 2016 às 10:34
E a saga continua:
i= Inspector Jaap, com as minhas desculpas.
Cumpts
De José Henrique Soares a 22 de Janeiro de 2016 às 09:36
Mais uma achega: vista (com a prestimosa ajuda do Dr. Google) a fachada da igreja de Vilar do Pinheiro, em especial a (única) torre do sino, diria que pode bem ser a torre que se alcança na fotografia, no meio dos ramos dos pinheiros.
Um contra: não encontro no desenho actual da Nacional 13, perto da dita igreja, uma curva como a da fotografia.
JHS
De Bic Laranja a 24 de Janeiro de 2016 às 00:04
A sua achega, apesar de tudo, parece que motivou resultado. Faltava algum trabalho de campo. Felizmente foi feito.
Obrigado do seu interesse.
Cumpts.
De Inspector Jaap a 25 de Janeiro de 2016 às 10:32
Caro JHS:
A curva de que falamos está situada ao km 10,1, ou isso que é.
Cumpts
De valdemar silva a 24 de Janeiro de 2016 às 00:34
Dr. Google?
Quem é esse?
Sei que googol quer dizer: 1+100 zeros.
Afinal onde fica, agora, aquele lugar com um automóvel para cá e outro para lá, que na época causaria graves problemas emocionais às pessoas. Santa Marinha, a N. Sra. Senhora protectora das mulheres com cancro na mama. Coitada da Santa, quando se especializou, nem lhe passava pela cabeça
a trabalheira que iria ter.
Valdemar Silva
De Bic Laranja a 24 de Janeiro de 2016 às 00:49
Um automóvel para cá e outro para lá, ainda agora parece causar problemas emocionais...
Preciso é manter a calma e contar até treuze. É esse o n.º da estrada. Vá por ela até a achar a Santa.
Cumpts.

Comentar