Domingo, 28 de Maio de 2023

Excerto de Lisboa do passado

António Lopes Ribeiro, Lisboa de Hoje e de Amanhã [excerto]
(1948)

_______
Adenda: (14'28") um táxi vira da Estr. do Poço dos Trapos para a Estr. de Sacavém; um camião no sentido Sul-Norte [Norte-Sul (?)] na Rot. da Encarnação e outro no sentido Norte-Sul [inverso]; [15'22"] Av. do Aeroporto, descendo do Areeiro quase por altura da quinta de Fronteira (Av. do E.U.A., aprox.); chegada ao Aeroporto da Portela; escadaria e porta principal do dito; cerca da pista com gente observando os aviões; [15'52"] aterragem suave dum DC-3 com [a silhueta da Penha de França e d]os arranha-céus do lado sul do Areeiro em fundo e um Super Constellation estacionado com motores a trabalhar; [16'19"] retorno do aeroporto, caminho da Praça do Aeroporto (futura rotunda do Relógio), possivelmente filmado do andar de cima dum dos primeiros autocarros de 2 pisos; Praça do Chile com o lago, mas [ainda] sem a estátua do Neptuno [16'40"]; eléctricos na Rua da Palma; [16'59"] rua oriental do Campo Grande tirada por cima da igreja paroquial, dês da esquina da Av. do Brasil, com um eléctrico e um dos primeiros autocarros da Carris chegando à paragem ante uma cabina telefónica das antigas (17'16").

*    *    *

[Publicado inicialmente em 18 de Novembro de 18. Reposto o filme e revisto no dia do 97.º aniversário da Revolução Nacional.]

Escrito com Bic Laranja às 12:59
Verbete | comentar
12 comentários:
De Mandarinia a 19 de Novembro de 2018
Caro BIC,

Em 1948 nascia a minha mãe, que já cresceu a ver todas estas obras e melhoramentos. O filme é maravilhoso.
Confesso que também me provoca um sentimento de alheamento pois ao contrário de minha mãe eu já não vi muito desta cidade que o filme mostra (de tão alterada que entretanto ficou) e embora o visionamento do mesmo me proporcione alguns "deja vu" a realidade impede-me de fazer a identificação que deveria ser automática. Para as gerações mais recentes receio que um filme acerca das muitas luas de Júpiter provocaria idêntico espanto e estranheza.

Fica aqui o meu bem haja pois desconhecia este extenso "postal" de uma Lisboa nascida e entretanto desaparecida.

Cumprimentos
De Bic Laranja a 24 de Novembro de 2018
Diz bem; o filme para as gerações mais novas deve ser muito estranho.
Minha mãe nasceu em 28 e assistiu às mudanças em curso quando veio para Lisboa em 38. Falava-me amiúde delas e eu nessa tal estranheza dos mais novos, sem muito perceber. Agora entendo muito melhor.
Cumpts.
De gato a 19 de Novembro de 2018
É um Filme-Documentário notável. Porque tecnicamente foi bem feito. Porque é uma mostra — sempre se crê mais no que se vê — do que foi Lisboa num dealbar de mudança.
Infelismente mudou para algo desagradável: um copianço reles (como todos os copianços) do que se fazia em cidades sem a Luz, a Cor e o Sol de Portugal.
Não interessa se foi subsidiado por 'fasssistas': é bom. O que não se vai poder dizer dalgum filme subsidiado pela esquerdalhada: são todos maus.
Para os menores de 50 anos: vejam, apreendam e aprendam.
Abraço
De Bic Laranja a 25 de Novembro de 2018
Bem verdade. Dos anos 60 para cá Lisboa subverteu-se ao modelo estrangeiro.
Com o tempo pouco a distinguirá. Mas o excursionismo em pacote aí anda, sem perceber o engano.
Cumpts.
De [s.n.] a 30 de Maio de 2023
Não consigo encontrar agora, julgo que em 1962 ter visto na CMLisboa, na Rua 1º.Dezembro, uma grande maquete do moderníssimo Martim Moniz-Restauradores que desaparecia tudo o que estava incl. Igreja S. Domingos, dos Arqts. João Guilherme Costa e Jorge Costa,

Cumpts.
De [s.n.] a 30 de Maio de 2023
Obrigado.
Ah!ah!ah!
,,,e os viadutos e túneis para o transito automóvel?

Cumpts.
De Bic Laranja a 30 de Maio de 2023
Isso nem fazia mal, pois por sua natureza ficava logo sepultado. Pior de tudo ainda foi o que lá acabaram por fazer. Sem pés nem cabeça, desgarrado, de péssimo gôsto. Antes o barracão do Adoque e os pavilhões provisórios com as sapatarias. Mil vezes mais jeitoso.
Cumpts.
De Bruno Marques a 26 de Novembro de 2018
Muita pena , as demolições.... Ideologias. Hoje a Praça da Figueira seria uma mais-valia para o turismo. E o Martim moniz não precisava de ter sido aberto de forma tão radical.
De Bic 🍊 a 2 de Dezembro de 2018
O cúmulo da mais-valia é demolir a cidade toda e construir de novo.
Fica moderno e deixa os patos bravos todos contentes. Ah! E financia a democracia partidária por mais alguns anos.
Cumpts.
De Rui Figueiredo a 30 de Maio de 2023
A dado momento saúda-se o aterro do caneiro de Alcântara sob o viaduto de Duarte Pacheco. Asneira grossa e "ar do tempo" que, contudo, não suprime este notável documento
De Bic Laranja a 31 de Maio de 2023
Sim. A par das demolições na Baixa estavam em voga ideias de progresso eminentemente destrutivas. Quando não bem, como no caso das ribeiras que em Lisboa tinham de fatalmente correr para o Tejo, entubavavam-se. Uma fatalidade urbana que já vem de D. João II, porém, cujo caneiro real foi a obra que definitivamente pôs a Baixa a sêco. A menos que chova…
Cumpts.

Comentar

Julho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante



Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Fugas do meu tinteiro
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Kruzes Kanhoto
Lisboa
Lisboa Actual
Lisboa de Antigamente (pub)
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Meu Bazar de Ideias
Olhar o Tejo
Paixão por Lisboa
Perspectivas(pub)
Planeta dos Macacos (O)
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Tradicionalista (O)
Ultramar

arquivo

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.