12 comentários:
De Mandarinia a 19 de Novembro de 2018
Caro BIC,

Em 1948 nascia a minha mãe, que já cresceu a ver todas estas obras e melhoramentos. O filme é maravilhoso.
Confesso que também me provoca um sentimento de alheamento pois ao contrário de minha mãe eu já não vi muito desta cidade que o filme mostra (de tão alterada que entretanto ficou) e embora o visionamento do mesmo me proporcione alguns "deja vu" a realidade impede-me de fazer a identificação que deveria ser automática. Para as gerações mais recentes receio que um filme acerca das muitas luas de Júpiter provocaria idêntico espanto e estranheza.

Fica aqui o meu bem haja pois desconhecia este extenso "postal" de uma Lisboa nascida e entretanto desaparecida.

Cumprimentos
De Bic Laranja a 24 de Novembro de 2018
Diz bem; o filme para as gerações mais novas deve ser muito estranho.
Minha mãe nasceu em 28 e assistiu às mudanças em curso quando veio para Lisboa em 38. Falava-me amiúde delas e eu nessa tal estranheza dos mais novos, sem muito perceber. Agora entendo muito melhor.
Cumpts.
De gato a 19 de Novembro de 2018
É um Filme-Documentário notável. Porque tecnicamente foi bem feito. Porque é uma mostra — sempre se crê mais no que se vê — do que foi Lisboa num dealbar de mudança.
Infelismente mudou para algo desagradável: um copianço reles (como todos os copianços) do que se fazia em cidades sem a Luz, a Cor e o Sol de Portugal.
Não interessa se foi subsidiado por 'fasssistas': é bom. O que não se vai poder dizer dalgum filme subsidiado pela esquerdalhada: são todos maus.
Para os menores de 50 anos: vejam, apreendam e aprendam.
Abraço
De Bic Laranja a 25 de Novembro de 2018
Bem verdade. Dos anos 60 para cá Lisboa subverteu-se ao modelo estrangeiro.
Com o tempo pouco a distinguirá. Mas o excursionismo em pacote aí anda, sem perceber o engano.
Cumpts.
De [s.n.] a 30 de Maio de 2023
Não consigo encontrar agora, julgo que em 1962 ter visto na CMLisboa, na Rua 1º.Dezembro, uma grande maquete do moderníssimo Martim Moniz-Restauradores que desaparecia tudo o que estava incl. Igreja S. Domingos, dos Arqts. João Guilherme Costa e Jorge Costa,

Cumpts.
De [s.n.] a 30 de Maio de 2023
Obrigado.
Ah!ah!ah!
,,,e os viadutos e túneis para o transito automóvel?

Cumpts.
De Bic Laranja a 30 de Maio de 2023
Isso nem fazia mal, pois por sua natureza ficava logo sepultado. Pior de tudo ainda foi o que lá acabaram por fazer. Sem pés nem cabeça, desgarrado, de péssimo gôsto. Antes o barracão do Adoque e os pavilhões provisórios com as sapatarias. Mil vezes mais jeitoso.
Cumpts.
De Bruno Marques a 26 de Novembro de 2018
Muita pena , as demolições.... Ideologias. Hoje a Praça da Figueira seria uma mais-valia para o turismo. E o Martim moniz não precisava de ter sido aberto de forma tão radical.
De Bic 🍊 a 2 de Dezembro de 2018
O cúmulo da mais-valia é demolir a cidade toda e construir de novo.
Fica moderno e deixa os patos bravos todos contentes. Ah! E financia a democracia partidária por mais alguns anos.
Cumpts.
De Rui Figueiredo a 30 de Maio de 2023
A dado momento saúda-se o aterro do caneiro de Alcântara sob o viaduto de Duarte Pacheco. Asneira grossa e "ar do tempo" que, contudo, não suprime este notável documento
De Bic Laranja a 31 de Maio de 2023
Sim. A par das demolições na Baixa estavam em voga ideias de progresso eminentemente destrutivas. Quando não bem, como no caso das ribeiras que em Lisboa tinham de fatalmente correr para o Tejo, entubavavam-se. Uma fatalidade urbana que já vem de D. João II, porém, cujo caneiro real foi a obra que definitivamente pôs a Baixa a sêco. A menos que chova…
Cumpts.

Comentar